quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A velha máxima (16/11)


Resta a Assad e aliados ameaçar o mundo com a conflagração geral. Mas uma regra não escrita ensina que ameaçar com o caos e o apocalipse é recurso dos fracos, nunca dos fortes

Pouco menos de um ano após a eclosão das revoltas árabes, o processo parece longe de estancar. A bola da vez é a Síria, cujo regime caminha para o isolamento irreversível e o fim previsível.

Claro que em política tudo, ou quase, é possível. Mas se Bashar Assad sobreviver ao cerco será um milagre daqueles. Para figurar em páginas nobres nos livros de História.

Tem restado a Assad e aliados ameaçar o mundo com uma conflagração em larga escala. No cenário mais apocalíptico, Irã e Hezbollah arrastariam Israel ao conflito, alterando o caráter da disputa.

Parênteses. Uma regra não escrita ensina que ameaçar com o caos e o apocalipse é recurso dos fracos, nunca dos fortes.

Na universalização do conflito agitada por Damasco a luta para apear um regime despótico cederia lugar ao combate pan-islâmico contra os Estados Unidos e seu campo.

E o movimento das massas árabes e islâmicas viveria uma mudança qualitativa, passaria a um novo patamar. Anti-imperialista.

Mas é improvável que aconteça assim. 

Durante a Guerra do Golfo Sadam Hussein lançou mísseis sobre Israel para tentar provocar uma resposta israelense, o fato novo que permitiria ao líder iraquiano romper a frente adversária que se fechava sobre ele como tenaz.

Ação militar em que aliás a Síria estava aliada aos Estados Unidos.

Não deu certo. As tropas iraquianas foram expulsas do Kuait e uma década depois o próprio Sadam acabou na forca.

A Síria terá dificuldade de arrastar outros jogadores para o palco do infortúnio exatamente porque cada um zela em primeiro lugar pelo próprio pescoço.

E os regimes árabes e muçulmanos, mais ou menos despóticos, cuidam neste curto prazo, antes de tudo, da própria sobrevivência. O episódio líbio deve ter sido pedagógico.

É improvável que as imagens de um antes poderoso Muamar Gadafi barbaramente agredido, seviciado e morto não tenham tido efeito dissuasório entre os colegas,. Pelo menos entre os que ainda não cruzaram o rubicão.

E os sinais emitidos pelas potências são claros: há espaços na nova ordem, desde que o sujeito não tenha ultrapassado certos limites. E que escolha o lado, digamos, certo.

Um bom exemplo é o Líbano. O Hezbollah é a força hoje hegemônica, vem no ápice do poderio militar, mas anda politicamente tolhido, exatamente pelo peso específico que alcançou.

Eventual ataque da guerrilha xiita a Israel desencadearia contra-ataque devastador. E as demais forças libanesas não parecem dispostas a provocar uma tragédia nacional para defender a enfraquecida cúpula alauita de Damasco.

O momento do Irã é semelhante. Os iranianos precisam de tempo para concluir os passos necessários ao domínio da tecnologia nuclear bélica. Todos os movimentos de Teerã são para “comprar” tempo.

Inclusive para decidir se vão até o fim na empreitada. Uma dúvida com potencial para rachar o núcleo dirigente. Pois no melhor desdobramento o Irã se transformaria na potência regional hegemônica. Mas há o pior, em que deixaria de existir como nação independente.

Uma escolha e tanto.

Na operação para obter tempo o Irã conta com blindagens importantes, o Brasil incluído. Escorregar para a guerra prematuramente seria um erro. Correria o risco de perder aliados políticos e não teria chance no cenário militar.

O colapso de Assad constituirá um problema para Teerã, mas sempre será possível buscar o modus vivendi com eventuais sucessores.

Afinal, o Oriente Médio comprova a velha máxima de que a política é também a arte de estar pronto a se aliar com qualquer adversário, e a romper com qualquer aliado.

E agora?

O relatório mais recente da Agência Internacional de Energia Atômica deixa claros os passos do Irã para trilhar o caminho do poderio nuclear para fins militares.

Aguarda-se o que o Brasil fará a respeito. Provavelmente nada. O que apenas reforçará uma suspeita. Alguém concluiu, por algum motivo, que o Brasil tem a ganhar com um Irã nuclear.

Falta só explicar ao povo brasileiro o porquê.

Lá atrás o Brasil podia pretextar uma dúvida razoável a respeito dos objetivos bélicos do programa iraniano. Luiz Inácio Lula da Silva agarrou-se nisso até o fim.

Mas, e agora?


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta quarta (16) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

4 Comentários:

Anonymous Swamoro Songhay disse...

Por ocasião da tentativa brasileira de obter protagonismo na política internacional, aparentemente, o Brasil usou retórica resvalando para o belicismo no caso iraniano.

Por mais oblíquos que tenham sido os discursos, eles deixavam sinais de que pretenderia dar "um chega para lá" na AIEA/CNP.
Ou seja, deixar o caminho aberto para tentar ter sua própria bomba A.

O discurso oblíquo, porém, fez com que a linguagem fosse uma espécie de "bumerangue" do mundo. Idas e voltas sem acertar ninguém. Exceto as próprias pretensões, quando as potências resolveram dar um basta aos arroubos.

O Brasil pode ter perdido uma grande chance de fortalecer-se, ganhar protagonismo pela paz, naquela ocasião. Ao contrário, tentou uma via de ranger de dentes. Perdeu.

Credenciar-se, agora, quando, talvez, fosse mais necessário e oportuno, fica muito mais difícil. Isso porque as brasas estão um pouco mais acesas. E parece ficar mais evidente ter o Brasil ajudado o Irã a "ganhar tempo", em uma situação muito sensível.

Quando haviam mais chances para a paz, teria condições fazer muita coisa e perdeu-se. Em situação de guerra, o Brasil não poderá fazer absolutamente nada. Exceto, ficar quieto.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011 15:05:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Por que tanta certeza? Quem as tem com exclusividade é Obama e Benjamin Netanyahu.Os demais, prosseguem no oba-oba , em que se converteu diplomacia ocidental.
As coincidências da deflagração da"primavera árabe",mesmo com descuidado olhar sobre o mapa,as dúvidas se dissipam: do Mediterrâneo ao Vermelho,um oceano de petróleo da melhor qualidade separa os dois mares.Israel com assentimento do Departamento de Estado,bombardeou a usina nuclear do Iraque,como se fora a coisa mais banal entre os desafeto.E,mais bombardearia quanto mais fossem as usinas supostamente a lhe ameaçarem.
Revisitando a história,os momentos de instabilidade econômica,indefinição política,temor pelo destino nacional dos cidadãos pelos seus países exacerbam as condições das respostas extremas e radicais para seus problemas
de sobrevivência.Preocupa,profundamente, a intempestiva participação da Otan com apoio da ONU,com ingerência,participação,ação e execução na aventura líbia.
Prefácio, embora queiram fazer crer, tratar-se de um epílogo.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011 16:03:00 BRST  
Anonymous Marcos disse...

E qual a alternativa para o Irã senão a Bomba Atômica?
Ou alguém tem alguma dúvida de que um ataque ao Irã por Israel e as potências Ocidentais seja apenas uma questão de tempo?
Se tiver que escolher entre viver em Israel ou Irã, não tenho duvidas que escolheria o Estado Judeu. Mas isso não me impede de constatar que Israel usa da estratégia de criar um fato consumado para tomar as terras árabes.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011 19:12:00 BRST  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

É de duvidar, sim, que haja um ataque ao Irã. Pode ser até que exista quem queira. Notadamente quem acredite que guerras criam heróis e não cadáveres.

Ataque de tal monta, com dia, hora e local anunciado? Onde está a lógica disso?

A alternativa do Irã é a mesma do Brasil e outros países que não têm a bomba A: não construir bombas e utilizar o pouco fosfato, para pensar em coisas mais importantes, do que querer que seu povo seja incinerado.

Para azar das cassandras, não vai ocorrer ataque algum. E assim, os vendedores de fósforos acesos em paiol, não poderão chorar pelos iranianos mortos. Os cidadãos iranianos agradecem se pararem de colocá-los como um monte de carne calcinada.

Quanto ao petróleo, para quem era, é e continuará sendo vendido o óleo do Norte da África e do OM?

quinta-feira, 17 de novembro de 2011 16:33:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home