domingo, 27 de novembro de 2011

Mar sem muros (27/11)


O lógico é concentrar no governo federal o dinheiro para combater acidentes petrolíferos. Pois se um poço vaza no Espírito Santo e o desastre atinge uma praia da vizinha Bahia o governo baiano irá buscar dinheiro em Brasília, e não em Vitória.

O acidente ambiental na operação petrolífera da Chevron desencadeou surtos de consciência e esperteza.

Consciência? O vazamento mostrou mais uma vez que não existe risco zero na obtenção de energia. O desenvolvimento tem custo ambiental, obrigatório ou potencial. A utopia moderna é o bem-estar para todos com 100% de “sustentabilidade”. Impossível.

O que fazer, então? Alguns propõem renunciar a tudo.

A cada fonte de energia há alguém que afirma ser indispensável abrir mão dela para salvar o planeta. Inviável. Se ouvidos todos os profetas do apocalipse, a humanidade estará condenada a comprar passagem de volta para a Idade da Pedra.

Quem fura o chão do mar para procurar e extrair óleo está arriscado a deixar vazar para a água. Isso vale para o pré-sal ou para a extração convencional. O Brasil é líder mundial em petróleo extraído no mar. Então que cuide de fazer da melhor maneira possível.

Como a Chevron é americana, uma parte da reação pública e popular escoou pelo canal da xenofobia. E se fosse a Petrobras? Ou uma parceira brasileira da estatal? A Petrobras garante que é impossível acontecer algo parecido na operações dela própria?

Aliás os americanos estão isentos da acusação de não praticar o desleixo que exportam para o Terceiro Mundo, pois o acidente parecido no Golfo do México foi bem pior. Ainda que a empresa naquele caso fosse britânica.

Então não é por aí. O problema é outro. Será que o Estado brasileiro utiliza convenientemente os recursos do petróleo para minimizar a possibilidade de acidentes e para, quando acontecerem, minimizar as consequências?

Ficou essa dúvida.

E a esperteza? Tentar conectar o acidente da Chevron ao debate sobre a destinação dos royalties. Os estados em cujo litoral se extrai o óleo estariam agora legitimados para pedir a parte do leão, pois mais sujeitos a risco.

Ora, o mar não é murado. O óleo vazado pode ser carregado pela água para qualquer lugar. O desastre ecológico não acontecerá necessariamente nas praias do estado em cujo mar houve o vazamento.

E o argumento vira bumerangue. O mais razoável não é deixar nos cofres estaduais os recursos de prevenção e combate a desastres petrolíferos. É concentrar no governo federal. E este irá aplicá-los onde for necessário.

Pois se, por hipótese, um poço vaza no Espírito Santo e o desastre atinge uma praia da vizinha Bahia o governo baiano irá buscar dinheiro em Brasília, e não em Vitória.

Esse é o argumento lógico. mas tem também o empírico. Quanto dos royalties do petróleo vem sendo investido nessa rubrica específica pelos estados hoje beneficiados?

Os que têm hoje a parte do leão por acaso dão prioridade financeira a ações para prevenir e combater problemas ambientais e sociais decorrentes da extração petrolífera? Aguardam-se demontrações.

Proporcional

Disse aqui colunas atrás que em meio a outras acusações atenção especial deveria ser voltada às atividades do Ministério do Trabalho na certificação de sindicatos.

Pule de dez.

É bizarro que persista entre nós este traço do Estado Novo, o governo dizer que sindicato representa a categoria. É um poder intolerável e que induz à corrupção.

É aliás estranho que a CUT, nascida também para acabar com isso, tenha deixado com o tempo o tema em segundo plano.

E o risco de fragmentação sindical das categorias? Será real, pois os insatisfeitos com a orientação partidária poderão formar novos sindicatos.

Para isso há duas soluções possíveis. Uma é aceitar essa realidade e formar coligações sindicais na base para negociar unificadamente com os patrões. Como já acontece na cúpula, com as centrais sindicais.

Outro caminho é estabelecer a unicidade em lei, mas desvincular o sindicalismo da estrutura do Ministério do Trabalho e adotar mecanismos proporcionais obrigatórios nas eleições da entidades.

Haveria um só sindicato, mas cada corrente política teria nele a representação proporcional aos votos. Quem conseguisse a maioria, comandaria. Mas a oposição estaria representada. Como acontece hoje na UNE.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada neste domingo (27) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

5 Comentários:

Anonymous Swamoro Songhay disse...

De tudo o que se falou do pré-sal, a prevenção de acidentes, nunca foi abordada a ponto de galvanizar e provocar discussões sérias. Exceto por bazófias e desejos.

O vazamento de óleo ocorreu e só depois de uma semana, o fato foi realmente dimensionado. E do lado errado. Deu-se mais ênfase à nacionalidade da empresa extratora, do que ao acidente em si. Até parece que por ser americana, a empresa teria interesse em inundar de óleo as praias e prejudicar a ecologia brasileiras. Isso é ideologia das mais absurdas. Num terreno onde o que menos resolve é a ideologia, mas, sim, recursos e capacidades.

A incoerência de tal abordagem mostra o seu lado ridículo. Oras, quem contratou a empresa americana foi a empresa nacional estatal icônica. Controlada pelo todo poderoso e onisciente Estado Brasileiro. E ambos demoraram para reagir. E quando o fizeram demonstraram despreparo.

Já a discussão do royalty demonstra maior despreparo ainda. Exceto para o oportunismo estéril.

domingo, 27 de novembro de 2011 19:28:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon Feuerwerker,
O grupo contra os royalties do petróleo utilizam de todos os argumentos. Os que são a favor têm também o direito de utilizar os argumentos que acharem mais sólidos para a defesa dos interesses deles. E há os que procuram brechas nos dois argumentos e que esses apontem essas brechas.
O único senão em seus contra argumentos é o esquecimento do preceito constitucional e talvez devesse também ver a razão do preceito constitucional.
A Constituição de 1988 em muito teve origem na tentativa de cortar o poder do governo Federal. Por sorte, a direita sob a batuta de Roberto Cardoso Alves conseguiu reverter em muito o que estava sendo delineado, principalmente com a reversão no projeto de tornar a República brasileira em parlamentar. O parlamentarismo para mim é mais democrático do que o presidencialismo na medida que no executivo é mais fácil instalar a ditadura da maioria, que é excludente da minoria. Só que como a Europa está mostrando, não só nas regras que afastam o parlamento do poder, mas principalmente no surgimento de Mario Monti como um "Deus ex-machina", o parlamentarismo é um bom mecanismo de afastar o povo do poder.
Sempre preferir a concentração de poder na União. Houve o privilégio para os estados membros e só uma reforma na Constituição para mudar esse preceito.
Pode ser a mesma coisa em relação ao poder do governo dizer que sindicato representa a categoria. Não sei se é o caso, mas mesmo não sendo, a justificativa que você dá para que o governo não tenha esse poder não é bem fundamentada. Diz você:
"É um poder intolerável e que induz à corrupção.
Como avaliar que um poder é intolerável.
E dizer que esse poder intolerável induz à corrupção é quase um truísmo. O ditado é que o poder corrompe e o poder absoluto induz à corrupção absolutamente. Os órgãos de controle interno e de controle externo existem exatamente para combater a corrupção e podem fazer isso com muito mais perfeccionismo se sabem exatamente onde é a maior possibilidade disso ocorrer. E talvez nesses casos seja melhor que esse poder seja concentrado para o controle dele ocorrer de forma mais efetiva.
Clever Mendes de Oliveira
BH, 27/11/2011

domingo, 27 de novembro de 2011 23:29:00 BRST  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

O Governo ter poder de definir o que e quais sindicatos podem fazer é intromissão indevida. Isso não é problema do Estado ou de Governo.

Sindicatos devem ser independentes do Governo e do Estado. Estado e Governo devem afastar-se de sindicatos. Estes devem ter vida própria e serem mantidos por seus filiados. Só.

Da mesma forma que Estado e Governo não podem dizer o que sindicatos devem fazer e como, não podem também impedi-los de funcionar.

Simples e direto assim.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011 22:57:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Swamoro Songhay (segunda-feira, 28/11/2011 às 22h57min00s BRST),
Sua opinião é interessante. Você diz:
"O Governo ter poder de definir o que e quais sindicatos podem fazer é intromissão indevida. Isso não é problema do Estado ou de Governo."
Sem entrar no mérito de sua opinião, penso que há um grupo muito grande no país com essa opinião. Não saberia dizer se é a opinião majoritária, a ser aferida em uma pesquisa com um texto prévio bem explicativo das alternativas e das conseqüências visíveis de cada uma das alternativas.
E é opinião que pode até ser mais do que opinião se se comprovar que esta opinião é a interpretação intelectiva da Constituição Federal de 1988 ou das Leis Infraconstitucionais posteriores ou no caso em que tenham sido promulgadas anteriormente a 1988 se essas foram recepcionadas pela Constituição de 1988 e, portanto, subsumidas no ordenamento jurídico brasileiro pós 1988.
Ainda assim haverá aqueles que trarão como óbice as palavras do juiz e jurista americano Charles Evans Hughes para quem "a Constituição é o que os juízes dizem que é".
Enfim nem sempre nossa opinião, independentemente da qualidade dela, encontra amparo nas leis.
Clever Mendes de Oliveira
BH, 30/11/2011

quarta-feira, 30 de novembro de 2011 12:43:00 BRST  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Clever Mendes de Oliveira
BH, 30/11/2011.

Desde que o Estado e o Governo não interfiram nos sindicatos, que para inibi-los, quer para cooptá-los, tudo bem.

Estado e Governo não são para fazer isso.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011 14:59:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home