terça-feira, 4 de outubro de 2011

Sai barato para quem mata (04/10)


Bons advogados (eles apenas fazem seu trabalho) serão perfeitamente capazes de usar, em benefício de quem pode pagar, os mecanismos teoricamente destinados a proteger quem não pode

Faz refletir o monstruoso assassinato da estudante de Direito aqui em Brasília, morta pelo professor inconformado com o fim do relacionamento. Toda violência é reprovável e toda morte provocada merece um adjetivo forte, mas este caso vai além.

A má sociologia produziu entre nós um discurso intelectual predominante sobre a violência. Seria produto de causas macrossociais. Como a pobreza e a falta de acesso a bens e serviços trazidos pela civilização.

Inexistiria portanto uma maldade “não social”. A perversidade seria resultado do meio, das circunstâncias, do ambiente. É o pensamento trazido pelo extenso fio condutor iniciado lá atrás com a teoria do bom selvagem.

A coisa é conveniente, pois permite transferir a responsabilidade de modo seletivo.

Se o rico comete um crime, a culpa é dele mesmo. Como no caso do Porsche em altíssima velocidade no Itaim, em São Paulo. Mas se o criminoso é pobre, a culpa é da sociedade. Melhor dizendo, da elite.

Esse arcabouço intelectual apresenta alguns problemas. O primeiro é não bater com a realidade.

O mapa da pobreza não é o mapa do crime e da violência. Um exemplo? O Nordeste urbano foi nossa região cuja economia mais cresceu, onde mais se distribuiu renda nos anos recentes. E também onde mais aumentou a criminalidade.

Outro problema é a teoria oferecer um alicerce quase afetivo à condescendência com o crime. Este seria, talvez, uma forma primitiva de rebelião contra a injustiça. E portanto deveria ter reconhecido o vetor progressista.

Tudo isso é bem complicado, especialmente por exigir generalização. O Código Penal ainda não prevê, por exemplo, aplicação de pena maior para o homicida conforme o valor do contracheque. Então a condescendência tende a universalizar-se.

E bons advogados (eles apenas fazem seu trabalho) serão perfeitamente capazes de usar, em benefício de quem pode pagar, os mecanismos destinados a proteger quem não pode.

Convenhamos, tem algo bem errado nisso.

Quem entende do assunto garante: o problema não está na leveza das penas, mas na alta probabilidade de o criminoso escapar da punição. Recolho a opinião e respeito-a.

Entretanto, teorias à parte, matar alguém no Brasil acaba saindo relativamente barato para quem matou.

Há exceções, quando a comoção popular ultrapassa certas fronteiras e constrange as autoridades. Como no caso dos Nardoni. Mas não é rotina.

Qual seria uma pena razoável para o professor assassino de Brasília? Vamos deixar de lado a pena de morte, cujo debate traz questões filosófocas impossíveis de encaminhar hoje neste espaço de maneira minimamente razoável.

Mas, digam uma coisa. Algo justifica não aplicar neste caso pelo menos a prisão perpétua? Não seria vingança, mas equilíbrio. A perda da filha será perpétua para o pai humilde cujo sonho era ter uma advogada na família.

É uma polêmica difícil. Assim como a da idade na qual alguém finalmente pode ser responsabilizado pelos atos. A tal maioridade penal. Por que diferir o tratamento do sujeito de 17 anos e 364 dias e daquele só dois dias mais velho?

Sempre é possível extrapolar o raciocínio ao absurdo, e daí objetar que, sendo assim, uma criancinha deveria receber o mesmo julgamento do adulto plenamente formado.

Mas é diletantismo. Na prática, as quadrilhas têm seus próprios “menores” encarregados de aproveitar as brechas da lei.

Um debate infindável.

Mas enquanto se discute, segue a vida. Há a necessidade imperiosa de produzir uma nova moldura jurídico-social capaz de reduzir a probabilidade de alguém ser vítima de um ato criminoso.

Penas mais severas, menos atalhos jurídicos para escapar, mais bandidos presos. Não é tão difícil assim. Falta apenas quem não se deixe intimidar e esteja disposto a carregar a bandeira.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta terça (04) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

8 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Eu acho que esse é o tema mais importante do Brasil hoje.

A impunidade geral e irrestrita é a causa dos principais males da política, por exemplo, e se propõe uma reforma política que não resolve esse ponto.

Criminoso precisa ir para a cadeia.

O curioso é que esse debate teoricamente não é ideológico.A esquerda vive reclamando que os ricos ficam impunes e a direita costuma pedir penas mais severas para crimes.

Apesar de ser possivelmente o único consenso ideológico no Brasil, uma justiça mais eficaz e punitiva, é o único tema que não avança no país, na verdade, nem é posto em discussão.

Algo me diz que os políticos são principais beneficiários dessa impunidade.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 09:20:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Supondo que a riqueza seja mérito da produtividade do individuo e contribuições a sociedade não vejo como injusto a utilização desse crédito para amenizar a repercussão de eventuais erros e crimes no futuro.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 10:31:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Seu texto é comparável à receita de um médico que, constatando obesidade mórbida, receita uma dieta à base de lasagna à bolognesa, mas menos.

É sem sentido a sugestão (há uma sugestão, não há?) de fazer uma justiça para os pobres e outra para os ricos. Isso (que até já existe, em certa medida, e é bastante pernicioso, vide Daniel Dantas e as trapalhadas dos delegados e juízes bons selvagens) só aumentaria a violência, além de ser moralmente esquizofrênico.

Fazer uma "nova moldura jurídico-social" aka mais leis, é também pouco efetivo. Temos já leis demais e não as cumprimos. Se há uma lei necessária, é uma que diga que, a partir de hoje, todos têm que cumprir a Lei.

O que falta - e é aí que as esquerdas degringolam - é moral estóica, é fazer a coisa certa, mesmo que seja mais difícil; que pareça coisa de otário.

No caso do "professor de Direito", por exemplo, seria não sair com uma mulher casada - o conselho é tão para retardadinhos que está nos dez mandamentos.

(Mas, ih, falei em dez mandamentos: pronto - virei um crente fundamentalista e obtuso, que alguém pode parir sem trepar).

Tudo é muito mais simples do que essa enriquecedora sociologia que nos assola ensina: basta compreender que o código genético mais evidente que temos é o que distingue o bem do mal. E optar, sempre, não importam as circunstâncias nem o que vão pensar os outros, mas sempre e sempre, pelo bem.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 10:35:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Parabéns pela reflexão, Alon.
Notadamente sobre a aplicação da prisão perpétua. Além de uma, até leve, cacetada nos que advogam atenuar, relativizar as atitudes bestas de bestas, que deveriam ser presos sem fiança e sem favorecimentos, dado a idiotice do ato praticado. Decide matar e mata. E é defendido. Muitos recusam a ser mais duros dado o constrangimento de discordar da origem "social" de atos delituosos, ou de "enjeitados da sorte" que os praticaram. Pouco a pouco isso vai sendo melhor avaliado. E o pieguismo,a indulgência e a compaixão, vai deixando de toldar a visão sobre crimes bestas. Se há crime que não o seja. Não está defendendo-se aqui o desprezo aos ritos processuais, direito de defesa etc. etc. Mas, sim, que o defendido tem de ser a vítima. Só isso.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 10:38:00 BRT  
Blogger Flavio Morgenstern disse...

Alon, esse é um debate que parece se perpetuar pelos piores motivos possíveis.

Não canso de ver especialistas dizendo que não é a pena dura que é capaz de coibir crimes, e sim a certeza de punição. Não parece ser 100% verdade. Há estudos e mais estudos mostrando que penas duras são realmente capazes de assustar a criminalidade antes que ela ocorra – embora, já que as teorias que culpam o social desconheçam tais estudos, justamente por isso juram que está provadíssimo que pena dura não serve pra nada.

Quando as pessoas usam esse clichê achando que têm o pensamento mais "crítico" e "original" possível, sempre se esquecem de incluir a si próprias na teoria. Basta ver como a nova Lei Seca, que faz nêgo rodar e ir pra cadeia até depois de enxaguar a boca com Listerine, instaurou o pânico nas cidades em que as blitz rolam, mesmo que ninguém seja obrigado por lei a produzir prova contra si mesmo.

O pensamento dominante, sobretudo nas faculdades de Direito, é de que a verdade já está pronta lá na Academia – basta apenas que concordem com ele. Não conheço muitos professores que passam a seus alunos 5 livros de teorias penais completamente díspares, e digam que a escolha de um modelo razoavelmente adequado é de escolha dos alunos.

O que se faz é o contrário: um professor defende ferrenhamente a teoria X, e apresenta no máximo o nome de uma teoria rival, apenas para usá-la como contra-exemplo.

Não é possível ser imparcial, mas é bem simples ser honesto – o que não significa que é fácil. A maioria dos professores de Direito apelam para as teorias coitadistas penais, em maior ou menor nível. Se é preciso provar que essas teorias são mentirosas, basta ver o quanto tentam prosperar sem sucesso em países em que as teorias dominantes são inversas (todo mundo nos EUA ou Inglaterra conhece bem Foucault e Gramsci, apenas discordam deles) e como é sua tática para "funcionar" no Brasil: ignorar e proibir o aluno de ler os caras "do outro lado".

Aqui, chega-se na faculdade já com a certeza de que prisão perpétua é "pena dura demais" que não funciona (há homens com 80 assassinatos na ficha corrida na prisão e acham que prisão perpétua é "dura demais"!), que pena de morte está fora de cogitação (quando foi o último livro pró-pena de morte a ser editado no Brasil? Qual foi o último reles artigo de jornal?!). E assim, quanto mais se permanece na faculdade, mais se acredita piamente que nossas leis são as melhores do mundo, que crime é um "acidente" que só podemos tolerar, que qualquer conseqüência para atos ruins deve ser arcada pela vítima, e não pelo algoz.

Curiosamente, num país em que a maior vítima da violência são os pobres, lutar por menos violência é sempre associado à um ultra-direitismo fanático, ao "capitalismo neoliberal" e "individualismo", como se só se quisesse punir homicídio e estupro para proteger sua propriedade, que não querem compartilhar por puro egoísmo.

Acham assim que só irracionalmente alguém pode defender a pena de morte. Curiosamente, é bem raro ver um argumento anti-pena de morte que não seja eivado de sentimentalismo jacu de cabo a rabo. Mas sentimento de pena e dó são permitidos pela lei, já de perda e luto são apenas problema de quem sofre, e o Direito Penal tem mais é que mandar essas pessoas se lascarem um pouco ainda mais.

Enfim, são argumentos que estou tentando explicar para a esquerda há anos – mas como não defendo o socialismo ou o Estado de Bem Estar Social, só se prova que sou um "reacionário" extremista e fanático.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 11:42:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Curiosidades da nossa sociedade capitalista : crimes contra o patrimônio são mais graves ,tem penas mais pesadas e são tratados,seus autores, com mais rigor.
Cacciola, por exemplo, passou mais tempo preso e foi exemplarmente execrado pelos meios, do que homicidas confessos.Executores de crime de encomenda ou assassinos que empregam armas não convencionais,tais como, veículos de grande potência,desfrutam de liberdade invejável,para o tamanho da delinquência.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 11:48:00 BRT  
Blogger The Doctor disse...

E olha que um "assassino" de menos de 18 anos cumpre APENAS 6 meses.

terça-feira, 4 de outubro de 2011 17:44:00 BRT  
Anonymous Amanda disse...

Alon,
gosto muito das reflexões que vc traz no blog. Contudo, nesse caso, tenho de discordar.
Sou estudante de direito e a maior "revelação" que a vida acadêmica me trouxe é a seguinte: o problema maior não será resolvido por prisão perpétua, pena de morte, enfim, normas penais implacáveis. Não, Alon, o problema brasileiro está, e sempre esteve, na execução.
Pesquisando na área de ciência política e realidade brasileira, percebi que é ingenuidade pensar que vivemos em um sistema condicionante e determinista, assim como acreditar que papel e tinta vão transformar o mundo. Não, o que efetivamente faria a diferença seria exercer cidadania, promovendo discussões, cobrando garantias legais, exigindo transparência.
Realmente, isso realmente não vai acontecer do dia para a noite. Mas, como vc diz, convenhamos, é bem mais fácil cruzar os braços e acreditar que o problema está lá fora, nos políticos, nos juízes, no sistema.
Um abraço de quem admira bastante este espaço,
Amanda

quarta-feira, 5 de outubro de 2011 08:39:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home