segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Teatro em Brasília (05/09)


Com a introdução da CSS, o governo reserva-se também um expediente para embolar o meio de campo, bagunçar a discussão, impedir que os deputados e senadores repassem o ônus político ao Planalto com tanta facilidade

A disputa em torno da regulamentação da Emenda Contitucional 29, que trata de mais recursos para a Saúde, trafega numa zona de sombra. Sabe-se que os políticos discutem se devem, e como, dar mais dinheiro para o setor. Só.

Falta esclarecer os detalhes mais importantes. O primeiro deles é quanta verba o Sistema Único de Saúde (SUS) demanda para funcionar bem. Ninguém diz. A EC 29 regulamentada terá resolvido os problemas de financiamento do SUS?

Provavelmente não. E a eventual CSS (Contribuição Social da Saúde), a substituta da finada CPMF (Contribuição “Provisória” sobre Movimentação Financeira)? Será que a arrecadação com o novo “imposto” maquinado pelo governo tapará o buraco?

Evidentemente não.

Falta um número preciso, mas é certo que com alíquota menor a CSS arrecadará menos que a CPMF trazia para os cofres do governo. E mesmo com a CPMF o serviço já sofria de fraqueza de recursos. É a simples aritmética.

Outra dúvida é se a verba da CSS será complementar ou substituirá o que hoje o governo coloca na Saúde. Se for a segunda opção, a CSS terá servido não para vitaminar o setor, mas para o Planalto realocar dinheiro para outras coisas.

A CSS será apenas formalmente para a Saúde. Na prática, ao liberar dinheiro que ia para a Saúde, ajudará o governo no esforço fiscal ou servirá para outras despesas de custeio. Ou para outros investimentos.

Seria cruel. Inclusive porque a Presidente da República diz que a nova verba para a Saúde virá carimbada. Mas nada adianta carimbar se junto virá o descarimbamento de outras verbas.

A Saúde lidera todas as pesquisas de demandas do eleitorado. Não discuto se o serviço é bom ou ruim. Há algum preconceito remanescente contra o SUS. Os levantamentos entre os usuários apontam avaliação bem acima do que na população em geral.

Quem usa o SUS tem sobre ele opinião bem melhor do que quem não usa.

Mas mesmo assim a saúde encabeça a ansiedade popular por um Estado mais eficiente. E aqui chegamos ao pulo do gato.

Todos os políticos querem ostentar no currículo terem feito algo pela Saúde. Votada a regulamentação da EC 29, a Câmara dos Deputados e o Senado poderão dizer que fizeram a parte deles.

E se mais não ofereceram foi porque o governo não pediu.

A Saúde melhorará? Há controvérsias, mas se não melhorar, mesmo com verba adicional, a culpa já terá deixado de bater ponto nos salões verde e azul. O Parlamento, desta vez, não poderá ser responsabilizado.

Daí também por que o governo manobra contra aprovar a regulamentação da EC 29, e um dos expedientes é colocar na sala o bode da CSS. Claro que se colar, colou. Governo nenhum relama de arrecadar mais.

Mas com a introdução da CSS na pauta o governo reserva-se também um expediente para embolar o meio de campo, bagunçar a discussão, impedir que os deputados e senadores repassem o ônus político ao Planalto com tanta facilidade.

É portanto, na essência, uma dança política. Para não ficar só na politicagem o debate precisaria de mais transparência, de números mais honestos.

O brasileiro acostumou-se a ficar aninhado numa contradição insolúvel. Pede ao Estado que assuma a responsabilidade por preencher as demandas da sociedade. Mas não aceita que o mesmo Estado cobre da sociedade os impostos indispensáveis para tal.

Sobra então o teatro. E Brasília hoje em dia assiste ao teatro das “verbas para a saúde”. Seria apenas mais uma farsa política, não embutisse a crueldade de acenar com ilusões que amanhã se transformarão em decepções.

Passou da hora

O Judiciário não cumprir as decisões do Judiciário é aberração das aberrações.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que a Ficha Limpa não valeu na eleição do ano passado. E que os sub judice devem tomar posse.

Mas eles não tomam, pois a Justiça faz corpo mole para aplicar a decisão da Justiça.

Pois uns pedaços da Justiça discordam de outros.

Não é razoável.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta segunda (05) no Estado de Minas..



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

3 Comentários:

Anonymous Swamoro Songhay disse...

O Executivo poderia dar o exemplo de alocação de verbas para qualquer área. Não precisa utilizar o chavão chamativo da Saúde. Quem se atreveria a ir contra "mais verbas" para a Saúde? No caso, o Executivo. Poderia não colocar menos verbas com a introdução de mais um imposto ruim, como essa CSS/CPMF extemporânea. Mas, colocar mais verbas, de verdade, dinheiro economizado, não corroído pela inflação. Bastaria reduzir sua máquina e estrutura gastadora e rever suas prioridades. Sobrariam verbas, recursos e principalmente, dinheiro no cofre, que poderiam ser aplicados até em títulos soberanos dos EUA. De início, poderia reduzir de uns 25 o número de ministérios. Ficaria, ai, com uns 14. Ainda demais, pois, ter prioridades em número igual aos dedos que se tem nas mãos, facilita. E depois, seria mais fácil saber o nome de todos, sem errar e chamar um pelo nome de outro. E pior, ambos levantarem-se de pronto. Afinal, quando o chefe chama, tem de atende rápido. Logo de cara, a mesa de reuniões poderia ser reduzida e mais barata. A maior e mais cara, deveria ser colocada num museu da ineficácia, como mostra do que não deve ser feito em administração pública. E ser cobrado entrada no museu, para provar que a ineficácia é cara. E por causa dela, todo mundo paga para ver uma mesa grande, sem graça e vazia. Facilitaria até na hora de atender pedidos de aliados: não poderia atender pois a mesa de reuniões tem apenas dez lugares para ministros. Poderia tentar. Se colar, colou.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011 13:18:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

A CPMF,foi eliminada porque os sonegadores ficaram à descoberto.
Os 49 bi ,arrecadados anualmente, metade destinava-se ao pagamento dos juros da dívida interna ou superávit primário e a outra parcela atendia à saúde.Sintomático ,que o movimento de oposição e pró-extinção do "imposto",originava-se na FIESP.
Os extremos ,que sempre conduzem ao ridículo, fizeram-se presente nas afirmações de que o dito imposto encarecia bens e produtos e sua eliminação seria sentida nos bolso do contribuinte.Bela falácia! Até hoje, espera-se qual hebreus no deserto ,pelo bíblico maná,as generosas cifras prometidas...

segunda-feira, 5 de setembro de 2011 17:56:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Anônimo-segunda-feira, 5 de setembro de 2011 17h56min00s BRT.

A CPMF foi derrotada por ser um imposto ruim, incidir em cascata e ser apenas mais um imposto. A Saúde continuou péssima. Se fosse para tapar rombos do caixa do governo, que fosse concebido como imposto único. E se há sonegadores, por que haveria necessidade de implantar um imposto ruim, para impedi-los? Uma forma do governo cuidar do seu caixa é cortar na sua própria máquina. E não há ajuste real sem cortar também em gastos sociais, por mais que evitem tocar nesse assunto. Podem colocar o imposto que quiserem, mas, a situação fiscal continuará apertada. Se não fizer isso, não mandará mensagem crível para os cidadãos.

terça-feira, 6 de setembro de 2011 15:27:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home