quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Ex-presidentes (01/09)


Se um ex-presidente deseja continuar na refrega, deve continuar para valer. Submeter-se ao escrutínio popular. O Brasil construiu um modelo intermediário entre o caudilhismo e a democracia de rotação de poder

Sobre ex-presidentes do Brasil há pelo menos uma certeza: quanto mais eles prometem pairar acima das questiúnculas político-partidárias mais cresce a certeza de estarem metidos nelas até o pescoço.

Dos ex-presidentes desde a redemocratização, consequentes têm sido José Sarney e Fernando Collor. Assim como foi Itamar Franco, enquanto viveu. Assim como talvez será Luiz Inácio Lula da Silva em eleições vindouras.

Se um ex-presidente deseja continuar na refrega, deve continuar para valer. Submeter-se ao escrutínio popular. Sarney e Collor vêm -e Itamar vinha- disputando seguidas eleições desde que deixaram a cadeira.

Para ganhar ou perder. Encaram o risco da urna, o humor do eleitor. Collor mais dramaticamente, pelo longo desterro percorrido até obter um novo mandato.

Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso prefere trilha diversa. Apresenta-se como líder perene da oposição -o que é legítimo-, mas não se vê amarrado pelas contingências da política prática.

Ora fala como sociólogo, ora como líder partidário, ora como militante de causas suprapartidárias.

Está no direito dele, mas seria interessante medir o efeito disso na atividade oposicionista.

Na surpreendente iniciativa para liberalizar a legislação antidrogas, por exemplo, seria útil se o ex-presidente tucano conferisse, na luta por um cargo majoritário, o que os eleitores acham disso.

Para a democrática aferição popular.

Quando estava na Presidência Lula repetia que seria um bom ex-presidente. Até agora não tem derrapado no cumprimento da promessa. Não tem lutado pela função de consciência crítica do governo Dilma Rousseff.

Vem absorvendo o prejuízo decorrente das guinadas da sucessora, das coisas que ela faz exatamente ao contrário do que ele fazia. Como agora ao enfrentar a nova onda planetária de crise econômico-financeira.

Verdade que Lula está dia sim outro também na ribalta, operando o fortalecimento da sua corrente política. Mas que ex-presidente não está?

E se o jornalismo decide cobrir o que Lula faz e diz, é decisão jornalística.

Seria injusto pedir a Lula que se aposente da política partidária e não pedir o mesmo aos demais.

O Brasil construiu um modelo intermediário entre o caudilhismo e a democracia de rotação de poder. O primeiro tem vários exemplos. Alguns deles cobram hoje sua conta em sangue no mundo árabe.

A segunda cristalizou-se nos Estados Unidos.

Há um debate sobre se Lula não quis ou não pôde lutar pelo terceiro mandato consecutivo. É uma discussão para os historiadores. Preto no branco, o petista não chegou a mover um músculo para continuar na cadeira além do prazo previamente regulamentado.

Por boniteza ou precisão, tanto faz.

Diz a respeito

A votação que livrou Jaqueline Roriz da cassação na Câmara dos Deputados reacendeu o debate sobre a conveniência do voto secreto no Parlamento em algumas situações.

A saída reflexa em ocasiões assim é defender o fim do voto secreto. Com o objetivo de suprimir a independência dos parlamentares diante da opinião pública.

Mas, como dizia o Conselheiro Acácio, as consequências virão depois. O planejado para permitir a ascendência absoluta da opinião pública sobre o Legislativo irá resultar em outra ascendência absoluta, do Executivo sobre o Congresso.

É um trade-off, e o país precisa decidir o que prefere.

Isso independente do juízo sobre a votação da terça-feira. Um problema foi a Câmara dos Deputados desconsiderar a intensidade da prova contra a acusada.

Outro problema, tão grave quanto, é alguém na situação da acusada não se sentir compelido a renunciar.

Se a contagem dos votos no painel eletrônico disse algo a respeito do Parlamento brasileiro, o segunda fato diz bastante a respeito da sociedade brasileira.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta quinta (01) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

3 Comentários:

Blogger Julio Sergio disse...

Cara...Está dando certo. Nosso modelo de desenvolvimento social, político e econômico é esse. E esse país cresce, melhora, se aprimora muito de uma década pra cá.
E daí se ele não segue as regras mais básicas que a ciência política definiu como indispensáveis?

quinta-feira, 1 de setembro de 2011 22:34:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

A absolvição da deputada, não pode ser confundida com a cara da sociedade brasileira. A não ser que haja uma forma de provar isso. E a deputada não ter-se decidido pela renúncia, mostra bem a cara dela própria e de quem a absolveu, ou melhor, a absorveu. O cidadão brasileiro já tem problemas demais para ter, ainda, caindo sobre si, as falcatruas de todos. O que ele pode fazer, sim, é não eleger mais essas pessoas. Outro ângulo, seria tomar esse fato e outros antecedentes, para pressionar por quebrar, mais ainda, a independência do Congresso e dos congressistas. É de duvidar-se que, com o voto aberto, o resultado final fosse diferente. A diferença seria apenas saber, ao vivo, quem foram os 265 que absolveram a deputada e os 20 que se abstiveram. Seria correto condenar quem elegeu essas pessoas, ou seria o correto condenar os eleitos por não honrarem os votos recebidos? Nesse sentido, os 166 que votaram pela cassação, não fizeram nada mais que sua obrigação, como agentes políticos, eleitos para legislar.

sábado, 3 de setembro de 2011 10:52:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Os ex-presidentes devem fazer o que todos os cidadãos têm o direito de fazer. Afinal, são cidadãos comuns, depois de encerrado seu mandato. No caso pelas especificidades, podem fazer algo mais: não entrar e nem contribuir com "malfeitos". Isso, alguns podem fazer por si só e não, com certeza, precisariam de ajuda. Na realidade, poderiam, sim, submeter suas ideias, como ex-presidentes, ao escrutínio popular, sem atropelar o processo. Seja em disputas pelo mesmo cargo anterior, ou mesmo pelo de vereadores, nas províncias de origem. Poderiam ter com que contribuir, sem a necessidade de almejarem a bajulação qual totens desnecessários.

sábado, 3 de setembro de 2011 14:56:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home