quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O melhor remédio (03/08)


Talvez possamos aprender com os Estados Unidos. No pacote protecionista lançado ontem o governo brasileiro beneficiou alguns e não outros. Por que não submeter a lista a um intenso debate no Congresso?

E o mundo não acabou. O sistema político dos Estados Unidos mostrou-se suficientemente flexível para encontrar uma solução e destravar o debate do aumento do teto da dívida.

Não havia saída fácil, dada a divisão no Congresso, que apenas reflete a divisão na sociedade.

Nossos alquimistas da reforma política quebram a cabeça para construir modelos em que dissonância social produza consonância congressual. Apresentam a restrição de representações como essencial para a eficiência política.

O exemplo americano mostra a possibilidade de caminho diverso.

Outro fenômeno aqui é o desejo íntimo de evitar que a política imponha limites às ideias absolutamente certas dos economistas sobre como enfrentar problemas.

Ainda que um problema resida em haver quase tantas ideias absolutamente certas e distintas quanto a quantidade de economistas envolvidos no debate.

E a política costuma ser o meio de buscar a unidade na diversidade.

Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, achava que a melhor maneira de enfrentar esta crise era dar uma cartada decisiva a favor do livre comércio, na Rodada Doha.

Já Dilma Rousseff, como se viu ontem, embicou o governo para a defesa firme do protecionismo.

Que o governo brasileiro, uns anos atrás, acusava de ter criado as condições para a Segunda Guerra Mundial.

As ideias certas podem mudar com o tempo, vê-se.

A sociedade nos Estados Unidos divide-se quanto à melhor maneira de sair da crise. Uns dizem ser preciso mais dívida, mais investimento público. E também mais impostos. E que os ricos paguem a conta.

Outro pedaço defende o contrário. Deixar mais dinheiro em mãos privadas, para que na busca de reproduzir esse capital criem-se mais negócios, mais empregos. E a economia saia assim do buraco. É o que propõem.

Aliás, o pacote anunciado ontem por Dilma tem algo desse último vetor, nas agressivas desonerações, mesmo seletivas.

O estatismo ficou em alta na passagem de 2008 para 2009 e em tempos seguintes, quando a intervenção governamental salvou as economias do colapso.

Mas não apresentou o mesmo desempenho para alavancar a recuperação econômica nos países desenvolvidos, que patinam.

Uns dizem ser preciso mais do mesmo, que o remédio é bom mas não veio na dosagem suficiente. Propõem dobrar a aposta.

Outros dizem que não, pois isso levaria à estagnação, pois o capitalista sabe investir melhor, com mais retorno para a economia e a sociedade. Especialmente na criação de empregos.

Havia duas possíveis rotas de fuga do incêndio.

Os republicanos têm posição sólida no Congresso. Barack Obama poderia dar um murro na mesa e aumentar unilateralmente o limite da dívida, como desejavam alguns de seu partido. Ou buscar um acordo. O melhor acordo possível.

Como rejeitavam os extremos do partido dele e também do partido adversário.

Os Estados Unidos não são, ainda, uma republiqueta. Vingou a alternativa b.

Mas para chegar à convergência era necessário o rito. Cada lado precisaria mostrar os músculos e dar sua própria satisfação ao respectivo eleitorado.

Cada chefe de facção precisaria provar liderança sobre a respectiva tropa, até para poder pedir depois que depusessem as armas.

Como aconteceu.

Talvez tenhamos algo a aprender deles neste caso. No pacote protecionista lançado ontem o governo brasileiro beneficiou alguns e não outros.

Deve ter sido uma negociação dura intramuros para definir o quem entra e quem sai.

Por que não submeter a lista dos beneficiados pelas bondades governamentais a um intenso debate no nosso Congresso Nacional? E à ampla negociação?

O governo deve ter tido razões para definir a lista como definiu, mas o Legislativo talvez seja a válvula para quem não teve, neste caso, livre trânsito nos melhores gabinetes da Esplanada e do Planalto.

Cá, como lá, a democracia é sempre o melhor remédio.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta quarta (03) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

6 Comentários:

Anonymous Rodrigo N. disse...

Belo texto.
Falta debate por aqui.
Sobre o que fazer com a economia, sobre o que fazer com o petróleo, sobre o qual posição adotar com relação à Síria, sobre o trem-bala, sobre os problemas da infra-estrutura do país, sobretudo os aeroportos, sobre as falcatruas que se erguem com relação a Copa do Mundo...e a lista segue.
O congresso não debate NADA.
A sociedade, então, parece que está em outra galáxia.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 09:57:00 BRT  
Blogger Da C.I.A. disse...

O sistema deles é podre, onde já se viu ter que negociar exaustivamente no Congresso e na Sociedade algo que por aqui passaria em questão de horas com o uso de uma Medida Provisória?

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 10:06:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Mais uma vez, parabéns, Alon. Acertou na mosca ao abordar o que falta em tudo o que está acontecendo no País:
1) A presença de debates intensos no Parlamento. Ainda é cedo para avaliar o pacotaço de ontem, editado. Porém, numa primeira olhada, ficam claras as escolhas. E os chavões. A ver.
2) Outro aspecto, este, abundante, porém, as críticas pouco veladas aos problemas dos EUA. Como se estivesse aqui, o condão de elucidar o que os panacas dos gringos têm dificuldades em deslindar.
3) É lógico que tem coisa que não é falada em público. Porém, ao que consta, parcela muito significativa das reservas internacionais brasileiras, estão aplicadas em títulos da dívida soberana dos panacas dos gringos.
4) Ou seja, se o panaca do Obama não trabalhasse por um acordo, dentro de seu partido e no partido adversário, hoje, estar-se-ia contando, aqui, os grãos de pó da grana evaporada por lá, se é que o que evapora deixa pó.
5) E o rolo por aqui, permitiria ver os vários altares e tocos de velas e terços manipulados em prol de Obama, noites e noites adentro. Talvez até o eco de alguns atabaques e resquícios de fumaças de charutos ainda estivessem no ar.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 11:49:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Valeu, Da C.I.A. O pessoal ainda está naquela de que a cachaça de alambique daqui, é melhor que o "wiski" de alambique de lá. Trópicos...

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 11:52:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Diferença entre as decisões pródigas e as avarentas ,está na razão direta da intensidade do uso da "guitarra".Os EUA, não tem propriamente um "Tesouro" ,possuem uma cornucópia.Talvez venha a faltar papel mas jamais "animus gastandi". Por aqui, curioso, capa-se 40 bi da CPMF,anuais; exigem redução de impostos e quando deduzem 20 bi e subsidiam a indústria, a mídia ,oposição o jornaleiro,acusam o governo de "estróina".Outros , queixam-se de sovinice,uns poucos de farsa.
Reclamam da qualidade do parlamento, porém,acusam de anti-democrata quando o governo lança mão de medidas provisórias.
Essa crise mostrou que no país da jabuticaba,as soluções, tem de ter a mesma originalidade.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011 23:16:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Anônimo-quarta-feira, 3 de agosto de 2011 23h16min00s BRT, liberdade é poder pensar e expressar. Mas, também de discordar. Ou seja, há concordância que deve existir discordâncias com o governo seja ele qual for. Assim, não é a "mídia", nem a oposição e nem o jornaleiro que acusam o governo de nada. Quem está brigando é o governo com seu partido, sua base e seu antecessor. E as "soluções", não foram nada originais: jogaram o problema para a frente, como o estão fazendo outra vez.

sábado, 6 de agosto de 2011 15:07:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home