terça-feira, 23 de agosto de 2011

De pipoca e refrigerante (23/08)


E o Brasil? Para o país que ofereceu mediação no impasse árabe/israelense e tentou costurar o acordo entre Teerã e as potências em torno do programa nuclear iraniano, o atual silêncio é ensurdecedor. A explicação mais provável: o Itamaraty e o Palácio do Planalto não têm a mínima ideia do que fazer

A resistência a apoiar os levantes democráticos no mundo árabe e islâmico têm dupla origem. Uns torcem o nariz pois preferem a continuidade dos déspotas amigos. Outros não, mas temem a emergência de forças político-religiosas fundamentalistas e autoritárias.

O exemplo é sempre o Irã. Onde a Revolução Islâmica libertou ventos democratizantes, para suprimi-los em seguida e lançar o país numa poliarquia teocrática. A esquerda iraniana, aliás, participou ativamente do movimento de 1979, antes de ser suprimida pelos aiatolás.

É o temor mais frequente no desdobramento da situação egípcia. Mas quem busca enfraquecer a influência ocidental na região não teme o cenário. Desse ângulo, o ideal seria ver emergir uma república islâmica sunita no Cairo.

Que em seguida poderia unir-se aos xiitas de Teerã e criar uma situação de forças na qual Washington só teria a retirada como alternativa.

Infelizmente para quem pensa assim, a conflagração iraquiana serve de termômetro da (im)possibilidade de coesão estratégica entre xiitas e sunitas. A união de todas as facções contra o elemento externo pode frequentar o discurso, mas daí à prática vai uma distância daquelas. O pan-arabismo foi e é apenas palavrório vazio.

Na Líbia, por exemplo, a república ditatorial, algo laica e bastante nepótico-cleptocrática do Coronel Muamar Gadafi vai sendo empurrada para a lata de lixo da História, na expressão clássica de Leon Trotsky sobre os socialistas-revolucionários que recusaram apoiar a Revolução Bolchevique de outubro/novembro de 17.

E quem empurra é uma composição heterodoxa.

A faxina de Trípoli é feita a quatro mãos pela aliança militar do Ocidente, a Otan, e rebeldes que também bebem da fonte fundamentalista. Inclusive com ligações marginais à Al Qaeda. Parece-lhe bizarro? Pois é a política. A arte de estar sempre pronto a romper com o aliado e a aliar-se ao adversário/inimigo.

O universo árabe e islâmico é um emaranhado de facções religiosas, políticas e militares. De nações desenhadas artificialmente pelo colonialismo. Não há linhas demarcatórias definitivas.

Isso complica ainda mais a vida de quem precisa tomar posição sobre o assunto. A esquerda brasileira é um exemplo. Comemorou a queda dos ditadores tunisiano e egípcio, aliados dos Estados Unidos, mas cerra fileiras em torno de Gadafi e do açougueiro de Damasco, Bashar Al Assad.

Em meio à confusão, a melhor abordagem, por enquanto, é a de Barack Obama. Que descartou sem muita hesitação aliados importantes, para estar em posição de lutar pela influência na nova ordem.

Pois árabes e muçulmanos têm o mesmo direito à democracia que os demais.

E o Brasil? Para o país que ofereceu recentemente mediação no impasse árabe/israelense e tentou costurar o acordo entre Teerã e as potências em torno do programa nuclear iraniano, o silêncio é ensurdecedor.

Podem querer que pareça sabedoria, mas a explicação provável é outra: o Itamaraty e o Palácio do Planalto não têm a mínima ideia do que fazer.

Pois só haveria duas opções: 1) apoiar decididamente a onda democrática ou 2) agir caso a caso conforme o interesse, conforme quem está no poder ou na oposição.

O governo brasileiro não anda convicto do primeiro caminho, nem está disposto a pagar o preço político embutido no segundo.

E aí fica de saquinho de pipoca e refrigerante na mão vendo passar o filme da História. Quando não sobra com o mico, como vai acontecendo na Líbia. E tem boa chance de acontecer na Síria.

Nem aí

Todas as pesquisas mostram que o eleitor não aceita abrir mão de eleger diretamente os deputados e vereadores. O último levantamento a mostrar isso foi feito com os usuários do serviço 0800 da Câmara dos Deputados.

73% disseram acompanhar a discussão da reforma política no Congresso, 57% discordam do financiamento público de campanhas eleitorais, 67% discordam da lista fechada (voto indireto) para o Legislativo e 75% concordam com o fim das coligações nas eleições para deputado e vereador.

Deveria ser suficiente para os alquimistas da reforma. Mas eles não estão interessados no que o povo acha ou deixa de achar.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta terça (23) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

4 Comentários:

Blogger Alberto099 disse...

Usuários de 0800 constituem amostra representativa? Eu preferia um plebiscito bem organizado, com prazo para a publicidade de diferentes idéias... acho que a lista fechada, o financiamento público, a cláusula de barreira e a fidelidade estrita são pontos que poderiam ganhar fácil. A propósito, as propagandas que vi contra a lista fechada e o financiamento público, eram justamente daquele partido que é simultaneamente governo e oposição: o PTB de Jeferson e Collor.

terça-feira, 23 de agosto de 2011 13:44:00 BRT  
Anonymous Ângelo de Araujo Regis - angeloregis@bol.com.br disse...

Prezado Alon
Observamos transformações significativas nas relações internas dos países árabes. Essas mudanças tendem a tomar e a formar uma nova força política de abrangencia mundial que ocupará o espaço deixado pela ex-URSS. Está emergindo no cenário global um poder politico-religioso que vai inevitavelmente se se fazer presente nas discussões em que até então ficavam de fora. Essa nova força deverá e será ouvida pois fará enorme diferença, afinal a "redemocratização ou democratização" das nações árabes terá um custo e acredito que será alto para o ocidente. Todo movimento em defesa ou apoio deve ser bem calculado... Acho que o Itamaraty sabe disso. Daqui a bem pouco tempo teremos que enfrentar o avanço do poder dessas nações com forte influência religiosa e mesmo que neguem, serão fundamentalistas. Mudarão de maneira substancial a forma das relações entre os Estados. Estaremos preparados para o debate e para atender as suas necessidades e exigências? Eu acho que não.

terça-feira, 23 de agosto de 2011 13:47:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Ângelo de Araujo Regis-terça-feira, 23 de agosto de 2011 13h47min00s BRT.
Estranho entender que o Itamaraty "sabe" o que estaria emergindo no mundo. Em particular, na dinâmica interna dos países árabes. Se estiver sabendo e tentando formas de fugir do "custo elevado", este virá de qualquer maneira, desde que seja verdadeiro o alardeado protagonismo nessa "nova dinâmica".

quarta-feira, 24 de agosto de 2011 16:08:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Com relação à reforma política, deveriam parar com as "pedras de toque". É um exercício do que, em certo período do regime militar, na chamada "distensão", se batizou de "imaginação política criadora". Ou algo assemelhado. Tanto que se cogitou, em dado momento, a incorporação do AI5 na Constituição, como salvaguarda. Absurdos do tipo parecem debelados. Contudo, é bom não insistirem muito em criatividades.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011 16:20:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home