quarta-feira, 20 de julho de 2011

Gelo enxuto (20/08)


Dilma corre o risco de só enxugar gelo. Pouco adiantará o Estado brasileiro desembarcar na fronteira norte se vier desacompanhado do vetor essencial para uma ocupação consistente: o intrépido povo brasileiro

O governo federal elabora uma nova política para aumentar a presença do Estado nas fronteiras. A iniciativa é boa. As divisas do Brasil com outros países estão entre as mais porosas do mundo.

E isso vem no foco de nossos dramas de segurança pública, conectados intimamente à epidemia da droga.

A porosidade das fronteiras brasileiras surge também de um aspecto positivo. O Brasil não tem contenciosos com vizinhos.

Em tese, certo seria apostar na integração crescente, na dissolução progressiva das barreiras para o livre trânsito de pessoas na América do Sul. 

A própria noção de uma fronteira a vigiar deveria, com o tempo, caminhar para o arquivo morto.

Mas infelizmente não é possível. Em parte porque virou fumaça nos anos recentes a ilusão de um mundo sem fronteiras, sem estados nacionais.

E em parte porque falta ainda aos vizinhos disposição ou condição política para enfrentar o crime. Na droga, no tráfico de armas, no roubo de carros, entre outras modalidades. O desejo é de integração, mas a realidade impõe combater o contágio.

Ainda que no caso específico da droga certos políticos nossos, talvez em busca de uma certificação “progressista”, namorem a ideia de expor ainda mais as crianças e jovens brasileiros a essa calamidade.

Mas por enquanto enfrentam forte e saudável resistência social, além da política.

Nossas fronteiras sofrem com o vazio populacional. Especialmente no norte do país. O último movimento estratégico para povoar esses limites aconteceu durante os governos militares.

Desde os anos 90, nossos governantes civis vêm aceitando uma lógica perigosa. Vêm se dobrando à ideia de que civilizar o norte do Brasil é atentatório ao meio ambiente, aos povos indígenas e à própria Amazônia.

Nas diversas frentes da batalha das ideias, o bom e bonito vai sendo associado à tese de deixar a Amazônia como está. O tal santuário.

Trata-se de uma utopia, cuja melhor tradução para a realidade pode ser observada no desastre econômico e social produzido com a demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima.

A utopia é preservacionista. Já a realidade que ela produz traz pobreza, abandono, falta de oportunidades econômicas, desesperança para os jovens.

Uma triste obra produzida a muitas mãos pelos nossos últimos presidentes.

É bom que o governo Dilma Rousseff esteja atento a ocupar nossas fronteiras, e certamente a maior atenção da chefe do governo deve estar voltada para o norte. É bom que o Estado brasileiro se faça mais presente ali.

Mas Dilma corre aqui o risco de apenas enxugar gelo. Pouco adiantará o Estado brasileiro desembarcar na fronteira norte se vier desacompanhado do vetor essencial para uma ocupação consistente: o intrépido povo brasileiro.

E não haverá ali mais povo brasileiro, ao menos na quantidade necessária, se não puder haver agricultura.

Levar o Banco do Brasil, a Receita Federal, a Polícia Federal e o SUS merece aplausos. Mas se não existir meio de o brasileiro honesto e trabalhador progredir ali, ao Estado restará o papel de tapa-buraco.

Ou de guarda de trânsito do crime e da contravenção

O desejável seria uma política de colonização das fronteiras alicerçada na expansão da agricultura, inclusive a familiar. Incentivar uma nova onda migratória, como a que fez a prosperidade explosiva do Centro-Oeste.

Infelizmente porém, o governo parece mais inclinado a acender velas para outros santos. Mostrou isso na votação do Código Florestal, quando se rendeu a uma lógica alheia.

Compreende-se. Se a utopia do santuário amazônico não resolve os problemas do Brasil nem da própria Amazônia, apenas os agrava, certamente renderá aplausos na Rio+20.


Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta quarta (20) no Correio Braziliense.



Para compartilhar somente este post, abra numa página própria, clicando no título ou no horário de postagem

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo


Para obter um link para este texto, clique com o botão direito do mouse no horário de postagem, abaixo

5 Comentários:

Blogger cleidebrag disse...

Caro Alon
Em sua identificação, no alto da página de seu blog, lê-se: “Uma visão democrática, nacional e de esquerda”.
É alentador constatar que um pensador de esquerda pode ter uma visão lúcida sobre o que é melhor para o país, num momento em que a maioria daqueles que se dizem representantes da esquerda se divide em dois grupos.
De um lado ficam os que defendem posições vergonhosamente indefensáveis, para garantir o poder e os desmandos dos atuais homens públicos.
De outro, e os que pregam idéias arcaicas e alucinadas, movidos por um ultrapassado conceito de esquerdismo, já abandonado até mesmo nas plagas onde nasceu.

quarta-feira, 20 de julho de 2011 07:49:00 BRT  
Blogger Alberto099 disse...

Caro Alon, creio que neste ponto o acompanho em boa parte do caminho. O que parece ser o desastre da Reserva Raposa Serra do Sol é um bom exemplo de um governo na mão de “técnicos”. Afinal, a decisão pela demarcação continua e expulsão dos arrozeiros não saiu penas do STF, mas contava com o apoio dos profissionais da área, ou estou errado? A verdade é que o país não decidiu o que deveria fazer nesse assunto, e quando não se sabe qual o objetivo, podem se seguir as decisões mais estapafúrdias. Faz sentido preservar a floresta, com o objetivo de preservar a vida no planeta, também apoiaria quem dissesse que devemos preservar a cultura dos índios, mas num museu indígena, e não como cultura viva, pois trata-se de uma cultura mais pobre e incapaz de concorrer com a cultura branca já estabelecida. Em outras palavras, caberia ao governo se perguntar o que pode fazer para suavizar a dor inevitável da aculturação e não preservá-los como parte da fauna e da flora. Mas porque especialistas no assunto preferem essa segunda solução? Mesmo sem conhecer o assunto de perto, aposto que o fator principal foi ter sido essa a solução “mais fácil” para os burocratas em Brasília, a que exigia menos esforço da parte deles. Quem não conhece pode achar pirraça minha, mas o norte desse pessoal é evitar qualquer iniciativa, para não assumir qualquer responsabilidade. Despendem a maior parte do tempo em tirar o deles da reta, pouco importa o que se passa com sua potencial clientela. O lugar certo para se discutirem esses assuntos seria o Congresso, como no caso do Código Florestal, onde se buscou foram feitas conceções de ambos os lados (a propósito, o que vingou foi o relatório de Aldo Rebelo, apesar da pose da presidenta, ou estou errado?).

quarta-feira, 20 de julho de 2011 12:46:00 BRT  
Anonymous Pablo Vilarnovo disse...

Não há mais técnincos no INCRA. Apenas uma corrente ideológica. Há muito tempo o INCRA foi privatizado.

quarta-feira, 20 de julho de 2011 17:48:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, seu blog poderia ter letras maiores ou, pelo menos, a possibilidade de o leitor aumentar o tamanho da fonte. Tenho dificuldade em lê-lo e há tanto espaço ocioso na tela...

quarta-feira, 20 de julho de 2011 20:11:00 BRT  
Blogger Alberto099 disse...

Caro Pablo, técnico é aquele que não tem ideologia? Você acredita mesmo na existência de seres dessa espécie?

quinta-feira, 21 de julho de 2011 12:41:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home