sexta-feira, 29 de abril de 2011

Músicos de Titanic (29/04)

Enquanto corre a suave melodia, a maior preocupação dos passageiros da nau tucana perece ser arrumar lugar em algum bote salva-vidas

A guerra civil no PSDB é o resultado da tensão entre a necessidade da ruptura e a ausência de mecanismos minimamente democráticos para fazer esse ajuste de contas pela via pacífica.

A ruptura parece necessária porque as três últimas eleições presidenciais evidenciaram o limite da ação política dos tucanos.

O partido vem sofrendo derrotas consecutivas por uma razão singela: a maioria da população brasileira tem hoje reservas à passagem do PSDB pelo Palácio do Planalto.

Nas duas eleições mais recentes, ficou evidente também que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva deixa bem para trás o de Fernando Henrique Cardoso no juízo do eleitor. Não se trata aqui de discutir justiças e injustiças. São os fatos da vida.

Ainda que de vez em quando ressurja a tese fantástica de que o eleitor avalia mal o governo FHC porque não lhe explicaram suficientemente como foi bom.

A "necessidade de resgatar a herança de FHC" é um fraseado encontradiço nas lutas internas do PSDB, mas a vida prática tem sido diferente.

O ex-presidente não se dispõe a lutar por um mandato. E os candidatos majoritários do PSDB -inclusive quem no interregno canta as glórias do período de 1995 a 2002- ignoram-no quando chega a hora de pedir voto ao povão.

O maior problema do PSDB não é a luta de facções. É ela transcorrer sem que o distinto público consiga enxergar uma mísera ideia quando
olha para os embates.

Pois o eleitor não tem a legenda em baixo conceito, tanto que lhe deu o comando de vários estados. Só não está convencido de que deve
reconduzi-la a Brasília.

O único esboço de ideia até agora veio do próprio FHC, no já célebre (ainda que não pelas razões planejadas) texto na revista Interesse
Nacional. Mas a FHC e a seu artigo parecem estar reservando o papel de músicos de convés de Titanic.

Enquanto corre a suave melodia, a maior preocupação dos passageiros da nau tucana perece ser arrumar lugar em algum bote salva-vidas.

É possível que o PSDB sobreviva bem, quantitativamente. Tem capital político, e uma hora a carnificina vai acabar.

O problema do PSDB é outro. A ausência de massa crítica programática arrasta-o para a vala comum aos partidos brasileiros: além de desejarem o poder, não se sabe bem para que mais servem.

Por esse caminho, o PSDB ameaça abrir espaço para a despolarização da nossa política, dominada nas duas últimas décadas pela dualidade tucano-petista. A tese de que a política tem horror ao vácuo continua valendo.

Despolarização que pode vir a ser também um incômodo para o PT. Bem ou mal, o partido de Lula terá emplacado em 2014 doze anos de poder federal com base num argumento poderoso. Ou você vota no PT ou vai ter a volta ao passado.

O mundo organizado dessa maneira é conveniente para o PT, pois, seguidamente, três em cinco eleitores demonstram preferir a primeira
opção.

Mas, e se a alternativa não puder ser caracterizada dessa maneira?

Um mundo bipolar é sempre mais simples de administrar. Que o digam os Estados Unidos. Venceram e comemoraram a vitória na Guerra Fria, apenas para contratar depois que manter a hegemonia na nova situação tinha se tornado tarefa bem mais complexa.

O que ele diria

O que impede um aeroporto estatal de alcançar eficiência e rentabilidade? Só a deficiência de planejamento e gestão.

Aeroporto não enfrenta concorrência, é monopólio. E de consumo obrigatório. Se um aeroporto é ruim, isso não vai levar o passageiro a
descer em outra cidade e percorrer a distância adicional, digamos, de ônibus.

Então é planejar e executar. Mas parece que não foi feito.

Por que não foi feito é um mistério. O PT está no governo há quase uma década, já se sabe há muito tempo que o Brasil vai sediar uma Copa do Mundo, mas só agora o Planalto decidiu mexer-se.

Deixou a situação chegar ao ponto crítico para depois agir. Esperou um contexto em que a sociedade lhe daria quase carta branca para resolver o impasse.

Se o PT estivesse na oposição certamente acusaria o governo de ter sucateado os aeroportos para entregá-los a preço de banana aos
capitalistas privados.

Ou até de graça, conforme a coisa for feita.

É o que o PT diria.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta sexta (29) no Correio Braziliense.

@alonfe

youtube.com/blogdoalon

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

1 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Os aeroportos à iniciativa privada. Privatização, na forma de concessão. Mas, fiel ao burocratismo centralizador, talvez, ou algo ainda pior, surge um modelo híbrido: uma parte, concessão e outra, a Infraero. Esse modelo dar certo, só com muita boa vontade de todos. Principalmente de quem acreditava ser a genialidade do governo e o Estado, seria quem tiraria os aeroportos do caos. Isso não está garantido, mas, uma coisa não poderão negar: a privatização é do PT e do governo atual. Estão fazendo exatamente o contrário do que negaram durante a campanha eleitoral de 2010 e de 2002. Em 2010, acusaram o a=candidato das oposições de querer privatizar até as hóstias de missa. Mesmo com a então candidata aparecendo praticando a persignação. Ou seja, o Estado petista não é competente, também, para administrar aeroportos. Inflação, contas correntes internacionais, juros, câmbio etc. também não.
Swamoro Songhay

sexta-feira, 29 de abril de 2011 15:02:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home