quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

A falta de um Uiquilíquis (08/12)

Seria fascinante conhecer as mensagens trocadas entre a diplomacia e o governo brasileiros nos episódios mais delicados dos anos recentes, situações em que os personagens ainda estão aí

O mais intrigante no manancial de documentos tornados públicos pelo WikiLeaks é até agora não terem trazido novidade digna do nome. Pensando bem, tem uma sim: os vazamentos revelaram o abismo entre a política real e quanto dela vem a público.

Inclusive no Brasil. Com a exposição das vísceras das mensagens secretas do Departamento de Estado, ficamos sabendo, por exemplo, que quando o assunto são conexões aqui do terrorismo existem mais coisas entre o céu e a terra do que supunha nossa vã filosofiazinha.

Alguma novidade nisso? Nenhuma, apenas que o tema costuma repousar na prateleira dos ignorados, e agora foi diferente. Está na hora de colocar a lupa sobre a Tríplice Fronteira para que, pelo menos, o país todo saiba o que vai ali.

Um capítulo especial da papelada, no nosso caso, são as relações recentes entre o Brasil e os Estados Unidos. Revela-se que mais habitual é os parceiros estarem de acordo. Diferenças são exceção, em geral dizem respeito a irrelevâncias.

Em Honduras, Brasil e Estados Unidos estavam de acordo ao caracterizar a deposição de Manuel Zelaya como golpe de estado. Não há aqui juízo de valor do colunista, apenas constatação. A mensagem do representante americano aos superiores não deixa dúvidas.

Onde esteve então a diferença, a ponto de a coisa acabar azedando as relações entre “o cara” e o cara que disse que ele era “o cara”?

Talvez tenha estado na distância entre o profissionalismo e o amadorismo. Washington tinha informação suficiente e sabia que Zelaya não reunia suporte político para impor uma saída que o beneficiasse. Brasília não tinha, ou não soube usar.

Abre parênteses. Pode se criticar o conteúdo do trabalho de coleta de informações da diplomacia americana. Mas eles trabalham, e duro. E nós? Fecha parênteses.

Quanto das nossas trapalhadas em Honduras se deveram a falta de informação, e quanto a sede de protagonismo ou viés ideológico, eis um bom assunto para os historiadores. Na prática, enfiamo-nos ali num labirinto do qual se espera que a nova presidente saiba sair.

Que falta faz um “WikiLeaks” nacional! Um Uiquilíquis. Alguém suficientemente corajoso para reproduzir no nosso microcosmo o que Julian Assange perpetrou em escala global.

Seria fascinante conhecer as mensagens trocadas pela diplomacia e o governo brasileiros nos episódios mais delicados dos anos recentes, situações em que os personagens ainda estão aí.

Em Honduras, saberíamos se foram os diplomatas a informar mal os governantes, ou se estes enrolaram-se por conta própria.

Os temas há aos montes. Quem sugeriu ao presidente da República apostar todas as fichas no discurso pelo livre comércio e nos apelos à retomada das negociações da Rodada Doha no fim de 2008, quando a eclosão da crise já permitia antever o recrudescimento do protecionismo? Quem lhe informou haver chances de sucesso?

Quem propôs ao presidente intervir na crise planetária das finanças alavancando o G20 como fórum global de reforma do sistema financeiro?

Por quê, e com base em que avaliação precisamente, o governo brasileiro ajustou seu discurso nos debates sobre o aquecimento global, transitando da posição “os ricos criaram o problema, eles que resolvam” para uma de “participação construtiva”?

Matéria prima não faltaria.

No vagão

A minissérie dos ministérios do PMDB terminou como esperado. Entre mortos e feridos, salvaram-se todos.

Governo no comecinho, fresquinho que nem pão quente, ninguém vai brigar para valer. Melhor se ajeitar num vagão de segunda classe do que ficar fora do trem.

Governos são dinâmicos, e quem está por perto, e bem, sempre tem mais chance de mudar de vagão mais adiante.

E de vez em quando nem precisa trocar. Em governos centralizados e centralizadores, a capacidade de influenciar politicamente costuma superar as delícias de dominar uma caneta formalmente cheia de tinta.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada nesta quarta (08) no Correio Braziliense.

twitter.com/AlonFe

youtube.com/blogdoalon

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

1 Comentários:

Blogger pait disse...

Não vai ser uiquelíques. Quando a moda pegar, no Brasil vai ser VazaBarris. Como você diz, vai ser bem saudável.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010 12:35:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home