quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Os pobres, sem ter quem os defenda (09/12)

Como nós, da elite, temos à disposição todos os confortos da civilização, podemos também confortavelmente mobilizar-nos por um mundo com menos civilização. Desde que para os outros

A Conferência do Clima na Dinamarca e a imensa mobilização em torno dela transformaram-se num gerador poderosíssimo de consensos. O aquecimento global é o mais grave problema planetário, dizem, e deve subordinar os demais assuntos. Entre eles o desenvolvimento. Como se trata de uma ameaça global, deve ser enfrentada globalmente. Abre-se caminho para a relativização da soberania das nações e para alguma modalidade de governança supranacional.

O presidente da República é mesmo um sujeito de sorte. Ao longo dos dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva, o crescimento anual médio do Produto Interno Bruto (PIB) ainda persegue os 4%, o que para um país como o Brasil é pouco. Só não é menos graças à desaceleração demográfica. A estabilização populacional -produto da urbanização- impede a corrosão do PIB per capita. Por que Lula tem sorte? Porque a centralidade da agenda ambiental reduz as pressões pelo crescimento acelerado, que aliás corre o risco de virar bicho-papão.

O PT batia sem dó nem piedade no governo Fernando Henrique Cardoso (FHC) porque o Brasil não crescia. Com Lula, o Brasil cresce um pouco mais, só que não chegou a dar o salto. Pode-se culpar a crise mundial das finanças, mas FHC também teve lá suas crises como desculpa. Lula pode argumentar que a dele foi mais aguda. Ao que FHC retrucará dizendo que as dele foram em maior quantidade e espalhadas no tempo. E seguirá o fascinante debate tucano-petista de sempre, enquanto o país patina. Mas como viramos os queridinhos da imprensa antes atacada como “imperialista”, então está tudo bem.

Fato é que nos dezesseis anos de ambos a China, por exemplo, cresceu bem mais do que nós. Apesar de todas as crises mundiais. Ainda bem que a China cresceu forte. Os combatentes do clima têm muito mais imprensa à disposição e melhores estratégias de comunicação -até por não lhes faltarem os recursos-, mas o desafio central da humanidade continua a ser o combate à pobreza e à desigualdade. E os chineses vêm sendo decisivos nessa luta. Mesmo ao custo de virarem alvo da ira mundial.

Não que as coisas na China corram sempre bem. Há um déficit democrático. E há problemas graves de poluição, de agressão ao meio ambiente. O tema adquire ali centralidade cada vez maior. Mas existe um consenso nacional básico. Ainda persistem centenas de milhões de chineses fora do mercado e da civilização moderna. Se a liderança ali ocupar-se demais em agradar ao público externo, sacrificará o interno e abrirá caminho para a desestabilização política do país. Óbvio que eles tentarão evitar isso por todos os meios.

Além do mais, a persistência do crescimento econômico acelerado na China vem sendo a grande responsável por o mundo sair da crise com menos danos do que previsto. Enquanto o Brasil festejará ao final do ano um crescimento do PIB de 1%, se tanto, a China terá expandido a economia a uma taxa oito vezes maior. O que não impedirá Lula de repetir que o Brasil foi o primeiro a sair da crise. Sem que seja questionado a sério, politicamente, pela audiência.

Por que Lula fala sozinho? Porque o discurso que deveria se contrapor ao dele, desenvolvimentista, é progressivamente empurrado para a criminalização.

Funciona aqui um mecanismo similar ao da escola pública. Como os filhos dos políticos, dos empresários, dos artistas e dos jornalistas estudam, em sua maioria, em escolas particulares, ninguém se ocupa a sério de oferecer ao filho do pobre uma escola pública de qualidade.

Como nós, da elite, temos à disposição todos os confortos da civilização, podemos também confortavelmente mobilizar-nos por um mundo com menos civilização. Desde que para os outros. Infelizmente, nesse debate sobre o aquecimento global os pobres não têm quem os defenda de verdade.

Poderia ser Lula, mas ele não mostra entusiasmo pelo papel. O Lula de 2009 pouco ou nada tem a ver com o de 2003.

De costas

Se o Democratas quer mesmo dar exemplo na crise política do Distrito Federal, tem à mão um coquetel de opções. Pode excluir o governador do partido, romper com o governo dele, somar votos pelo impeachment na Câmara Legislativa, intervir do Diretório Regional da legenda.

Mas pode também usar o expediente do sujeito que deixa uma sala andando de costas para a porta, para sair de um jeito que dê a impressão de que está entrando. Na missão de descascar o abacaxi, as pressões para que a cúpula do partido adote o segundo caminho são quase irresistíveis.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje no Correio Braziliense.

Leituras compartilhadas

twitter.com/AlonFeuerwerker

youtube.com/blogdoalon


Assine este blog no Bloglines

Clique aqui para mandar um email ao editor do blog

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

2 Comentários:

Blogger ocator disse...

Comparar a China com o Brasil? No minimo é uma besteira...
O Chile começou seu "milagre" em temos do PInochet com um 40% de desempregados. Colocar a democracia como apenas um fator??!!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009 09:37:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon Feuerwerker,
Houve um, o judeu romeno economista Nicholas Georgescu-Roegen cuja proposta era seguramente de interesse dos pobres. Ele preconizou que a humanidade deveria por de lado a febre consumista e fazer um planejamento de crescimento populacional de modo compatível com um crescimento econômico bem menor do que o que existia há 30 a 60 anos. Proposta só possível com um governo mundial. Penso que é o modelo que deverá existir daqui uns cinqüenta anos.
Clever Mendes de Oliveira
BH, 14/12/2009

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009 20:49:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home