quinta-feira, 2 de julho de 2009

O charme do humorismo (02/07)

Suplente não manda. Chega de fazer o suplente de boi de piranha. Enquanto ele é roído pelos jornalistas, a boiada dos titulares espertos atravessa sorridente sem ser importunada

A crise no Senado é uma corrida entre fatos assombrosos numa raia e explicações assombrosas na outra. Difícil é saber quem vai ganhar. Você achava que já tinha visto de tudo? Pois a profusão de atos secretos (esqueci, eles não são secretos: só não foram divulgados) para nomear apaniguados é a prova de que mesmo os mais veteranos no jornalismo sempre têm algo inteiramente novo para descobrir.

Se os fatos levam a vantagem da materialidade, as explicações têm o charme do humorismo.

O senador José Sarney (PMDB-AP), por exemplo, nunca soube que determinadas decisões não eram publicadas. Não ficou sabendo nem quando foi para nomear ou demitir pessoas próximas dele. Próximas mesmo. Tem muita gente distraída em volta do presidente Sarney, inclusive ele próprio. Ou talvez falte a Sarney experiência administrativa.

Quem já andou pelo serviço público sabe a importância dada à publicação de nomeações e demissões. Mas a turma de Sarney, pelo jeito, não estava nem aí para essas bobagens.

Até porque os servidores decidiam tudo por conta própria. Você é um graduado funcionário do Senado Federal e cai na sua mesa um ofício nomeando Fulano, ligado ao senador Sicrano, para um cargo. Por que importunar o senador com questiúnculas? Você mesmo decide se publica ou não, se manda para a gráfica ou se guarda na gaveta.

E o incrível é que nunca nenhum senador reclamou de não ter visto publicados atos do interesse dele!

Isso mesmo. Foram mais de seiscentas medidas ocultadas, mas não se conhece um único caso de senador que na época tenha se preocupado com o porquê da não publicação. Contem outra. Senadores e deputados costumam acompanhar essas coisas (nomeações, demissões) com lupa. É uma parte vital da função política, pois funciona como medida de poder. Mas aqui foi diferente. Ninguém quis saber. Será?

É graças a essas (e outras) que não cola tentar limitar a crise do Senado à esfera administrativa. O problema não é administrativo. É político. Convém aos senadores a versão de que eles, distraídos, não perceberam a bagunça que rolava nos subterrâneos da Casa. Só que a versão fica frágil quando se olha para um ato secreto e se nota nele a marca do interesse de sua excelência.

Daí que deva ser vista com reserva a proposta do PT e do PSDB de instalar uma comissão de “alto nível” para conduzir as providências gerenciais no Senado. Aliás, está na hora de descartar essa separação entre políticos de diferentes níveis. Todas as figuras senatoriais metidas na confusão são titulares, detentores de sólida carreira política e acostumados a receber belas votações.

Tem muito suplente no Senado? Tem. Mas eles não mandam. Chega de fazer o suplente de boi de piranha. Enquanto ele é roído pelos jornalistas, a boiada dos espertos titulares atravessa sorridente sem ser importunada.

E os salários?

Eu não esqueci da promessa do senador José Sarney de divulgar os salários dos funcionários do Senado. Ele prometeu e deve cumprir. Ou ele, ou o sucessor. Tudo bem que a Justiça em São Paulo deu liminar proibindo o prefeito Gilberto Kassab (DEM) de colocar na internet os vencimentos brutos dos servidores municipais. Como já escrevi aqui, a coisa poderia ser feita por etapas. Começar divulgando só os rendimentos, sem dizer quem ganha o quê. Seria bom saber qual o maior salário bruto no Senado, quantos ganham mais do que o presidente da República ou do que um ministro do Supremo Tribunal Federal.

No tapetão

Luiz Inácio Lula da Silva afirma que o PSDB quer levar a presidência do Senado no tapetão, derrubando José Sarney e colocando no lugar Marconi Perillo (PSDB-GO). Conversa. O governo tem maioria na Casa. Basta unificar a base governista e eleger o eventual sucessor. A verdade é que a crise agora está no colo de Lula. E ele vai ter que resolver. Por enquanto, vai ganhando tempo com a arma da retórica e com as metáforas futebolísticas.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje no Correio Braziliense.

@alonfeuerwerker no twitter.com

youtube.com/blogdoalon


Assine este blog no Bloglines

Clique aqui para mandar um email ao editor do blog

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

3 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Se complicar é mais fácil, poderia ser dito que um ato é secreto porque foi feito para que nenhum interessado tomasse conhecimento dele. Simples como provar que existe saci, mula sem cabeça e bruxas. Salários na internet: iniciando por categorias e cargos e os respectivos valores brutos, sem os nomes, poderia ser uma medida eficaz no caminho da transparência. Senado: quer dizer que o Executivo pode decidir, até por telefone, quem deve ficar, sair ou assumir a Presidência do Senado? Então é verdade que os poderes são autônomos? Então poderemos ficar sossegados: vivemos num País com estabilidade política, jurídica, legislativa e executiva de fazer inveja a outros países do mundo. Bicho papão não existe, a menos que um seja encontrado.

Swamoro Songhay

quinta-feira, 2 de julho de 2009 09:18:00 BRT  
Anonymous Marco Silva disse...

Alon, com todo o respeito, não posso concordar com vc quando desqualifica um dos argumento do Lula para (Arg!!!) apoiar o Sarney. Será que o PSDB não espera realmente matar dois coelhos com uma só cajadada: manter o clima de instabilidade e ainda emplar, no tapetão, o presidente do Senado? Seria realmente tão fácil para o governo provocar nova eleição e fazer o novo presidente? Teria o governo a maioria necessária para isso, principalmente com um Sarney (Argh!!!!) se sentrindo traído? O PMDB realmente votaria com o governo?
Eu acho que não - e vc também já achou!
Há pouco mais de uma ano e meio, quando da votação da emenda da CPMF, sua opinião não era essa. Veja o que vc mesmo escrevu sobre a maioria do Governo no Senado:

A administração Lula nunca desfrutou de maioria confortável entre os senadores. Sempre foi refém de alguém. No começo do primeiro mandato, dependia da aliança com os então pefelistas do senador Antônio Carlos Magalhães (BA). Depois, com o progressivo ocaso de ACM, acabou nas mãos de um encorpado Renan Calheiros (PMDB-AL).
Verdade que ao longo de todo esse tempo Lula pôde sempre contar com José Sarney (PMDB-AP) e a área de influência do ex-presidente da República, cuja força isolada, porém, nunca foi capaz de garantir a Lula uma hegemonia na Casa. Talvez por isso mesmo Sarney esteja aí, firme e forte. Por nunca ter ocupado no tabuleiro do xadrez político uma casa na qual colocasse o rei em xeque. (http://www.blogdoalon.com.br/2007/11/o-duplo-blefe-e-um-boeing-para-pousar.html)
O que mudou de la para cá? Agora o governo já tem folgada maioria? Será?

quinta-feira, 2 de julho de 2009 10:21:00 BRT  
Blogger Richard disse...

MUITO BOA A COLOCAÇÃO DO MARCO SILVA!!!

Tbm quero colocar a minha! Neste artigo, vc deixa aberta uma "saída" para vc mesmo quando circunscreve o interesse na publicação de atos apenas à pessoas ligadas no serviço público, no caso em particular, os Senadores e demais funcionários do congresso.

Ora, em um post do passado onde vc argumenta contra os que acreditam em teorias conspiratórias, eu coloquei que um jornalista (diplomado) com tão grande experiencia quanto vc já deveria ter farejado este assunto.

Aliás, não só vc como GRANDE PARTE DA IMPRENSA nacional simplesmente ÑÃO VIU nada de errado em 8 anos de presidência da República, 3 presidências de Senado e inúmeros mandatos... simplesmente, difícil de engolir!

sexta-feira, 10 de julho de 2009 12:01:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home