quarta-feira, 8 de julho de 2009

A efeméride e a política (08/07)

Qual será o efeito do Plano Real na eleição de 2010? Nenhum. Quando um tema vira efeméride, é sinal de que seu potencial político se esgotou

Impressiona a obsessão dos políticos pelo reconhecimento póstumo ainda em vida. É um fenômeno generalizado, mas acomete principalmente quem perdeu o poder e não tem perspectiva real de retomá-lo. Os que têm andam ocupados demais no exercício. Ainda que Luiz Inácio Lula da Silva volta e meia repise a intenção de registrar em cartório as realizações do governo dele, para garantir o resultado favorável no julgamento da História. Lula quer ser não apenas o governante mais popular que o Brasil já teve: busca também definir como seu governo será visto quando se for.

Esqueça, presidente. O juízo da História é obra em permanente construção e desconstrução, e não há cartório que dê jeito nisso. A formação nacional do Brasil é um empreendimento de séculos, mas ainda não há —e nunca haverá— consenso sobre aspectos como o papel dos bandeirantes, as revoltas secessionistas ou a abolição da escravatura. Tem gente que vê o Império do século 19 principalmente como garantidor da unidade territorial. E há quem enfatize a demora para libertar os escravos. Provavelmente ambos os lados estejam certos. E Getúlio Vargas? Para uns, o fundador do Brasil moderno. Para outros, apenas ditador.

Se nada acontecer de diferente até o fim de 2010, Lula passará à História como o presidente dos generosos programas sociais e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Se bem que plano sozinho não dá currículo a ninguém. Precisa realizar. Juscelino Kubitschek teve o Plano de Metas. Mas ficou marcado pela construção de Brasília e pela indústria automobilística. Tanto Lula como Dilma Rousseff garantem que 2010 vai ser um festival de inaugurações. Se for, será ótimo para o Brasil. E a candidata do governo terá todo o direito de faturar.

Ontem o Senado assistiu à sessão solene em homenagem aos 15 anos do Real. Tucanos e aliados reuniram-se para falar bem deles mesmos. Fizeram um pouquinho o que Lula faz muito. Natural. O PSDB volta e meia tenta reabilitar a imagem do governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), que terminou o segundo mandato bem por baixo, depois de se reeleger em 1998 ocultando a gravidade da situação econômica e a fraqueza da moeda. Esse esforço tucano tem agora um aspecto prático: Lula trabalha para transformar a eleição de 2010 em plebiscito. Quem fez mais pelo Brasil, o PT ou o PSDB? Quem deve então governar a partir de 2011?

Qual será o efeito da memória do Plano Real na eleição? Nenhum. Quando um tema vira efeméride, é sinal de que seu potencial político se esgotou. É altamente duvidoso que o eleitor em 2010 vá fazer uma reflexão profunda sobre os papéis de FHC e Lula na estabilização da economia. Sobre isso, aliás, existe uma polêmica que leva todo o jeito de virar eterna: 1) o PSDB criou a moeda estável e depois o PT só continuou a tarefa? ou 2) o PT recebeu o governo em situação crítica, com inflação ascendente, e teve o mérito de devolver a economia aos trilhos? Escolha você mesmo o lado que lhe convier. Eu sou mais a segunda opção.

Se a eleição for colocada como um remake das disputas entre Lula e FHC, Dilma pode ir preparando o tailleur para a posse. Daí o salto alto do governismo. O Planalto aposta que o PSDB não saberá enfrentar o desafio de aparecer diante do eleitor com um projeto de futuro. Está aí, no salto alto do adversário, a grande oportunidade de os tucanos virarem o jogo.

Guerra fria

Vai de vento em popa a operação política para segurar José Sarney na cadeira. Também porque o PMDB deixou claro ao governo que qualquer gracinha do PT no Senado vai estimular o peemedebismo a avivar as brasas adormecidas da CPI da Petrobras. Para queimar o PT. Mantida a atual situação das forças políticas, o distinto público ficará sem saber os responsáveis pelo descalabro senatorial e tampouco terá saciada a curiosidade sobre a Petrobras. Uma curiosidade que cresce a cada dia, a cada movimento desesperado, no governo e na oposição, para impedir a CPI de funcionar. Quando os políticos se entendem para esconder algo, o público perde. Sorte que esses acordos não costumam durar para sempre.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje no Correio Braziliense.

twitter.com/AlonFeuerwerker

youtube.com/blogdoalon


Assine este blog no Bloglines

Clique aqui para mandar um email ao editor do blog

Bio Wikipedia (pt)

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

11 Comentários:

Anonymous apos.2009 disse...

Parabens pelo artigo. É a reflexão que todos devem fazer antes da eleição. Só gostaria de ter lido sua opinião sobre o Bolsa Família, também chamado de maior programa de transferência (e não distribuição) de renda do país e que outros chamam de maior programa de compra de votos da história, bem como gostaria de ter lido algo sobre a situação de penúria e escarnio com que estão sendo tratados os aposentados do RGPS (INSS), tratamento desumano desde os tempos de FHC e mantido pelo Lula.

quarta-feira, 8 de julho de 2009 08:31:00 BRT  
Anonymous Helio disse...

Alon,
só para esclarecer parte de seu texto, vamos aos fatos da história:

"Sobre isso, aliás, existe uma polêmica que leva todo o jeito de virar eterna: 1) o PSDB criou a moeda estável e depois o PT só continuou a tarefa? "

O verdadeiro criador da moeda estável foi o PMDB no governo Itamar Franco que abrigou a ideia do economista André Lara Rezende.

O resto é marketing do governo sucessor, PSDB, com o apoio das famiglias da grande mídia. Na realidade, ao fim do primeiro mandato do PSDB, o plano real deteriorou-se e a moeda já não era mais "estável".

Sds,
Helio

quarta-feira, 8 de julho de 2009 08:31:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Lula nada tem de sábio. Escolheu candidatura complicada, dependente da conjuminação de elementos quânticos, sem pedigree eleitoral e algumas características de personalidade complicadas e que pouco a pouco são conhecidas.
Mas Lula é sortudo. Oposição que sequer aproveita uma acusação por falsidade ideológica – mentira, no popular – para lascar a adversária, não merece votos. Caracterizar desde já a ex-mestra e ex-doutoranda como “... 171”, qualquer um entende e não constitui inverdade. Ela assinou o currículo tornado público.
Quem sabe a oposição também tem um pouco de sorte e a PGR ou o MP leiam os jornais e decidam processá-la? Milagres são possíveis. Dizem.

quarta-feira, 8 de julho de 2009 09:27:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

As próximas eleição,a meu ver,não serão um plebiscito.Isto porque tentam lograr fixar na memória popular que o Brasil só passou a existir a partir de Janeiro de 2003. Assim, as colocarão como julgamento do governo atual. Com seus erros e seus acertos. No atual estágio, a memória popular pode estar fixando mais o que entende como acertos. Se forem coisas boas, ótimo. Que seja faturado política e eleitoralmente. É da Democracia. O que não pode é mentir sobre os erros. A vantagem de tudo é que, todas as tentativas, na vã intenção de reescrever a história, acabaram redundando em fracassos. Ao menos das que se têm notícias.

Swamoro Songhay

quarta-feira, 8 de julho de 2009 09:42:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Para que cartório, se exite o PIG?
Memória viva da "nação",repositório dos feitos trancendentes,dispensa esse anacronismo filipino. Considerar Getúlio Vargas, ditador, é exibição de ignorância escolática, que depõe contra o interlocutor. Os quinze anos do Real com a presença de seu autor(?),no "paraíso de Darcy",não foi mais caricatural,pelo respeito que a casa merece,apesar de tudo.Restam ,o curriculo de Dilma, a "participação" da ONG dos verdes na cerimônia que consagrou Lula e a "carga pesada tributária". Um elênco legítimo de "água de bacalhau". Como se diz, lá, nos pagos: " É duro nadar de poncho!"

quarta-feira, 8 de julho de 2009 10:11:00 BRT  
Blogger Alon Feuerwerker disse...

apos.2009:

1) sobre o Bolsa Família (entre outros), O tantinho e o tantão, em http://www.blogdoalon.com.br/2009/02/o-tantinho-e-o-tantao-1602_16.html

2) sobre a necessidade de aumentar a renda dos aposentados, Inação desastrosa, em http://www.blogdoalon.com.br/2009/03/inacao-desastrosa-1103.html

quarta-feira, 8 de julho de 2009 10:29:00 BRT  
Anonymous joao rosa disse...

Caro Allon.
A particula apassivadora é brutal.
Se Fhc no final do 2º mandato, detivesse 80% de aprovação, com certeza teriamos a volta da monarquia
Mas, arquive-se o projeto do 3ºmanda
to, ai esta a diferença do grande es
tadista.
Aguardemos a historia.

quarta-feira, 8 de julho de 2009 11:20:00 BRT  
Blogger Silvio disse...

A Oposicao, junto com a grande midia, fez uma fuzarca com os escandalos do Senado. No fundo, quis forcar a CPI da Petrobras e, de quebra, cooptar o PMDB para a candidatura do Serra.

Deu errado. Se tudo continuar como esta, o posto de fiador de Sarney presidente do Senado sera do Lula/PT (ja foi do PFL). Bye, bye CPI da Petrobras. Um Sarney fraco (porem na mesa do Senado) e dependente eh tudo que Lula pediu.

Como o Renan Calheiros disse, esta crise aproximou definitivamente o PMDB da candidatura da Dilma.

So tenho uma curiosidade. Eh fato que Lula esta se empenhando na candidatura da Dilma e, caso ela se eleja, sera candidata a novamente em 2014 confrontando com os desejos explicitos do presidente de voltar. Qual sera o acordo firmando entre ambos??

quarta-feira, 8 de julho de 2009 12:56:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Ninguém nega a participação e o respaldo político dado pelo presidente Itamar à equipe econômica montada para estruturar o Plano Real. Nem sua aceitação do plano, por consequência. Itamar saiu do Governo com a economia estabilizda e com popularidade favorável. FHC sempre foi claro neste sentido nas entrevistas que deu sobre os 15 anos do Real e mesmo antes, verdade seja dita. Existiam ideias de lançar um plano deflacionário e uma nova moeda, desde antes da posse de Itamar. Contudo, havia também o receio de fracasso, dado os resultados do Cruzado I e II, Plano Bresser, Plano Verão e Planos Collor I e II. Os ministros da Fazenda, antes de FHC, não obtiveram êxito em montar a equipe e deslanchar o objetivo. Com ele, convidado e empossado por Itamar, a equipe foi montada, o plano deflacionário foi demarrado e cumpriu o objetivo de estabilização monetária com o R$ e institucionalização do controle das contas públicas.

Swamoro Songhay

quarta-feira, 8 de julho de 2009 13:45:00 BRT  
Blogger Cesar Cardoso disse...

Eu ia até comentar outra coisa, mas aí apareceu um anônimo que, ao achar que a oposição deveria explorar o caso do currículo errado da ministra, mostrou porque, ao continuar assim, a oposição só vence em 2010 se o mundo acabar.

Primeiro porque a transformação do escândalo em arroz-com-feijão da luta política teve o efeito de anular efeitos de escândalos sobre imagens públicas.

Segundo porque a oposição, ao que parece, continua se esquivando de responder à pergunta "porque o eleitor deveria votar na oposição e não na situação?". Ao se esquivar da pergunta essencial de qualquer eleição, vai ficar (e continuar) esperando que a vitória caia dos céus.

Terceiro porque a oposição não só não aproveita o salto alto do governismo como ainda dá corda. Fica dizendo que a Dilma é uma candidata "complicada" como uma espécie de "la la la la eu não estou te ouvindo" pra campanha de "conhece a Dilma? Prazer, é a candidata do Lula" e brinca de roleta russa eleitoral, com o risco de acordar 4 de outubro de 2010 vendo Dilma eleita no primeiro turno.

quarta-feira, 8 de julho de 2009 21:23:00 BRT  
Blogger Richard disse...

De trás para frente:
1- levou mais de 20 anos para se saber sobre as malfeitorias nos governos Sarney... muito tempo para a imprensa em geral ficar sem saber!!!

2- Alguém me explique, em poucas palavras, o que afinal Luís Inácio Lula da Silva fez de importante para "devolver a economia aos trilhos"?!?! R$ 100,00 de Bolsa-família!?!?!?!?

3- "gravidade da situação econômica" ou simplesmente o fracasso iminente da globalização no Brasil!?!?! As medidas, até onde entendo, foram rigorosamente seguidas pelo sucessor Lula. Como atestam alguns críticos neo-liberais!

4- E por favor, Gegê e JK foram marcos na história deste país... e não meros surfadores do poder!!!

sexta-feira, 10 de julho de 2009 12:50:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home