sexta-feira, 1 de maio de 2009

Para quem estranhou o post anterior (01/05)

Se você não concordou com a conexão que fiz no post anterior, onde afirmei que a integração sul-americana interessa aos Estados Unidos, para ajudar a manter a área sob sua influência, leia a reportagem que, por uma feliz coincidência, a revista Veja publica hoje.

Acompanhe este blog pelo twitter.com

Assine o canal deste blog no YouTube

Assine este blog no Bloglines

Clique aqui para mandar um email ao editor do blog

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

5 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

E daí?

Se a Venezuela entrar para o Mercosul, teremos um balanço mais pró-Irã e pró-China na America do Sul, não o contrário. Isso é claramente desvantajoso para os EUA.
Se o yuan passar a circular como moeda em países da América do Sul, isso é vantagem para os Estados Unidos? Óbvio que não. Mas isso não é inconsistente com a entrada da Venezuela no Mercosul. Aliás, é o contrário. A entrada de Bolívia, Equador e Venezuela só tornariam essa hipótese mais provável.
A expansão do modelo chinês, com sua mistura de pior dos mundos (eu nunca vejo simpatizante da esquerda criticar a falta de liberdades democráticas e de sindicatos na China), não é vantagem para ninguém. Mas será um fato da vida. Só isso.
Infelizmente, 2+2=4.

sexta-feira, 1 de maio de 2009 12:07:00 BRT  
Anonymous Jorge Nogueira Rebolla disse...

Até que ponto a Venezuela bolivariana pode ser considerada uma democracia? Em menos de trinta dias três personalidades oposicionistas, sendo que pelo menos duas são dissidentes do chavismo, estão sofrendo processos judiciais nebulosos. Rosalez as voltas com uma quantia menor que a apreendida na cueca do irmão do Genoíno, não é estranho que o governador do estado mais rico tenha se perdido por US$ 68,000.00. E a herança do Petkoff, de 1974, não é ainda mais estranha a ação judicial? Sem falar no general Baduel, o infeliz que respeitou a vontade popular e impediu a concretização do golpe de 2002.
O ingresso do boquirroto de Miraflores no mercosul não será produtiva para os demais membros, as questões econômicas serão sufocadas pelas práticas politiqueiras do proto-ditador venezuelano.
Se o preço da integração sul americana for aceitar as práticas populistas e autoritárias do socialismo do século XXI espero que ela jamais ocorra.
Tenha esperança que a posição do presidente da comissão de relações exteriores do senado prevaleça, pela segunda vez concordo com o collor, a primeira e única até agora tinha sido a abertura econômica que acabou com as nossas "carroças".

sexta-feira, 1 de maio de 2009 18:59:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Interessa ao PT falar que interessa aos Estados Unidos a entrada da Venezuela no Mercosul.
Esse Chavez está prendendo a oposição inteirinha. Ele põe brucutu na rua. Se permitirem a entrada da Venezuela, estarão rasgando a cláusula democrática.

domingo, 3 de maio de 2009 02:22:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Da mesma forma quando o Brasil reconheceu a China como economia de mercado, apoiando sua entrada na OMC, tudo leva a crer que a Venezuela será aceita no Mercosul. Faz bem quem é contrário, levantar a cláusula democrática ao que, porém, os apoiadores, apontam as eleições e os plebiscitos ocorridos na Venezuela sob Chávez. Nada indica que o pragmatismo econômico deixará de prevalecer na decisão final, a despeito de críticas, até de apoiadores, quanto à forma como o mandatário venezuelano toca a política interna e externa. Poderá ocorrer um resultado apertado, dado que Chávez fez crítica ácidas ao Senado Brasileiro, mas a aprovação, ao que transparece, vai ocorrer.O que resta saber é se a tradição de apaziguamento da diplomacia brasileira será fator que possa dissuadir eventuais problemas mais agudos, no futuro, em um Mercosul ampliado.

Swamoro Songhay

domingo, 3 de maio de 2009 12:37:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Caro Alon,
Se é da Veja, não presta.
Abçs.

segunda-feira, 4 de maio de 2009 17:27:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home