quinta-feira, 30 de abril de 2009

Fingindo que nada acontece (30/04)

Os tucanos sabem que podem ganhar tudo, mas têm inteligência suficiente para entender que podem também perder tudo, inclusive o forte poder regional

O problema de saúde que atingiu a ministra Dilma Rousseff não parece ter gravidade suficiente para levar o Palácio do Planalto a pensar a sério numa alternativa para 2010. As informações médicas dão a ela, de fato, chances imensas de superar a doença. E há um outro ingrediente. No instante em que o oficialismo fizer o primeiro movimento para o plano B, este automaticamente se transformará em plano A. Numa situação assim, o mundo político entenderá qualquer marola como a senha para o desembarque.

Uma coisa são os eventuais aspirantes à vaga saírem por aí sondando o terreno. Outra, bem diferente, é imaginar que alguém esteja a fazer isso com o aval do presidente da República. Aliás, qualquer sondagem a esta altura nos grupos sociais e econômicos dominantes é em larga medida inútil. O candidato de Lula virá não “da sociedade”, mas do Palácio. E terá como trunfo o fato de ter sido indicado pelo mais popular presidente da História do Brasil. Daí que a sabedoria esteja a recomendar cautela para os pretendentes.

Preocupação maior nas hostes governistas, neste momento, é com um eventual acordo interno de pacificação no PSDB. Os sinais têm vindo tanto do Bandeirantes como das Mangabeiras. A dança entre José Serra e Aécio Neves é complexa e sinuosa. Aécio vem de mostrar flexibilidade quanto à data das prévias do partido. E Serra tem dito por aí que não afasta a possibilidade de se candidatar à reeleição em São Paulo.

Estão os dois, como dizia o ex-presidente Jânio Quadros, na posição do remador: fazendo força, mas de costas para o verdadeiro objetivo. Serra trabalha para aproveitar ao máximo a inércia, que o favorece. Aécio tem o grande trunfo de Minas. O estado foi a chave das vitórias de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 e 2006. Aliás, a esperança do PT para daqui a um ano e meio é repetir 1930. Uma aliança de Minas com o Nordeste contra São Paulo, abrindo espaço para a emergência política do Rio Grande do Sul. Com a vantagem de que Dilma pode ser gaúcha ou mineira, conforme a conveniência.

O problema do PT é que desta vez ele tem pouco a oferecer ao PSDB em Minas. Em 2002 e 2006, os petistas lançaram chapas menos competitivas no estado, um movimento que permitiu alianças informais. Assim, nas duas eleições Aécio e Lula venceram por ampla margem entre os mineiros. Desta vez, porém, PMDB e PT têm nomes fortes em Minas, no caso dos petistas mais de um. A eleição ali não será um passeio em céu de brigadeiro para ninguém.

Se o PSDB não pode bobear em Minas, tampouco pode dormir no ponto em São Paulo. Os tucanos paulistas são hoje favoritos a continuar, mas a soberba e as divisões internas sempre podem atrapalhar. Além do que, há uma certa fadiga de material e a pendenga não resolvida entre o prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM), e o ex-governador Geraldo Alckmin. E há também o movimento de Lula para tentar construir uma chapa competitiva em São Paulo, com uma cara nova, algo descolada da imagem tradicional do PT.

Para o PSDB, essa é uma diferença importante entre a eleição de 2010 e as duas anteriores. Em 2002 e 2006, a derrota nacional estava relativamente precificada e antecipadamente compensada pela quase certa conquista do poder nos dois maiores colégios eleitorais do país. A equação agora é um pouco diferente. Os tucanos precisarão fazer sua engenharia política nacional sabendo que podem ganhar tudo, mas com inteligência suficiente para notar que podem também perder tudo, inclusive o forte poder regional.

Daí a calmaria. De um lado e de outro, no PT e no PSDB, o que mais se faz nos últimos dias é fingir que não se está fazendo nada. O Palácio fareja o ambiente e mede as consequências do repentino obstáculo que apareceu diante da ministra Dilma Rousseff. A oposição tateia para evitar que, mais uma vez, sua divisão abra caminho para a continuidade do projeto de poder do PT. No meio dos dois, o PMDB aguça ao máximo seus já naturalmente aguçados sentidos, tentando desesperadamente antecipar para que lado a balança vai pender.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje no Correio Braziliense.

Acompanhe este blog pelo twitter.com

Assine o canal deste blog no YouTube

Assine este blog no Bloglines

Clique aqui para mandar um email ao editor do blog

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

2 Comentários:

Anonymous Too Loose Lautrec disse...

Lula – o PT incluso - se encontra em situação bastante mais complicada do que os adversários. A lamentável ocorrência que atingiu sua candidata é novo gravame em quadro que já era de alto risco.
Candidatura sem peso político próprio. Nem mineira nem gaúcha. Relacionamento difícil. Dependente completa de outrem. Antes e depois das eleições. O que não se daria com inúmeros outros ilustres petistas.
By the way, o “Milagre” deu ao general de plantão na presidência índices de popularidade expressivos como os atuais. Não decorreram de genialidade e de carisma. Então como agora saíram dos bolsos mais recheados. E se foram com seus esvaziamentos.
Tivesse Dilma atributos outros e Lula não teria deflagrado a sucessão precocemente. No PT teria alternativas mais fortes, só que essa candidatura é solução pessoal e não partidária.
Face ás dificuldades da candidatura restará ao Partido arcar com enormes sacrifícios diante de alianças essenciais. Mormente com o PMDB.
Se alcançável qual o preço da composição em Minas e nos Estados do Sul? O tempo das novidades já passou e o PT irá com o que tem em São Paulo. O Rio é a boa incógnita de sempre, mas Cabral não estará em condições de aumentar seus problemas.
Do devaneio quanto a união Nordeste, Minas e Rio Grande, certeza só existirá quanto ao Nordeste. No resto os indícios são de que o pau vai quebrar. Até na Bahia.
Se antes já era duvidosa a aceitação pelo PMDB da vaga de vice, as circunstâncias de agora agravaram a situação. Se antes o perfil do possível candidato admitia até um Themer, impossível, agora, não considerar as influências do episódio Itamar nesse contexto. O nome teria de ter maior densidade partidária. O que ninguém, em princípio possuiria.
Essa decisão, se houver, provocará o enfrentamento interno que o PMDB tem conseguido evitar nas últimas eleições. Se ocorrer sabe-se lá o que acontecerá. Provavelmente o nada de sempre. Não candidatura.
A Oposição tem mais é que resolver suas equações internas e deixar que o lado governista consiga resolver as suas. Ou não.
Se Lula dorme tranqüilo é porque a notícia ainda não lhe chegou. Vale ainda mais para o PT. Se vencer chegará, enfim, a assumida condição de um grande PDT.

sexta-feira, 1 de maio de 2009 17:40:00 BRT  
Anonymous Too Loose Lautrec disse...

Um detalhe a mais.
Se o PMDB viesse a alcançar ungir nome denso o suficiente para numa eventualidade assumir a Presidência da República, o que tem sua impossibilidade histórica, por quê satisfar-se-ia em colocá-lo como vice de uma candidatura mais fraca?

sexta-feira, 1 de maio de 2009 22:12:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home