domingo, 1 de março de 2009

Por que Netanyahu não se compromete com a solução de dois estados? (01/03)

Do israelense Haaretz, Why isn't Netanyahu backing two-state solution? Como você vê, está em inglês. Paciência. Não dá para o cara viver no Império Romano sem ter noções de latim. Até dá, desde que o sujeito esteja confortável quando come pela mão dos tradutores.

Acompanhe este blog pelo twitter.com

Assine o canal deste blog no YouTube

Assine este blog no Bloglines

Clique aqui para mandar um email ao editor do blog

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo

1 Comentários:

Anonymous paulo araújo disse...

Alon

Considerando a história e os bons resultados alcançados por Israel com as suas longas negociaçõs de paz com a Jordânia e o Egito, não vejo grande novidade na declaração de Netanyahu sobre como proceder a concessões. Aliás, não vejo também no que Livni poderia discordar estrategicamente dele.

Parece-me que a suposta discordãncia se dá no plano tático. Uma declaração explicitamente favorável de de Netanyahu poderia beneficiar Israel no que toca à imagem de "massacrador de palestinos" e seria uma resposta aos que acusam Israel de estado nazista e outras coisas do gênero. Não vamos esquecer que Livni atuou como chefe das relações exteriores. Talvez seu foco seja este, isto é, a imagem de Israel no mundo.

De mina parte, eu não vejo contradição entre a explicitação do reconhecimento, defendida por Livni, com a política correta de defesa do Estado de Israel contra o terrorismo. Vigiar e impor derrotas aos terroristas é fundamental para a segurança dos israelenses. Disistir disso é suicídio. Os melhores resultados de paz somente foram conseguidos quando Israel convenceu a Jordânia e o Egito que os israelense pagariam o preço que fosse necessário pagar em defesa do seu estado. É como se dissessem, se querem brigar, então vamos à briga. Se querem negociar, então vamos à negociação. Egito e Jordãnia cederam à força dos argumentos da força e as negociações e os acordos de paz tiveram os bons resultados para todos os envolvidos.

Deve também existir aí as questões de política interna de Israel, mas disso nada sei.

Você conhece o trabalho do professor Stephen Krasner, citado no artigo? Poderia nos enviar um link?

PS: Há uma ótima ferramenta de uso gratuito disponível pelo "baixaki". É o Lingoes. Faz aquelas traduções meia boca. Mas o melhor é que quando se posiciona o cursor ou se faz seleção sobre a palavra em inglês ele abre automaticamente uma janelinha com o significado e sinônimos. Claro que tudo em inglês, mas ajuda muito.

Quem fizer uso dessa ferramenta sistematicamente por pelo menos um ano vai se supreender com os resultados de melhora na fluência da leitura.

Reclamar sobre não saber ler em inglês hoje é de lascar. Dureza era na época que se tinha que ler abrindo e folheando desconfortáveis dicionários impressos. Hoje é uma baba. Tudo se resolve num clic. Só não aprende quem é preguiçoso.

domingo, 1 de março de 2009 20:07:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home