sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

De frente para a esfinge (30/01)

Sarney anda desconfiado do que ele considera uma propensão petista ao monopólio do poder. E Lula sabe disso

A esta altura, só uma zebra tira do senador José Sarney (PMDB-AP) a prerrogativa de sentar nos próximos dois anos na cadeira de presidente da Casa. Dando a lógica, a segunda-feira anoitecerá com Sarney a caminho da mansão no Lago Sul e Tião Viana (PT) passando a cuidar exclusivamente da sua favoritíssima candidatura a governador do Acre.

Qual seria o significado de um triunfo do petista? Talvez a renovação de certos costumes políticos no Senado. Talvez uma maior transparência da instituição. É verdade que as posições de Viana sobre isso só foram ficando mais explícitas à medida que suas chances de vitória minguavam, mas não importa: interessa mesmo é que ele se coloca a favor de um Senado mais próximo do povo. Eleição se perde e se ganha. O que não se deve perder são as convicções.

E a possível vitória de Sarney, representará o quê? Nos corredores do Senado, especialmente nas zonas de sombra, festeja-se antecipadamente o triunfo do establishment. Melhor dizendo, o establishment comemora por antecipação, convencido de que pouco vai mudar. Certo de que o uso dos gordos e belos recursos públicos colocados à disposição da Casa permanecerá protegido, blindado contra a fiscalização e a crítica dos que, afinal, pagam os impostos para que o Senado possa gastar o dinheiro.

Mas, quem sabe?, e lá vou eu no meu eterno otimismo, o establishment não possa vir a ter uma surpresa? Errar na análise política é humano, mas o analista subestimar Sarney seria burrice. A história do senador não autoriza que o subestimem. Sarney saiu da presidência do então PDS para a vice de Tancredo Neves na disputa presidencial de 1985. Teve que assumir na morte do titular e conseguiu promover uma transição política eficaz. Tão eficaz que ele próprio sobreviveu a ela. De todos os políticos que participaram da base de sustentação do regime militar, Sarney talvez tenha sido o que mais vezes e mais bem conseguiu se reinventar. A ponto de fazer Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, do alto de seus 80% de popularidade, ter que aceitar agora a frustração de não poder fazer muito pelo seu candidato preferido.

É improvável que Sarney, com seu mais de meio século de vitoriosa sobrevivência política, após uma bem operada transição da UDN e da Arena para a base de apoio de um governo do PT, caia na armadilha e seja tragado por um turbilhão nascido de interesses alheios. Mas vamos esperar para ver. Que o próprio José Sarney, a partir da terça-feira, se conseguir mesmo a vitória, diga a que veio desta vez.

Pensando prospectivamente, algo que o senador poderia fazer, desde que de fato chegue à cadeira, seria ajudar a resolver um problema criado por ele mesmo lá atrás. Quando presidente da República, lutou e conseguiu que a Constituinte mantivesse a figura do decreto-lei, com o nome novo de medida provisória. Hoje, a medida provisória é o pelourinho do Legislativo, sistematicamente acorrentado e chicoteado pelo Executivo.

A reforma da execução orçamentária é outro avanço institucional que Sarney talvez devesse estimular. Ainda agora, o governo vem de congelar todos os investimentos inseridos pelo Congresso no Orçamento de 2009. E manteve intocados todos os investimentos de iniciativa do Executivo. Não poderia haver sinal mais nítido de desprestígio do Legislativo. O senador Antonio Carlos Magalhães morreu sem ver realizado seu sonho de um orçamento impositivo. Quem sabe Sarney não destranca essa pauta?

Agora, dor de cabeça mesmo com José Sarney presidente do Senado quem pode ter é Hugo Chávez. O senador pelo Amapá vem sendo o mais duro opositor do líder venezuelano entre os seus pares. Basta pesquisar os discursos. E o problema não é só retórico. A absorção da Venezuela no Mercosul já passou pela Câmara dos Deputados e espera um lugarzinho na agenda do Senado, onde vai enfrentar resistência cerrada da oposição. E de Sarney.

Bem, vamos esperar para ver. E também, claro, aguardar a eleição, antes da qual um artigo como este não passa de especulação. Assim como há muita especulação sobre o que um eventual José Sarney presidente do Senado faria na sucessão presidencial. Lula prefere Tião Viana também por acreditar que o pai de Roseana pode eventualmente caminhar separado de Dilma Rousseff daqui a dois anos. Lula tem seus muitos defeitos, mas falta de olfato político certamente não é um deles. Sarney anda desconfiado do que ele considera uma propensão petista ao monopólio do poder. E Lula sabe disso.

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje no Correio Braziliense.

http://twitter.com/alonfe

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

3 Comentários:

Anonymous Moses disse...

Mas Alon, nenhuma linha sobre o apoio do PSDB a Tião?
Abraço!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 11:40:00 BRST  
Anonymous Jura disse...

Qual cisne branco que em noite de lua, vai navegando no mar azul...

Dá-lhe, marujo!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 12:46:00 BRST  
Anonymous the talk of the town disse...

O Sarney só entrou nessa, pq pra ele (e seu grupo) vai ser um jogo de ganha-ganha.

Ou ganha o Senado e se contrapoe ao PMDB da Camara (que hj tem a presidencia).

Ou perde, mas com o desgaste e a certeza q um esforço desses em nome do partido merece uma recompensa (Uma presidencia estaria de bom tamanho).

Mas sobre o PSDB muitos dizem que o temor era de que o PMDB do Senado, reforçaria o apoio a Dilma.

Eu tenho outra teoria. Acho que se o PMDB levasse a presidencia das 2 casas, um rapaiz chamado Aecio já estaria fazendo as malas pro PMDB, formando uma chapa com Ciro e o PSB.

O que seria gasolina na fogueira para a campanha de 2010.

abçs,

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 15:31:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home