segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Rumo a 2010 (21/10)

Estive no Espírito Santo no final de semana, convidado para um evento empresarial. Fui lá falar sobre as perspectivas políticas, incluída naturalmente a sucessão presidencial. Antes da minha participação, pude assistir a uma esclarecedora apresentação do economista José Roberto Mendonça de Barros. A imagem acima foi retirada do .ppt que ele exibiu. As barrinhas mostram o crescimento do PIB. As avermelhadas indicam a variação do PIB passado e também o futuro projetado com premissas otimistas. As azuis são as projeções a partir do primeiro trimestre do ano que vem, num cenário pessimista. No pior cenário, projeta-se um crescimento de 2,3% ano que vem. Há economistas que dizem outra coisa, que só o crescimento deste ano já garante pelo menos 2,5% para 2009, pelo efeito inercial. Vamos ver. Mas o interessante no gráfico é a convergência entre porcentagens de crescimento em ambos os cenários (pessimista e otimista) ali para o fim de 2009. Ou seja, mesmo na pior hipótese do palestrante de Vitória a economia deve entrar acelerando em 2010, ano eleitoral. Claro que a previsão do Mendonça de Barros pode estar errada. Mas se estiver certa indica que o cacife de Luiz Inácio Lula da Silva chega a 2010 não tão corroído como supõem os que enxergam pela frente um quadro recessivo. Vale lembrar que 2005, ano anterior ao da sucessão, foi medíocre para a economia. E que, apesar disso, Lula se reelegeu.

http://twitter.com/alonfe

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

4 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

É bastante provável que a economia carregue alguma inércia e entre em 2009 em baixa, porém sem grandes catástrofes e que adentre 2010 em alta, não a ponto de deixar tudo em céu de brigadeiro. A economia pode garantir cacife que permita a colocação à sua base de apoio um candidato. Contudo, não com a certeza de vitória como se pensava.

terça-feira, 21 de outubro de 2008 10:18:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

"Claro que a previsão do Mendonça de Barros pode estar errada. Mas se estiver certa indica que o cacife de Luiz Inácio Lula da Silva chega a 2010 não tão corroído como supõem os que enxergam pela frente um quadro recessivo. Vale lembrar que 2005, ano anterior ao da sucessão, foi medíocre para a economia. E que, apesar disso, Lula se reelegeu".

Você não descartou a hipótese do terceiro mandato? É isso?

"E que, apesar disso, Lula se reelegeu."

Na terra das jabuticabas, tudo é possível. Incluído o terceiro mandato. Essa conclusão final significa que em 2010 o Lula vai repetir a proeza de 2005? É isso?

Você pensa que Lula vai tentar nova eleição em 2010? Ou você acredita que Lula poderá fazer seu sucessor, com crise ou sem crise porque "apesar disso, Lula se reelegeu" em 2005.

terça-feira, 21 de outubro de 2008 12:22:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Não parece ter chance a tese de terceiro mandato prosperar: o segundo turno em Capitais Estaduais importantes, as movimentações para as eleições para presidente na Câmara dos Deputados e Senado, os desdobramentos da crise financeira internacional. Este último item pode afetar a economia real pelo lado do crédito, que está escasso e cujos efeitos não estão ainda avaliados em seu alcance. Por isso estão sendo utilizadas as reservas internacionais para irrigar a economia e frear a alta do dólar, uma vez que, a julgar pelas sucessivas quedas na Bolsa de Valores, capitais externos de curto prazo podem estar saindo, mantendo a pressão altista sobre a cotação do dólar. Caso haja agravamento, poderão ocorrer medidas fiscais (aperto em gastos públicos), aspecto sempre impopular.

terça-feira, 21 de outubro de 2008 14:16:00 BRST  
Blogger Cesar Cardoso disse...

Gente, o terceiro mandato não vai sair porque o presidente não quer. Simples assim. Ele quer voltar em 2014, não sair em 2014.

Quanto à economia, não interessa a NINGUÉM na face da Terra que o BRIC (perdão da má expressão) quebre nessa crise, se o BRIC afundar, aí é que vamos ver depressão. Na verdade, se não fosse o bizantinismo conservador do BC brasileiro, estaríamos bem melhores...

quarta-feira, 29 de outubro de 2008 11:01:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home