terça-feira, 23 de setembro de 2008

O velho mundo novo (23/09)

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje no Correio Braziliense.

O Estado americano está aí para defender os interesses dos EUA. Deveria ser assim com todos os demais Estados. Cada um por si. A ilusão acabou, e quem não dormiu no sleeping-bag nem sequer sonhou

Por Alon Feuerwerker
alon.feuerwerker@correioweb.com.br

Diz um corolário do alegado fim da História que o século 20 durou bem menos do que os 100 anos convencionais. Ele teria ido de 1914, quando estourou a Primeira Guerra Mundial, até 1989, quando o Muro de Berlim deixou de fazer sentido. Um século portanto amputado em um quarto de sua extensão. Não é pouca coisa.

Mas os fatos recentes levam a desconfiar de que, assim como o teorema, o corolário será logo atirado no rol dos equívocos. Semana passada, por exemplo, o presidente da República manifestou preocupação quanto à capacidade brasileira de defender militarmente nossas águas territoriais, agora valorizadas com a descoberta de que nadamos sobre um gigantesco colchão de petróleo e gás.

Tempos atrás, essa fala de Luiz Inácio Lula da Silva teria desencadeado uma onda furiosa de críticas, pelo seu suposto anacronismo. Os intelectuais da globalização, da dissolução das fronteiras nacionais, da governança planetária e do mercado protagonista abririam as costumeiras baterias contra o “atraso”. Seriam apoiados, criticamente, pelo cosmopolitismo progressista. Alguém faria a conta de quantas casas populares daria para construir com a verba que o governo teima em (não) gastar para a necessária modernização da Força Aérea Brasileira. Ou com o nunca concluído submarino movido a energia nuclear. Etc.

Tudo isso é passado. Agora, o noticiário vive ocupado por assuntos velhos. Estão aí o colapso do cassino financeiro, a grita por mais regulação estatal, as guerras separatistas e os atritos entre as potências por matérias-primas, energia e mercado. Eis de volta o velho e bom Estado, chamado a recolher forçadamente na sociedade o dinheiro destinado a eliminar a assimetria entre a riqueza real e a virtual, e assim salvar o sistema. E eis, como bem observou Lula, a arrogância imperial da superpotência, esforçando-se para mostrar que, da Ossétia à Bolívia, manda quem pode e obedece quem tiver juízo. Ou medo.

Suspeita-se que os funcionários europeus do Lehman Brothers receberão tratamento diferente do que será dado aos colegas americanos. E o multibilionário pacote de George W. Bush para salvar as instituições financeiras micadas nos EUA parece que fará distinção entre as firmas americanas, ou que têm grandes negócios nos EUA, e as demais. O contribuinte ianque não verá com bons olhos a mordida, se o objetivo do sacrifício for salvar a pele de gente que não carrega um passaporte americano. Ou um “CNPJ” americano.

O Estado americano está aí para defender os interesses dos EUA. Deveria ser assim com todos os demais Estados. Cada um por si. A ilusão acabou, e quem não dormiu no sleeping-bag nem sequer sonhou. O século 20 não apenas não morreu como está em plena forma, vivinho em folha na pele de seu irmão mais novo. A lamentar, apenas, o tempo e a energia que foram investidos inutilmente nos debates sobre o “neoliberalismo” e a “globalização”. Que a rigor nunca significaram nada. Ou, na melhor hipótese, nada acrescentaram às categorias clássicas do liberalismo e do imperialismo.

Por falar nisso, cadê a turma da “globalização igualitária”, “de face humana”? Alguém por acaso sabe dizer que fim levou o Fórum Social Mundial? Mas, felizmente, a vida segue. E, como a humanidade só se coloca em termos práticos os problemas para os quais existe solução à vista, o velho século 21 pode muito bem ser destrinchado com os instrumentos que tanto ajudaram a conduzir por 100 anos seu irmão maior. Estão aí à mão o capitalismo de Estado, o cultivo da capacidade militar, a defesa do mercado e das forças produtivas nacionais, a guerra e a dança da diplomacia.

As vantagens de cair na real são muitas. Nossos jovens, de consciência renovada, podem agora evitar pagar mico em aeroportos mundo afora, já que a livre circulação do trabalho nunca esteve na agenda da tal “globalização”. E, inspirado na preocupação de Lula com o controle do pré-sal, quem sabe se finalmente o Brasil tira as Forças Armadas do limbo e investe na sua capacidade de proteger nosso território e nosso projeto nacional. E imaginem como seria bacana se, de uma vez por todas, o Supremo Tribunal Federal pusesse um limite às iniciativas que a pretexto de proteger os índios nem os protegem e nem respeitam a integridade territorial inscrita na Constituição da República Federativa do Brasil.


http://twitter.com/alonfe

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

3 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Apesar da atual crise, não surge minimamente no horizonte força qualquer diferente do capitalismo que está apresentando problemas. O que há é uma pregação por reformas, mas não pela sua extinção. O apelo a tempos idílicos, onde pontificam aspectos como a solidariedade, a comunhão com a natureza etc., colocadas como contrafação a um sistema teoricamente antípoda, faz parte de um discurso que tenta lograr ganhar tempo e apoios, enquanto o que se busca é o aprofundamento do velho capitalismo, talvez com alguma mitigação. Mas é dentro desse capitalismo que se buscará gerar recursos para a exploração de recursos naturais, bem como para sua defesa. Embora pareça haver uma vinculação entre presença maior do Estado como contrafação ao capitalismo, nos EUA, agora na crise, a intervenção, tanto quanto em outras ocasiões em que ocorreu, é capitalista. No Brasil, a presença do Estado também é capitalista: política monetária, dólar flutuante, superávit fiscal, crédito às empresas, estímulo à livre iniciativa, propriedade privada etc. Ao final da crise, tudo ficará mais nítido, se é que não estivesse já muito claro.

terça-feira, 23 de setembro de 2008 13:56:00 BRT  
Blogger deksler disse...

Caro Alon, o meu comentário não tem nada haver com este tópico. Entretanto gostaria de saber o seu ponto de vista sobre ele:
Dias atrás conversando sobre a política local com um amigo que mora em uma cidade pequena, o mesmo me informou um fato relevante. Nesta cidade um certo candidado estava comprando votos ( o que infelizmente não chega a ser algo de assustar), entretanto eu argumentei que hoje em dia as leis garante o voto individual, e que na hora de confirmar o seu voto só estará o cidadão e a máquina, ou seja, ele poderia votar como quisesse (veja que eu escrevi poderia). Mas para minha surpresa o meu amigo me respondeu " não seja bobo, hoje em dia como quase todos os celulares tem câmera fotográfico, após a pessoa confirmar o voto, ela simplesmente tira uma foto, mostra para um dos cabos eleitorais e recebe a grana. A partir dai eu pensei se não existe nenhuma regra que impessa a entrada de celular no momento da votação, isto pode ser facilmente utilizado em outros lugares. Fica aqui o meu questionamento sobre isto, pois nunca li nada sobre esta hipótese em jornais.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008 13:18:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Deksler,

Há inclusive movimentação na Justiça Eleitoral para proibir entrada na cabine com celular.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008 13:21:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home