sexta-feira, 11 de julho de 2008

Interesses especialíssimos (11/07)

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje (11/07) no Correio Braziliense:

Com informação nas mãos e instituições funcionando, a sociedade pode colocar limites à promiscuidade entre o Estado e o capital

Por Alon Feuerwerker
alon.feuerwerker@correioweb.com.br

A expressão “interesses especiais” surgiu nos Estados Unidos para rotular a força motriz dos negócios que puxam os vagões da política. A eleição presidencial deste ano trouxe o tema para o centro da disputa, desde que o então pré-candidato democrata Barack Obama decidiu dar as costas aos interesses especiais e basear sua arrecadação de campanha apenas (ou principalmente) em doações de pequeno valor, feitas por milhões de pessoas pela internet. A maior adversária dele no partido, Hillary Clinton, optou pelo de sempre: abraçou-se aos interesses especiais. Obama colheu os frutos da escolha dele. Hillary também.

O cidadão comum vê com maus olhos o casamento do poder político com o poder econômico. É razoável essa desconfiança. Em teoria, o poder no regime democrático deve estar pulverizado entre os eleitores. No limite utópico do raciocínio formal, o voto do capitão da indústria ou do banqueiro deve ter o mesmo peso que o voto do operário ou do pequeno lavrador. Formalmente isso é verdade, tanto que de vez em quando se elegem os Obamas.

Mas a vida não é tão simples, e o cidadão comum tanto sabe disso que torce o nariz para os interesses especiais. Uma vez eleitos, os governantes são envolvidos pela teia de ambições e negócios que se articulam em torno do Estado, com o Estado e no Estado. Pouco a pouco, o eventual corpo estranho é absorvido pelos tecidos do poder econômico e passa a operar dentro da lógica preexistente. Do contrário será isolado e expelido, com a provável ajuda daquele mesmo cidadão comum que, com justiça, considera-se marginalizado das grandes decisões.

Ou seja, trata-se de uma equação complexa. Sem articular-se com os vetores econômicos dominantes, nenhum governo convencional consegue colocar a economia nos trilhos. Nem gerar bem-estar em doses suficientes para evitar que o cidadão comum seja atraído às ruas — em geral pelos mesmos interesses especiais de sempre— com o objetivo de enquadrar ou até derrubar o governo. Daí que, dialeticamente, a realidade acabe por transformar em algum grau os que de tempos em tempos se dispõem a transformá-la.

Nesse aspecto, a Operação Satiagraha talvez possa prestar um serviço adicional aos costumes políticos brasileiros, se de fato conseguir remover algumas telas que aqui encobrem a relação entre o Estado e os interesses especiais. Cada um que faça o seu próprio juízo dos acontecimentos, mas que se preserve o essencial: a população tem o direito de conhecer na plenitude como se articulam os vetores privados e públicos no Brasil. Até porque a transparência é uma das poucas defesas da sociedade contra a tendência de que os interesses especiais se transformem em especialíssimos.

Nada há de errado em as empresas e os empresários lutarem pelos seus objetivos junto aos governos. Desde que, naturalmente, nos moldes da lei. Empresários existem para fazer bons negócios. E eventuais crimes de uns não devem ser motivo para que se demonize o conjunto. Tudo isso é fato. Mas é também verdade que, assim como nos Estados Unidos, amadurecem aqui as condições para que interesses especiais aparentemente eternos e inatingíveis sejam colocados em xeque por meio da pressão democrática dos cidadãos.

Não que se devam esperar grandes mudanças por conta disso. Desde que foi ungido candidato democrata, Barack Obama teve que adocicar e diluir o discurso. E o bom governo de Luiz Inácio Lula da Silva não é propriamente um exemplo de ruptura com o statu quo. O importante, entretanto, é que se preserve o mecanismo. Com informação nas mãos e instituições funcionando, a sociedade pode colocar limites à promiscuidade entre o Estado e o capital.

A palavra-chave é informação. Numa democracia, o papel dos jornalistas é fazer circular o máximo de informação relevante possível. Já o das autoridades responsáveis por dados sigilosos é evitar que jornalistas tenham acesso a eles. Banco não faz pãozinho e padaria não vende fiado. Simples assim.


http://twitter.com/alonfe

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

5 Comentários:

Anonymous Marcos disse...

O problema é esse: informação!
As informações hoje tem que ser filtradas. E muito bem filtradas.
Jornalista mafioso sempre houve, mas na quantidade e na importância dos dias de hoje eu nunca vi.

sexta-feira, 11 de julho de 2008 15:41:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Sobre o Obama e suas "convicções", é sempre bom lembrar que nunca ninguém perdeu dinheiro por subestimar a inteligência do povo.

sexta-feira, 11 de julho de 2008 22:30:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O que sobra é só o campeonato de prende e solta. De todo modo, se o objetivo era acabar de vez com a credibilidade das instituições, sob o verniz de combater privilégios e falcatruas, todo o feito foi coberto de pleno êxito. Mais uma vez terra arrasada.

sábado, 12 de julho de 2008 12:01:00 BRT  
Anonymous trovinho disse...

Será que a República suportará uma operação Mãos Limpas? Quantos congressistas estão na barca do DD?
Muita força, querido PT!

sábado, 12 de julho de 2008 14:54:00 BRT  
Blogger tunico disse...

Perfeito o seu artigo. Equilibrado, coerente. Assisto sempre suas intervenções no programa da Cristiana Lobo do Globo News e admiro sua ponderação, apesar das más línguas dizerem que você tem como convicção pessoal as idéias petistas originais(não as atuais)e portanto poderia ser parcial. Como cidadão comum, também acho que a relação Estado-capital deve existir mas deve ter limites para que não se torne absolutamente promíscua ou incestuosa. E estes limites são possíveis desde que haja transparência na relação.
Mas me permita um pequeno reparo ao seu texto. Num determinado trecho, você escreve: "E o bom governo de Luiz Inácio Lula da Silva não é propriamente um exemplo de ruptura com o status quo". Aí creio ter havido um ato falho ao acrescentar o adjetivo "bom" para mim, totalmente desnecessário. A frase sem este adjetivo manteria o contexto perfeito e equilibrado.

Cordiais saudações

domingo, 13 de julho de 2008 10:42:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home