terça-feira, 6 de maio de 2008

Arrogância imperial (06/05)

Querem um exemplo de arrogância imperial na imprensa? Vale ler o editorial da The Economist sobre a reação chinesa às pressões do Ocidente pela secessão do Tibete:

Angry China

May 1st 2008

The recent glimpses of a snarling China should scare the country's government as much as the world

CHINA is in a frightening mood. The sight of thousands of Chinese people waving xenophobic fists suggests that a country on its way to becoming a superpower may turn out to be a more dangerous force than optimists had hoped. But it isn't just foreigners who should be worried by these scenes: the Chinese government, which has encouraged this outburst of nationalism, should also be afraid. (Continua...)


Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

3 Comentários:

Blogger Rafael Kafka disse...

Lembra que o Lula na campanha afirmou que quem lia a Economist era "colonizado" seja lá que diabo isso seja ehehe?

Não perco uma edição, pode não ser perfeita mas é um verdadeiro passeio pelas questões do mundo inteiro!

terça-feira, 6 de maio de 2008 20:45:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, como bom comuna que é, deve estar adorando a reação chinesa....

sexta-feira, 9 de maio de 2008 09:57:00 BRT  
Blogger Clever Mendes de Oliveira disse...

Alon Feuerwerker,
Creio que o comentário que fiz para texto "A equivocada raiva olímpica dos jovens pró-China" de Caio Blinder, no mesmo dia em que ele postou o dele - dia 05 de maio às 07:48 horas, está em sintonia com o que você se refere como sendo a "arrogância imperial da imprensa". Assim reproduzo o meu comentário a seguir:
"Caio Blinder, Nada pior para o capital internacional do que essas manifestações de xenofobia. E pior quando essas manifestações acontecem em um país em que eles estão doidos para investir. Estão doidos independentemente de eles possuírem uma alta ou baixa taxa de riscos. Estão doidos por duas razões, primeiro porque eles estão amparados em uma reserva superior a um trilhão de dólares e segundo - e mais importante e suficiente - porque eles possuem um crescimento superior a 10% ao ano. Só que os chineses, como os japoneses quando fizeram a sua arrancada para o desenvolvimento, não estão nem ai para o capital externo, tratando-o a ferro e fogo. Para vê-los um pouco submisso trataram de utilizar a simpatia mundial pelo Dhalai Lama para amedrontar o regime chinês. Ninguém disse sobre o que é o regime do Dhalai Lama. Só que o feitiço virou contra o feiticeiro. E agora só resta torcer para que o feiticeiro possa tirar uma carta da manga para amedrontar o regime chinês. Isso corresponde ao que você deveria dizer: o feiticeiro volta-se contra o feitiço que se voltou contra ele, em vez de dizer como disse, o feitiço voltou contra o feiticeiro. A menos que você considerasse como primeiro feitiço o esforço Chinês para sediar a Olimpíada. Nesse caso a expressão seria o feiticeiro que reenfeitiçou o feitiço que se voltou contra ele, teve o feitiço reenfeitiçado de novo contra ele. Ia ficar repetitivo, mas era a única forma que lhe salvava de estar tomando o partido da The Economist. Agora, você terá razão se se comprovar que o protesto pelo Tibet foi espontâneo. Pois é evidente que a xenofobia dos jovens chineses foi orquestrada pelo governo chinês. Eles sabem com quem estão lidando. Basta um fogo de artifício para eles saírem correndo. Enquanto o reenfeitiço não vem os chineses estão ganhando e o capital externo só é tratado a pão-de-ló aqui no Brasil, ainda mais que nós conquistamos o IG (Conquistamos o IG! Esta vai pegar, desde que passem para o feminino). Para quem torce pelo capital próprio do país e sabe dos limites e das limitações do capital externo só resta sonhar para que o tratamento dado pelas alfândegas estrangeiras ao turista brasileiro crie aqui xenofobia semelhante a que se criou na China. Assim quem sabe o capital estrangeiro seja visto como acessório dispensável como é visto na China. Se depender do governo brasileiro, entretanto, parece que isso está longe de ocorrer. Lula quer mais é ser o grande herói mundial: quer que falem bem dele à esquerda e à direita. Os chineses são diferentes". "Clever Mendes de Oliveira BH, 05/05/2008"
Os comentários enviados para o blog do Caio vem sem identificação do horário, mas a data é essa mesmo.
Infelizmente, em decorrência da pressa, há na seqüência "Pois é evidente que a xenofobia dos jovens chineses foi orquestrada pelo governo chinês. Eles sabem com quem estão lidando. Basta um fogo de artifício para eles saírem correndo." a profusão de eles criou um equívoco no entendimento do último deles, pois estava me referindo aos capitalistas externos, embora não haja nenhuma referência direta a esses capitalistas para serem substituídos (como foram) pelo pronome eles.
Clever Mendes de Oliveira
BH, 09/05/2008

sábado, 10 de maio de 2008 01:37:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home