quinta-feira, 20 de março de 2008

Um discurso para ouvir, ler e guardar (20/03)



Clique aqui para baixar a íntegra do discurso "A More Perfect Union", feito por Barack Obama há dois dias para enfrentar a maré montante de racismo na eleição americana. Clique na imagem para assistir. É um paradigma de comunicação política na era da informação abundante e globalmente disponível. Obama não foge de seus próprios defeitos e da verdade. E recorre à máxima, imortalizada pelos clássicos da ciência social, de que os oprimidos só podem se libertar se libertarem o conjunto da sociedade. Imperdível.

Clique aqui para votar no Blog do Alon no Prêmio IBEST.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

6 Comentários:

Blogger Rafael Kafka disse...

Se o Reverendo Wirght, pastor de Obama, fosse branco eu imagino do que ele estaria sendo chamado e como a imprensa estadunidense e mundial reagiria.

quinta-feira, 20 de março de 2008 12:55:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Também achei esplêndido. Mas pelo que tenho lido por aí, o conservadorismo americano já começou a reagir. Serão corretas essas pesquisas que agora pontam o McCain ganhando seja da Hillary seja do OBama? Vera Borda

sexta-feira, 21 de março de 2008 01:36:00 BRT  
Blogger Roberto disse...

O cara é bom pra discurso. Isso é indiscutível.
Alon, a idéia de que não existe oportunidade para todos é um dos grandes empecilhos para o Obama. Ele aborda bem isso para mostrar que os pobres brancos não devem encarar os negros como competição nem os latinos. O seu comentário sobre o discurso ficou brilhante.

sexta-feira, 21 de março de 2008 04:58:00 BRT  
Anonymous Marcos disse...

Azenha traduziu o discurso:
http://www.viomundo.com.br/eleicoes-americanas/barack-obama-e-o-racismo-o-sonho-de-alguns-nao-precisa-ser-conquistado-a-custa-do-sonho-dos-diferentes/

sexta-feira, 21 de março de 2008 13:11:00 BRT  
Anonymous Na Prática disse...

O que eu achei mais corajoso foi ele não romper com o reverendo (que é um lunático), argumentando que faz parte da história dele tanto o lado bom quanto o lado ruim da América negra. Essa, aliás, é minha posição com relação a meus professores da esquerda radical: boa parte do que eles falavam era besteira, mas não tenho como agradecer por terem me apresentado à política, ao ideal da igualdade, etc. E se, ao invés de ter estudado e moderado meu discurso, eu tivesse virado um imbecil radical, isso seria só culpa minha.

segunda-feira, 24 de março de 2008 15:26:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Na Prática,

eu acho que ele foi um estúpido. Ele deveria ter chamado o pastor de "aloprado" e ponto final.

segunda-feira, 24 de março de 2008 16:46:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home