terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

O otimismo é o grande eleitor (19/02)

Coluna (Nas entrelinhas) publicada hoje (19/02/2008) no Correio Braziliense.

Lula conseguiu transformar o brasileiro médio num otimista. Nesse cenário, o presidente da República será o principal eleitor em 2010. Mas a oposição não está condenada previamente ao matadouro

Por Alon Feuerwerker
alon.feuerwerker@correioweb.com.br

Como é possível que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva atinja picos de popularidade e aprovação enquanto as simulações de voto apontam liderança folgada dos candidatos da oposição na corrida pela sucessão presidencial em 2010? Esse aparente paradoxo aparece nos números da pesquisa CNT/Sensus, que pode ser conferida em reportagem às páginas 2 e 3 desta edição [do Correio Braziliense].

Há algumas hipóteses imediatas, no terreno do senso comum. Pesquisa a tanto tempo da eleição não diz muita coisa, objetam alguns. É um argumento razoável, ainda que os mesmos que torcem o nariz para a suposta antecedência excessiva fiquem eles próprios de orelha em pé a cada informação sobre intenção de voto para presidente.

Uma segunda linha é que os números refletem mais o recall do que a disposição real de votar neste ou naquele. A memória de eleições passadas certamente tem importância. Mas não explica, por exemplo, o bom desempenho de um político como Aécio Neves — que nunca disputou eleição fora de Minas Gerais e a quem falta presença nacional equivalente à de seus concorrentes pela indicação no PSDB. Aliás, se recall fosse tudo, certamente Geraldo Alckmin apareceria à frente de Aécio na espontânea, e não atrás.

Um terceiro caminho é creditar o desempenho presidencial ao “lulismo”, ao carisma de um presidente supostamente descolado de sua base partidária e cuja influência eleitoral estará limitada por não poder ele próprio concorrer a um novo mandato. “2010 será a primeira eleição sem Lula, desde a volta das diretas para presidente”, repete-se. É verdade. Lula não poderá se candidatar ele próprio daqui a três anos. Mas nada impede que venha a apoiar um “Lula”, alguém que signifique a continuidade das políticas de seu governo.

O fato é que o presidente vai muito bem, obrigado. Depois de anos de polêmicas, já há consenso de que as políticas sociais e a economia respondem estruturalmente pela popularidade de Lula e pela musculatura política dele. A variável a analisar é outra: deseja-se avaliar se, e quanto, ele será capaz de “transferir” musculatura e popularidade a um candidato.

Uma questão da pesquisa divulgada ontem pode contribuir para clarear o caminho da análise. O Sensus quis saber por quanto tempo o entrevistado acha que o Brasil vai continuar a crescer. Quase 61% responderam que o país “não vai parar” de crescer. Uma taxa alta de otimismo, especialmente porque colhida logo depois do intenso noticiário negativo decorrente da crise financeira americana.

Quando abriu seu mandato, em 2003, Lula disse que iria trabalhar para aumentar a auto-estima nacional. Parece que conseguiu. Sob Lula, pelo menos seis em cada 10 brasileiros esbanjam otimismo em relação ao futuro do país. E, se a economia e os programas sociais são o capital presente do governo, esse otimismo é o seu grande capital futuro.

Pois eleições são invariavelmente apostas sobre isso, o futuro. Currículo é pré-requisito, mas não decide. O que amarra o voto é a capacidade de liderança, de encarnar a habilidade e a força necessárias para transformar sonhos em realidade, para alcançar dias melhores. O suadouro que Barack Obama está aplicando em Hillary Clinton deveria servir de lição a esse respeito.

Lula conseguiu transformar o brasileiro médio num otimista. Se o estado de espírito persistir, o presidente da República será o principal eleitor em 2010. Mas isso não significa que a oposição vá necessariamente caminhar para o matadouro. Se ela for inteligente, poderá tentar emplacar um discurso em que estejam conectadas as realizações positivas do governo do PT e a necessidade de renovação política, sem grandes rupturas.

Até o momento, a aposta da oposição parece residir em outros lugares. Em uma suposta superioridade gerencial e administrativa que só existe na cabeça dos marqueteiros dela. Ou na tentativa de levantar o país numa cruzada moral “contra a roubalheira”, conforme o conselho de Fernando Henrique Cardoso. Os números do Sensus são a enésima evidência de que, por aí, a oposição brasileira caminha mais uma vez para a derrota. Ainda que hoje possa saborear confortáveis — e enganadores — índices de intenção de voto.


Observação: a ilustração foi copiada da primeira página do jornal.

Clique aqui para votar no Blog do Alon no Prêmio IBEST.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

10 Comentários:

Anonymous Johaocarl disse...

"Se a oposição for inteligente [...]"

Como diriam os espartanos, "se".

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 11:07:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Se é que existe alguma aposta da oposição, ela parece caminhar pelo apoio a um terceiro mandato para o atual presidente. Uma oposição de fato não temeria tanto popularidade de 60%, ancorada na figura do presidente. Nos idos de 86/87, o presidente de então atingiu tanto quanto. Em 90 idem. Deu tudo no que deu. E ainda a oposição é chamada de golpista.
Sotho

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 11:15:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon , não creio que Lula
transformou o brasileiro em
otimista ; estamos sim anestesiados
e conformados com a miséria social
e política .
A recuperação da economia não foi
obra do governo petista , ela se
manteve à custa de muito trabalho
da iniciativa privada.
A popularidade de Lula se deve a
2 fatores principais : sua
lábia e carisma junto aos mais pobres ,bem como desinformação e
falta de consciência política ,na
maioria do povo.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 13:05:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon , não creio que Lula
transformou o brasileiro em
otimista ; estamos sim anestesiados
e conformados com a miséria social
e política .
A recuperação da economia não foi
obra do governo petista , ela se
manteve à custa de muito trabalho
da iniciativa privada.
A popularidade de Lula se deve a
2 fatores principais : sua
lábia e carisma junto aos mais pobres ,bem como desinformação e
falta de consciência política ,na
maioria do povo.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 13:05:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Sua Excelência, Presidente da Republica Federativa do Brasil, Senhor Lula da Silva não fez absolutamente nada para que estejamos vivendo esse momento bom da economia Brasileira, tudo se deve ao aquecimento do mercado externo / exportações e da continuidade da política austera / ortodoxa do Banco Central. Não fora isso, estaríamos comendo o pão que o diabo amassou. Espero que Lula continue assim, sem fazer nada pois só iria atrapalhar. E olha que temos muito a fazer neste Pais. Estamos parados no tempo e no espaço. Macros problemas não estão sendo enxergados, objetivados para soluções de médio e longo prazo. Apenas os problemas de curto prazo e que estão em pautas do Governo, assim o disse, afirmou, a Ministra Dilma. Isso e cometimento de pecado capital.
Sabemos que qualquer fabriqueta de fundo de quintal tem seu planejamento de curto, médio e longo prazos. Mas, fazer o que, isso e o Brasil ptpmdb!!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 17:35:00 BRT  
Anonymous Fernando disse...

A diferença entre os resultados das pesquisas sobre a popularidade do Presidente e a intenção de voto para a próxima eleição tem uma razão simples. A pesquisa sobre o desempenho do presidente reflete a percepção do eleitor sobre o passado e o presente e a pesquisa sobre a eleição reflete o que o eleitor pensa ser melhor para seu futuro.
O fato é que, com exceção dos envolvidos, a maior parte dos eleitores não orienta seu voto com base no fla/flu Psdb/Pt que tomou conta da política nos últimos anos.
O eleitor vota naquele que considera mais preparado para governar e ponto.
O PT sofre com a falta de nomes, e não com o descolamento da imagem do presidente e do partido.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 22:02:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Operários são pragmáticos por natureza.Não filosofam,não esperam milagres,não acreditam em promessas,estabelecem suas próprias crenças e por instinto desconfiados.

O desempenho do metalúrgico,lembra,em contraponto, a bravata do sociólogo,assim que assumiu o poder"É fácil governar o Brasil..."-Como vimos,entregou o país arrasado ao seu sucessor,com o símbolo de sua administração,em vias de descrédito:o real. Essa é a história.Versão,contudo,cada um faça a sua.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 01:20:00 BRT  
Anonymous Ruy Acquaviva disse...

A oposição está tentando dizer que Lula teve "sorte", ou então que só os "ignorantes" acham que houve melhoria nas condições de vida da população e na economia, outros ainda dizem que foi "tudo obra do FHC" (deve ser por telepatia, ou telecinese). Ou seja, a oposição aposta na burrice e ignorância da população, achando que as pessoas não percebem a realidade e vão deixar usas opiniões serem "formadas" pelos "formadores de opinião" que eles acham que são... Vão quebrar a cara flagorosamente não somente pelos méritos de Lula, mas também pela sua própria arrogância e incompetência.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 11:11:00 BRT  
Blogger Cesar Cardoso disse...

Falta quanto? Ah, 2 anos e muitos meses pra eleição. Alguém sabe se ainda estaremos por aqui em outubro de 2010? Então...

A questão é simples: o povão vem sentindo melhoras na sua situação financeira, e credita isso a Lula. Simples assim. Cartão corporativo, mensalão, crise moral, enquanto a economia não degringolar podem inventar quantas crises quiserem que Lula não perde. É a economia, estúpido!, e isso se sabe desde muito antes de 1992; me assusta, na verdade, quem ignora esse axioma político.

Agora, Lula não tem candidato construído à sucessão. As alternativas que o PT e o próprio Lula construíram foram dizimadas em 2005/2006. No campo do governismo, o único candidato construído é Ciro Gomes, pelo bloquinho liderado pelo PSB. Mas falta tanto tempo...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 21:13:00 BRT  
Blogger Fernando disse...

Vale ressaltar. Nesse ponto o DEM é o unico partido de oposiçao que esta fazendo o jogo correto. Realmente Ideologico (no bom sentido da palavra). Para eles é normal acabar com a CPMF e qtos mais impostos possiveis. Não é natural para o PSDB derrubar a CPMF destinada 100% para a Saude. O DEM esta ocupando os espaços do PSDB, roubando-lhes eleitores. E qdo é hora de falar à massa, o que eles fazem ? Ignoram o Lula. Ignoram um Governo bem avaliado.(ver http://www.estadao.com.br/nacional/not_nac128543,0.htm) O resto é bravata, o resto são os 25% que NUNCA vao votar no Lula.

É incrivel como tem gente que se ilude nessa luta pelo poder. É incrivel como um partido que já habitou o poder recentemente como o PSDB cai nessa?

O PSDB esta cavando a sua propria cova. Com ajuda do Governo (fazendo coisas certas) e do DEM. Uma pena. Um grande partido progressista. Uma grande força social-democrata.

Pior é que acho que o PT vai fazer a mesma coisa qdo sair do poder.

Se existe chance da oposição voltar ao poder é com o DEM. Ou um PMDB vitaminado de Aecio e o bloquinho do Ciro/Aldo.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008 22:50:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home