terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Para que serve o PT? (18/12)

Chega de CPMF. Para encerrar, um registro. O que fez o PT para evitar que a oposição derrubasse a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira? Nada. Como diz um amigo, enquanto o PSDB e o Democratas cuidavam de subtrair R$ 40 bi da Saúde e dos programas sociais do governo o PT debatia a divisão dos cargos do diretório de Carapicuíba entre as tendências do partido. Para que mesmo serve o PT?

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

28 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Talvez o Pt estivesse inibido por ele próprio ter adotado no passado essa posição anti-social.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 11:09:00 BRST  
Anonymous S Leo disse...

Ora, querido Alon, tTalvez o PTacredite quando o presidente Lula fala que o fim da CPMF não afetará os programas sociais...

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 11:21:00 BRST  
Anonymous Chavo del Ocho disse...

Alon, essa é a praga do sindicalismo e da estrutura partidária petista. Ela é muito mais rentável - isso mesmo dá mais grana - do que cargos no governo. Não importa a derrota na CPMF para o petista de Osasco, mas sim garantir o poder no diretório.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 11:50:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Dessa vez eu não entendi, Alon. Esse seu comentário vai ao desencontro de tudo o que você escreveu sobre o episódio CPMF.
Como o PT deveria ter agido ANTES da votação? Com a sutileza de um Rinoceronte, ocupando todos os espaços na mídia para "faturar" a vitória (que não houve) da CPMF?
Os acordos políticos que foram tentados com o PSDB foi justamente para dar créditos à oposição em políticas de saúde "exigindo" o corte de impostos em outros setores como na folha de pagamento.
Da forma como a coisa foi feita, com Ministros cortejando o Congresso e os governadores, a imprensa já chamou o governo e o PT de arrogante (o comportamento da oposição é o que, então?).
Se o PT tivesse entrado em campo, ficando com todos os holofotes sobre o assunto, é óbvio que já seria uma negociação natimorta.
Ah... a base governista:
As motivações de Cesar Borges e Romeu Tuma, foram salvar seu próprio mandato. Negociaram votar contar a CPMF em troca do DEM não exigir seus mandatos de vota por infidelidade partidária, segundo se noticia.
Chamar Jarbas Vasconcelos e Mão Santa de base governista só por serem do PMDB, é a maior piada que tenho lido ultimamente, pela nossa "isenta" imprensa.
O Expedito Jr, segundo se noticia, exigia para votar a CPMF, um trem da alegria através de uma medida provisória transferindo 16 mil servidores do antigo Território de Rondônia para a União (que bela política de cortes de custos!!), que Mantega disse ser impossível. Outro pleito do senador de Rondônia era rever as dívidas (leia-se anistiar o grosso da dívida) do BERON (Banco do Estado de Rondônia), também recusada pelo governo, pois o precedente abriria as portas para casos semelhantes em todos os Estados. Como se vê, nesse caso, o governo agiu republicanamente.
Aliás, Yeda Crusius, precisou e conseguiu receber o aval do Governo Federal para financiamento de US$ 1 bilhão do Banco Mundial, isso depois da votação da CPMF, uma atitude republicana, que vai em desencontro com os interesses eleitorais do PT nas eleições de 2008 em Porto Alegre.
Tivesse a CPMF sido prorrogada, e fosse Yeda uma governadora da Base Governista, a imprensa iria "denunciar" o fato como uma espécie de "mensalão", balcão de negócios e coisas do gênero.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 12:20:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Não seja injusto, Alon. Os senadores do PT discursaram a favor da CPMF e votaram a seu favor. Eles, antes da sessão, articularam com Pedro Simon a aparesentação de uma proposta de adiamento da votação, rejeitada pelos líderes. O sen. Sibá Machado defendeu com veemência tanto a CPMF, quanto a DRU. A sen. Ideli tb.
Sds.,
de Marcelo

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 14:01:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

José Augusto,

Defender posições e querer os louros da vitória só para si são duas coisas bem diferentes. O PT não moveu uma palha para, por exemplo, mobilizar o setor saúde, no qual o partido tem influência. Não fez uma campanha pública de esclarecimento sobre para onde vai o dinheiro da CPMF. Não deu, em suma, um discurso para os que desejavam votar com o governo. O PT ajudou, indiretamente, a oposição a carimbar os dissidentes do campo dela como meramente fisiológicos. Até o Pedro Simon chegou a ser acusado disso pelo Virgílio. O Alon está certo. Nesta, o PT capitulou na preliminar. Rendeu-se no vestiário. Nem chegou a entrar em campo.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 14:21:00 BRST  
Anonymous El Chavo del Ocho disse...

Aos animados participantes do debate: a questão principal não é saber se o resultado da votação seria diferente. Acredito que não. O que Alon apresentou foi que o PT está imerso na eleição partidária e, nada fez para politizar a votação da CPMF. Afinal, na dura realidade dos tempos é melhor garantir o diretório de Guarulhos para a tendência do que perder tempo com discussão confusa e desgastante como CPMF. Estou solidário com a militância petista, não é fácil mudar de idéia o tempo todo, melhor é garantir o espaço no partido.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 14:44:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Caro Anônimo,
Durante as negociações da CPMF, não viu que houve uma caravana de ministros das áreas econômicas, social e da saúde visitando o Congresso (Mantega, Paulo Bernardo, Patrus Ananias, Temporão, e até ex-ministros como Adib Jatene) e explicando tudo isso que você diz que não havia sido explicado?

A própria emenda 29 foi negociada durante esse período. O PAC da Saúde foi lançado durante esse período.

O Palocci articulou o tempo todo nos bastidores com o PSDB. Tem dúvidas? Leia o que diz o oposicionista (a Lula) Jornal Gaúcho Zero Hora, do grupo RBS, na edição de domingo ( http://www.clicrbs.com.br/
zerohora/jsp/
default2.jsp?uf=1&local=1
&source=a1709489.xml
&template=3898.dwt&edition=8966
§ion=807 ) - O Senador Pedro Simon citou essa matéria no senado ontem.
Palocci ligou pessoalmente para FHC, descreve o Zero Hora.
Deputados da Frente Parlamentar para a Saúde, como Darcísio Perondi (PMDB), ligaram até para Alckmin:
- O senhor é médico como eu e sabe da importância da CPMF.
Alckmin respondeu:
- Com a CPMF, Lula fica 20 anos no poder.
Os Tucanos se tem convicção no que votaram, devem comemorar os louros de sua vitória e apresentarem-se aos eleitores como os heróis dos pagadores de impostos que derrubaram a CPMF. Não ficarem se justificando ou procurando bodes expiatórios no PT.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 15:48:00 BRST  
Anonymous Pablo disse...

Talvez porque até mesmo o pessoal do PT saiba que imposto não tem carimbo e saiba também que mesmo com o término da CPMF o governo deixará de ter dinheiro (muito dinheiro) para investir no que quiser.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 15:58:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

E os veementes discursos do sen Sibá? E as articulações da sen. Ideli? Não contam nada? Agora vão dizer que o PT perdeu porque quis.
Tudo bem que, se Sibá continuasse a discursar, o governo perderia também a DRU. E que a sen. Ideli foi quem desmontou o argumento do Pedro Simon, ao dizer que as propostas do Lula não eram novas, mas já estavam sendo discutidas na casa... Mas que eles queriam defender a CPMF, queriam.
O PT da Saúde não entrou na briga porque o din-din da CPMF abastece mais os bancos que os hospitais. E eles sabem disso. (Ou estão confortáveis demais nos seus carguinhos oficiais em comissão para ir se meter com o senado).
Sds.,
de Marcelo.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 16:12:00 BRST  
Blogger Kleyn disse...

Alon, os R$40 bilhões, 0,35% de % vêzes o nosso PIB, foi devolvido à sociedade, não foram jogados fora. Perfeitamente recuperáveis com gestão e competência.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 16:30:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Apenas para terminar de discordar deste post, eu não acho nem um pouco irrelevante a organização partidária local (municipal). Principalmente às vésperas das eleições municipais de 2008.
São nas prefeituras e câmaras de vereadores que ocorrem o que há de pior em termos de mal uso do dinheiro público, CPMF ou não.
Um pouco mais de "curiosidade" da imprensa sobre o que ocorre além das paredes da praça dos 3 poderes, teria uma ação transformadora no Brasil, e o cidadão não está tão longe do prefeito e vereador como está da praça dos 3 poderes.
E tenho dificuldade em entender porque só pensam em 2010 quando existe 2008 no caminho. Será que o DEM já rifou Kassab dando-o como caso perdido?
Parecem ter feito isso com Serra e Aécio para 2010. Dado o desinteresse pelos anseios do eleitorado, e na falta de nomes, onde estarão querendo chegar? Às portas dos quartéis?

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 17:52:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

Concordo com o comentarista anônimo "Sds., de Marcelo".

Se você me permitir, acrescento ao comentário do Maracelo um outro, o que deixei no post "Arrastado para o pântano, para uma agenda que ninguém defendeu", porque penso que ele é também uma resposta para a pergunta "Para que serve o PT?" e também para a pergunta "para o que serve o PSDB?"


Vou ser bastante objetivo sobre o que penso.

1. Lula e o PT são os queridinhos de Busch e dos intelectuais orgânicos a serviço do capital financeiro.

Lembro do Olavo Setúbal dizendo que para ele a disputa entre Alckmin ou Lula era indiferente para a FEBRABAN. O importante sempre foi que os bancos continuassem a apresentar ótimos balanços no final do ano. Lula (PT) e Alckmin (PSDB) nunca discordaram do Setúbal. Ao contrário, a isso eles (PT e PSDB) chamam realismo político, elevado pelos intelectuais orgânicos (PT e PSDB) à condição de dogma, ou seja, direito sagrado do capital financeiro.

2. O 3º mandato de Lula seria perfeitamente consentido pelo governo americano e pelo capital financeiro e pelo poder econômico brasileiro. Não se mexe em time que está ganhando, diz o realismo político desses interesses.

Um arranjo nesse sentido vinha sendo encaminhado nos bastidores da política por importantes políticos do PT e do PSDB, com vistas a uma aglutinação dessas forças partidárias no grande pântano da fisiologia (super centrão). Toparam com duas enormes e intransponíveis pedras nesse caminho: a pesquisa dos 65% contra o 3º mandato e a derrota do Chávez.

3. O governo Lula (1º e 2º governos) nunca confrontou verdadeiramente os interesses do governo americano, do capital financeiro e do poder econômico no Brasil. Ao contrário, apresentou-se como gestor confiável desses interesses. Tudo isso, claro, muito bem embalado pelos seus intelectuais orgânicos com o vistoso papel da "governabilidade" e do projeto "estratégico" (qual?) do PT. No discurso das esquerdas que se digladiam por posições de poder no PT e por disputas de cargos ($$$) públicos e estatais, isso cresce que nem mato. Mas é só "bela" retórica entre "belas" retóricas.

Essa é a minha visão realista da política partidária da esquerda brasileira (PT e PSDB).

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 18:38:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Pelos comentários oposicionistas daqui devo deduzir que aquela história dos petistas só se interessarem por cargos e dinheiro, era só brincadeirinha pré-eleitoral.
Afinal, se realmente dependessem do dinheiro da CPMF para manter seus cargos, não fariam "corpo-mole" como está sendo sugerido aqui.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 18:44:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Pô, o PSDB não foi o grande perdedor de longo prazo nesse episódio da CPMF, junto com o DEM, segundo a sua análise?

Então o PT fez certo. Obrigou os adversários a cometer o maior erro político dos últimos anos...

Ou eu entendi errado? É que eu não sou muito bom em dialética. Eu entendo mais de lógica formal.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 22:39:00 BRST  
Anonymous Valdir disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 23:45:00 BRST  
Blogger Pedro disse...

Caro Alon, permita-me corrigir pequena inverdade.
A oposição impediu a tentativa de prorrogação do nefasto tributo pelo governo, apenas isto, jamais derrudou-o, isto seria impossível pois por força de lei o tributo acabaria apenas em 31/12/2007.

Pedro M.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 02:41:00 BRST  
Anonymous mafa disse...

Concordo Alon

O PT não concorda com a CPMF. Não fez nada. Aliás votaria contra ela em qualquer governo.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 08:27:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Eu quero ver as pesquisas sobre o que o povo achou do fim da CPMF.

Eu acho que vai dar uns 80% a favor do fim da famigerada contribuição.

Eu tenho a impressão que o Lula encomendou uma pesquisa dessas e já soube do resultado.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 12:24:00 BRST  
Anonymous Peri disse...

Com pessoas do PT de grande tato como: Ideli Salvati, Guido Mantegae Traso Genro negociando com aquela arrogância, fica dificil o governo ganhar alguma coisa. Ah! Ia me esquecendo do presidente falando aquelas asneiras(normal)da oposição. Assim vão perder todas

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 15:01:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

J Augusto você disse "chamar Jarbas Vasconcelos e Mão Santa de base governista só por serem do PMDB, é a maior piada que tenho lido ultimamente, pela nossa "isenta" imprensa".

E se o PMDB fechasse questão como fez o DEM, PSDB, PDT e outros?

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 16:40:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

Você disse: "Como diz um amigo, enquanto o PSDB e o Democratas cuidavam de subtrair R$ 40 bi da Saúde e dos programas sociais do governo o PT debatia a divisão dos cargos do diretório de Carapicuíba entre as tendências do partido".

É mais uma resposta para mostrar que a CPMF não ía para a Saúde e programas sociais.

"Vamos privatizar a PeTrobras!", uma novo suposto PAC do governo. O PT adiava suas eleições para 2010. Ou será que não? Quem sabe os "cargos do diretório de Carapicuíba" continuassem importantes. Já ouvi alguém dizer no passado que o PT era o partido da "boquinha"...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 16:52:00 BRST  
Anonymous Artur Araujo disse...

Carapicuíba, Alon?! Se bem me lembro era Boiçucanga a bola da vez. O de Carapicuíba, por bem maior, deve ter sido loteado antes, talvez durante a formação do segundo ministério...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 17:18:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Concordo com o comentário do anônimo das 14h21min00s. Totalmente.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 19:16:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Caro Júlio Neves,
Você razão quanto ao SE o PMDB fechasse questão os votos de Jarbas Vasconcelos e Mão Santa não seriam contra a CPMF.
Porém dariam 47 votos, continuaria faltando 2 votos para 49, não é isso?
E se fechasse questão encerraria o diálogo com a oposição.
Os votos de Tuma e César Borges não contam porque eram votos sequestrados. Eles ficaram reféns da fidelidade partidária.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007 00:23:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Essa história do "PSDB do T" e "PT do P", já rendeu o que tinha de render. O próprio Lula já mostrou que não precisa do PT. O PT sabe disso e voltou a mobilizar as tais bases sociais. E Lula também já percebeu isso: está até chamando Serra de companheiro, que para ele é mais do que irmão. Daqui a pouco FHC será o irmão univitelino.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007 13:07:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

Caro J Augusto, faltou um voto na sua conta. O voto do senador Geraldo Mesquita (PMDB-AC). Então chegou em 48.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007 18:50:00 BRST  
Anonymous Jura disse...

Alô, Alon!

Será que o PT estava só empenhado com a eleição nos diretórios ou estava mais preocupado com o "fund-raising" do ano que vem?

Sacumé, os empresários sempre podiam alegar que já tinham dado tudo pra CPMF...

Abraços,

Jura

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007 11:41:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home