quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Deixem o PSDB em paz na oposição (13/12)

Foi pedagógico assistir ao desfecho da sessão do Senado que nesta madrugada derrubou a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Quanto mais o governo se aproximava das exigências do PSDB para apoiar a prorrogação da CPMF, mais os tucanos radicalizavam contra o governo. Comportavam-se como se o Planalto, ao aceitar as condições impostas por eles, estivesse na verdade tentando roubar-lhes uma vitória política (leiam o post anterior). O PSDB obteve sim uma vitória parlamentar. E ficou bem, junto ao pessoal que acha que os impostos no Brasil são um problema, que o melhor seria deixar o dinheiro no bolso do cidadão para ele próprio decidir o que fazer com os recursos. Em compensação, o PSDB rompeu alguns vasos comunicantes que tinha com o pedaço da sociedade que pensa diferente. Que é a maioria. E que vê nos impostos e taxas arrecadados pelo estado um mecanismo para redistribuir renda, para fazer políticas sociais e de investimento em serviços públicos. Claro que esse caminho do PSDB tem volta. Os tucanos podem dar uma guinada em 2010 lançando um candidato (Aécio Neves ou José Serra) que se comprometa a desfazer o que o partido fez nesta madrugada. Que escreva a versão tucana da "Carta aos Brasileiros". Ou seja, que prometa remontar o mecanismo institucional a duras penas construído pela sociedade brasileira para ajudar a financiar a saúde pública. Mecanismo agora destruído pelo PSDB. É bizarro que a luta interna no PSDB tenha chegado a esse ponto. Para tentar criar dificuldades a Luiz Inácio Lula da Silva (assim, talvez, o governo anterior se saia menos pior na comparação com o atual) e para derrotar os próprios governadores e presidenciáveis tucanos, os senadores do PSDB desconstruíram uma obra institucional coletiva de décadas, que começou com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) na Assembléia Constituinte. E que prosseguiu com a inscrição, na Carta Magna, de uma fonte blindada de recursos para sustentar o sistema. Claro que, colhido o triunfo, os senadores do PSDB poderão dizer agora que estão prontos para a negociação. É mais ou menos como um exército que bombardeia uma vila até os alicerces para dar uma lição à população civil e depois se oferece para reerguê-la, sob o seu diktat. A prudência recomenda que essa oferta do PSDB, se vier, seja rejeitada pelo governo. Vocês sabem que eu estou longe de ser um radical nas coisas da política do dia a dia. Nunca se deve perder de vista o realismo e a análise fria dos fatos. O que dizem os fatos? Que toda vez que o governo se dispõe a negociar com o PSDB o partido (ou pelo menos quem de fato o comanda, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) reage como se o governo estivesse tentanto impedi-lo de fazer oposição. Deixem o PSDB em paz na oposição. Não lhe peçam o que ele não pode dar. Lembro de como o PT fazia oposição ao governo FHC. Era igualzinho. Toda vez que surgia a conversa de o PT ajudar o governo em algo que doutrinariamente era do interesse do PT o partido reagia radicalizando. Como se estivessem tentanto emasculá-lo de seu projeto de poder. Deixem o PSDB em paz, repito, com o seu projeto de poder. Tratem-no como oposição. Não o empurrem para situações que beiram à completa irracionalidade. Como quando nesta madrugada os líderes tucanos atacaram a Desvinculação de Receitas da União (DRU) por supostamente ser um dinheiro que o governo dá para os banqueiros. Bem ela, a DRU, que o PSDB criou para ajudar a estabilizar a economia brasileira e garantir a remuneração não dos banqueiros, mas das pessoas comuns que emprestam dinheiro ao governo por meio dos bancos. Por favor. Em respeito ao PSDB, não o obriguem a repetir novamente coisas como essa nos microfones do parlamento. O PSDB, pelos serviços prestados ao Brasil, não merece isso.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

63 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

O problema de se intitular pensador é achar que consegue, de forma simplória, prever como pensam as outras pessoas. Você acredita mesmo que a maioria sabe que os impostos são arrecadados, e que o governo o re-distribui de maneira mais uniforme? Você, que parece pertencer a minoria, acredita mesmo que o governo o faça? A maioria, se comporta como um grande gigante? Ou existe uma parcela da maioria que discora da própria maioria? E sendo assim deixaria de ser maioria? O povo não é massa de manobra, mas aqueles que juram combater a favor deste, sempre pensam no povo como tal. E viva a esquerda!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 10:22:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

A derrota foi do governo que tem 53 ssenadores na sua base, não jogue para a oposição, em qualquer lugar do mundo oposição é oposição! Que maioria da população é essa que vc afirma que defende os impostos? Só se for no país da fantasia! Meu caro Alon, seus cometários geralmente são bons, mas hoje vc agiu com o fígado, como torcedor da geral e não como analista.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 10:30:00 BRST  
Anonymous Cfe disse...

"os senadores do PSDB desconstruíram uma obra institucional coletiva de décadas, que começou com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) na Assembléia Constituinte"

?!?!?!

"Lembro de como o PT fazia oposição ao governo FHC. Era igualzinho."

Antes fosse...

No início do governo Lula o PSDB foi um partido muito cooperante, muito mais do que o PT no governo Lula.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 10:34:00 BRST  
Anonymous joao disse...

meu amigo,dizer que a maioria aprova impostos.... de qual planeta vc veio????

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 10:39:00 BRST  
Anonymous Tinho disse...

Caro amigo, seu comentário carece de uma visão do passado. Afinal, o que o PSDB está fazendo com o Lulla (que quer ser Lullla) é justamente o mesmo que recebeu dele, ou seja: oposição cega - quanto pior melhor. Quem construiu esse modelo de oposição, foi o Lula, meu caro. Então não procede seu comentário relativamente parcial. Ou vc acha que exista algum partido que vá mandar flores em resposta a bala de armamentos pesados mandados do outro lado ? Ademais, existe por parte do presidente um comportamento raivoso junto a oposição, tentando jogá-los contra a opinião pública. Então, o que ele vai receber dela (oposição)? É necessário, num regime democrático, que o governo mantenha uma boa relação com a oposição e não tente humilhá-la ou desmerecê-la. Lembre-se que, até agora, o Lulla cisma de fazer comparação entre o governo dele e o anterior. Falta de visão política do Lulla. Ele já estava no poder, mas queria eliminar o PSDB do quadro político. Não vou me alongar, mas espero que haja uma reflexão de sua parte quanto a isso. Não sei suas preferências políticas, mas eu sou apenas um acompanhador de notícias, totalmente independente. Não me deixo por nada, nem por ninguém. Um forte abraço.
Tinho - Niterói-RJ

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 10:40:00 BRST  
Blogger Apogi disse...

Lendo tua coluna lembrei de uma foto, saída de fábrica, o Lula e o Fernando Henrique distribuido pamfletos. Ora será que não haveria uma pauta comum entre estes líderes, algo maior que picuinhas politicas para uní-los, o País agradeceria. Enquanto isso os comensais do estado brasileiro vão cavando seus espaços. Quem sabe uma proposta para uma reforma política já seria um começo.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:02:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Parabens pela sensatez... Rara hoje em dia.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:05:00 BRST  
Blogger eu disse...

Primeiro, avisem o Pessoal do PT e do PMDB que eles ja estão a 5 anos anos no Governo, pois continuam so colocando a culpa de suas incopetencias nos outros, esta na hora de serem mais humildes e aceitarem seus proprios erros ah outra coisa se a CPMF era para saude e ela ja anda assim um caos imagina sem a verba e sem a copetencia de quem esta no governo, pois administrar com dinheiro ate eu faço e quando candidataram se ao cargo ja deveriam prever, mas não so foram informados depois de 5 anos de mandatos.Ah outro coiisa se o imposto era mesmo um bem por que não lutaram para que ficasse permanente e não com o fim marcado para o proximo governo que assumira o lugar Sr Presidente, que espero não seja outro Sindicalista pois pessoas assim so trabalham com dinheiro dos outros não sabe o que suar para ganhar o seu proprio salario e ter que pagar um plano de saude para poder ter consultas mais dignas neste Pais.Outra coisa Senador Pedro Simon que decepção ao assistir vs ex., tentar fazer manobra para adiar aquilo que seu partido ajudou a construir ou seja nada pois a Saude esta bem obrigado do Iapoqui ao Chui.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:06:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Eu sempre votei no candidato relegando o partido ao segundo plano. Tanto que quando votei no Lula, votei em otros canditados que não eram do seu partido para Deputados Federal e Estadual. A partir de hoje nunca mais votarei em candidatos que pertençam ou perteceram ao PFL hoje disfarçados de DEM e do PSDB. Não pensam no Brasil e sim nos interêsses escusos deles e de certo grupelhos que pregam uma coisa e praticam outra. Atitudes de descompromisso maior com o Brasil.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:06:00 BRST  
Anonymous Eduardo Garcia disse...

Esse texto tá com cara de Petista que não aceita a derrota... OPOSIÇÂO É OPOSIÇÂO !!!! E acabou...

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:09:00 BRST  
Anonymous Jotapê disse...

A oposição se afasta, a cada dia, do Brasil real.
Depois, não sabe porque perde eleições.
O povo sabe.

Jotapê

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:09:00 BRST  
Anonymous José Augusto disse...

O PSDB começou a acabar ontem. Será um processo gradual, afinal o partido ainda tem um bom quinhão no Horário Eleitoral Gratuíto, no fundo partidário, círculo relacionamento com o poder econômico da FEBRABAN e da FIESP (os verdadeiros vencedores da extinção da CPMF), e estruturação capilar nacional. Mas acontecerá, é questão de tempo, assim como aconteceu com o antigo PDS (sucessor da ARENA), ex-detentores do poder. O motivo é simples: o futuro do partido será a fragmentação, com a saída dos setores que detém votos. Há a corrente dos discípulos de FHC, corrente neo-liberal e ligada ao mercado financeiro e ao conservadorismo empresarial (alguém do PT, não sei o nome, disse que o PSDB tornou-se o Demo do B), que a maioria dos Brasileiros rejeita, tanto quanto os russos rejeitam os discípulos de Boris Yeltsin, dando reiteradas vitórias a Putin. Esses seguidores desta facção neoliberal deverão permanecer no tucanato até o apagar das luzes.
As lideranças do PSDB mais promissoras, ainda social-democratas, que vislumbram futuro político quererão descolarem-se dessa imagem neoliberal. Não há futuro político no Brasil para quem não abraçar o legado do pagamento da dívida social acumulada pelos séculos anteriores, que está sendo paga pelo governo Lula aos mais pobres, através da redistribuição de renda, e da espiral positiva que essa política trouxe. As classes produtivas mais abastadas já começam a perceber benefícios desta política. Empresários da construção civil tornaram-se Lulistas desde criancinhas. Fabricantes de computadores também. Esse processo de distribuição de renda é irreversível. Mesmo a classe média sabe que mais importante do que reduzir migalhas nos impostos, é aplicar bem o dinheiro, na redução da pobreza, na erradicação de favelas, na boa remuneração de professores, policiais e profissionais de saúde para termos educação, segurança e saúde de qualidade, na geração de empregos.
Só falta alguém com mais ímpeto no PSDB para abrir uma dissidência, que culmine ou com a retomada social democrata do partido (a única salvação, mas pouco provável pelo que se viu ontem), ou com a fundação de um novo partido, da mesma forma que os tucanos surgiram pela dissidência do grupo paulista de Montoro, Covas, FHC e Serra dentro do PMDB de Orestes Quércia.
Na falta de alguma liderança com este ímpeto, haverá mudança gradual e calculista de partido das lideranças mais promissoras antes ou depois de 2010, após a derrota nas urnas que se anuncia.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:11:00 BRST  
Blogger Carlos disse...

O IG é um bom meio de comunicação jornalistica, mas alcançaria a excelencia se permitisse que comentaristas de outras "cores" políticas também aqui se manifestassem. Tem-se a nítida impressão que linha editorial do IG está comprometida em defender Lulla e o PT.
Voce quer dizer, que eu pertenço a "minoria" que quer a redução dos impostos?? rsrsrs O sr. é um fanfarrão!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:16:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon,

Argumentos bons a favor e contra a CPMF existem e forma colocados pelos dois lados.
O fato de que vc torceu pelo continuismo da CPMF que favoreceria ao governo Lula, não tranforma a derrota do mesmo num erro da oposição, muito pelo contrário.
vc está perdendo a coerência e a capacidade de análise. cuidado.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:29:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Concordo plenamento com o Anônimo..
Acho que você, Alon, ainda não percebeu que a MAIORIA esta cansada de tanta mentira; ou voce realmente acreditou naquele comunicado que o Lulla enviou ao Senado na ultima hora???
Ele teve 4 anos pra fazer com que a CPMF servisse à saúde e não o fez e somente na ultima hora ele resolveu isso?? ora faça-me um favor!!!!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:30:00 BRST  
Anonymous Leonardo disse...

Concordo com o comentário do cfe, o PSDB no incio do governo lula era muito cooperante e o que ele escutava?

que todas as mazelas eram culpa da herança maldita, que a carga tributaria era herança maldita, que até a estabilidade economica era herança maldita.

Pois bem, agora foram inteligentes e fizeram que lula se mostrasse a favor de tais heranças, afinal a CPMF junto com a DRU faziam parte da herança.

Agora que caiu a mascara de Lula, espero que ele assuma as responsabilidades e pare de apenas fazer discursos populistas.

A oposição do PT era muito mais burra, o "quanto pior melhor" se aplica mais ao PT do que ao que o PSDB fez até agora enquanto oposição.

Na minha opinião o PT ficou sem credibilidade pois não cumpriu acordos nem com o bispo (o da transposição) e nem os firmados anteriormente com a oposição que se vacinou e nao aceita mais carta a prazo do PT.

Afinal mandar carta ao senado só quando viu que ia perder não é garantia de muita coisa.

Em vez de negociar ficou acusando de sonegador quem é contra, que vao tirar o leite das criancinhas, que não se responsabiliza pela segurança dos brasileiros...

Lhe pergunto se lula e o PT eram sonegadores quando eram contra a CPMF?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:37:00 BRST  
Anonymous José Augusto disse...

Apenas para demarcar a verdade: Lula e o PT quando na oposição apoiaram a criação do Fundo de Combate à Pobreza, proposto por ACM. Lula, inclusive, encontrou-se com ACM na época para negociar o assunto.
O PT apoiou a criação do bolsa-escola federal durante o governo FHC.
Votou a favor da Lei das S/A proposta pelo então ministro de FHC Antonio Kandir.
Votou a favor da mini-reforma tributária de FHC que desonerou as exportações, porque significava mais geração de empregos.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:38:00 BRST  
Anonymous Marilda disse...

Como assim Alon?????

Você ainda é um daqueles raros pensantes que defende o governo do PT? Inacreditável....
A questão da CPMF não se limita a simples arrecadaçaõ de recursos mas sim para onde seriam destinados esses recursos. Seriam para a saúde mesmo? O Governo Lula
tem ainda prá você credibilidade, prá vc apostar nisso? Você compraria um carro da Ideli e do Mercadante? Em tese, a CPMF é um imposto justo. Mas e esse governo, Alon, vc acha que tem sido justo e confiável? Só se for pros amigos do partido. O PSDB não pode ficar em paz. Ele tem que ser OPOSIÇÂO. Coisa que aliás ele não faz a muito tempo.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:47:00 BRST  
Blogger Nehemias disse...

Observações soltas:

1) O governo ainda precisa do PSDB. Ontem, ele aprovou a DRU, em primeiro turno. Vai ter que votar em 2° turno. Sem os tucanos, abraços para a DRU tbém...

2) Oposição é oposição, governo é governo, mas é fato tbém que em vários países, como os EUA, o presidente é de um partido e o congresso é majoritariamente da oposição (ex. Bush 2007/2008, Nixon, Reagan, Clinton...). Levando essa máxima sempre, nenhum republicano teria governado nos anos 60 e 70, e nenhum democrata nos anos 90. Também seria ingovernavel a França de Lionel Jospin (socialista) e Jacques Chirac (neo-gaulista), nos anos 90.
O PSOl pode ser "irresponsável". DEM e PSDB não. Até porque o problema da "ida", e a necessidade da "volta". Quando o DEM e/ou PSDB forem governo, e precisarem de CPMF, DRU, reformas da previdência, talvez o PT se lembre de que é um partido "socialista" e de "esquerda".

3) O governo também abusou do estilo "Zé Dirceu" de ser. Propostas "irrecusáveis" devem ser apresentadas um mês ou duas semanas antes, para haver tempo de repercutir na opinião pública. O governo também queria o que? Governo de coalizão com 14 partidos sabe a base que tem. Anúncio de aumento de gastos, crescimento do bolsa família, novos ministérios... não combinam com quem esta dependendo de emenda constitucional para manter as contas.

4) Por fim, R$ 20 bi da CPMF iriam para a Saude ano que vem. Hj, existem muito poucos hospitais federais... Quase todos são municipais e estaduais... Se o SUS entrar em colapso por falta de recursos é na conta do prefeito e do governador que a"bomba" vai estourar (injustamente, diga-se de passagem)... E no ano de eleição...

"Tudo pode ficar pior... Vc é que tem falta de imaginação"

Nehemias

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:51:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

o pt não teve a coragem de enfrentar os banqueiros; se tivesse transferiria que seja a metade da cpmf para as instituições que mais faturam no pais, desonerando o contribuinte que já vive arcando com a super carga.....isso quer dizer que estão pagando a divida do passado....de estilingue virei vidraça.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 11:56:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Em um país em que aprovam uma lei contra o uso de animais como cobáia, só poderia dar nisso: a elite gorda e ignorante aprovando uma atidude vã de um senado que destrói uma das principais fontes de redistribuição de renda de um país. Quando vocês acordarem para a realidade, já será tarde.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:00:00 BRST  
Blogger Ricardo disse...

Alon,

A CPMF não é sub-produto de nada. Há tempos sabe-se que era usado muito além da Saúde. Portanto, menos. 69% dos brasileiros acham a carga de impostos muito alta. Portanto, sua minoria é a maioria.
Pra piorar, ousa dizer que o PSDB foi igual ao PT na oposição. Se isso fosse verdade, o PSDB deveria ter votado contra a DRU e também ter se tornado uma "metarmofose ambulanta" como Lula. Não foi o que se viu.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:05:00 BRST  
Anonymous Melissa disse...

Você acredita mesmo que o dinheiro da CPMF ia para a saúde?
Com essa montanha de dinheiro, então seria para os hospitais públicos estarem no nível do hospital Albert Einstein.
Achei corretíssimo a oposição ter acabado com a CPMF porque estou cansada de trabalhar para pagar impostos e sustentar gente que não trabalha, aí incluído os petistas e os bolsistas.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:09:00 BRST  
Anonymous Jorge disse...

Se o próprio presidente do IPEA mostrou estudo de quanto é nocivo e injusto este imposto o que esperar da oposição?
E se é para cobrar coerência comecemos pelo Lula Metamorfose Ambulante da Silva.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:10:00 BRST  
Anonymous Rodrigo disse...

Tinho diz besteiras. FHC vivia enxovalhando a oposição, chamando aqueles que a compunham de, entre outras coisas, "neobobos".
O comportamento dos dois presidentes quanto à oposição não difere.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:17:00 BRST  
Anonymous Romualdo Soares de Sousa disse...

Caro Alon, bom dia.

Começarei identificando-me.

- Sou o Romualdo Soares de Sousa Bacharel em Administração de empresas, paraibano de Campina Grande e moro atualmente em Rondônia.

Votei no Lula para presidente porque acreditei que ele mostrava sinceridade em sua vontade de ver o Brasil melhorar e melhorou e estou feliz por ter votado certo. Porém, nunca votei em partidos sempre votei nos candidatos e ao mesmo tempo que votei em Lula para presidente votei também no Ivo Cassol, que é o atual governador de Rondônia e seu partido é o PSDB, também não existiria nenhum problema em votar num candidato do antigo PFL atual DEM, pois, eu priorizava sempre o candidato.

Percebi a algum tempo que eu estava errado em não escolher um partido, e percebi também que o PSDB e DEM não estão preocupados se nós vamos para a PQP se é que me entende. A única preocupação deles é sacanear o governo e retomar o poder a qualquer custo.

Porém, as atitudes deles me serviram para repensar a minha postura em relação a votar em políticos do PSDB e DEM e embora um voto não seja tão significante isoladamente, o meu voto eles perderam, pois, na próxima eleição não votarei em qualquer candidato do DEM ou do PSDB incluindo neste rol, qualquer candidato de partido que faça coligação com os mesmos.

Eles criaram a CPMF com a desculpa de precisarem de dinheiro para investirem na saúde e não investiram. Agora uniram-se para derrubar o imposto com a desculpa que a carga tributária é muito pesada e não precisamos mais deste dinheiro.

Dá pra acreditar? Eu não acredito!!!

Um abraço

Romualdo

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:33:00 BRST  
Anonymous Paulo PR disse...

O PSDB perdeu HOJE as eleições de 2010.Qualquer chace de aproximação com a opinão pública( eu dise pública e não publicada!!!)foi jogada por aguá abaixo.O governo Lula não vai acabar por causa da CPMF, como ele disse "vai absorver" este impacto negativo como já o fez com outros, até piores.O governo está bem , vai contionuar bem e a oposição vai discursar o que ? pra quem ? pra FIESP....O povo Vê!!!! o povo já sabe que está do seu lado.Quem usa o SUS vai saber distinguir quem tirou dinheiro para os seus tratamentos e isso ninguém esquece.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 12:44:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Respeitemos a democracia. O PSDB demonstrou força e unidade, representando o anseio de uma parcela ponderável da sociedade que queria a eliminação desse imposto "provisório". Faltou ao Governo e em especial ao Lula, descer do palanque e negociar com responsabilidade, ao afirmar que quem era contra a CPMF era sonegador.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:01:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Lula perdeu pra FHC e pro alemão de Santa Catarina!

Simples assim!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:04:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

O governo Lula só precisava do Congresso para votar a CPMF. Agora não precisa de mais nada até o fim do governo (a não ser controlar ímpetos golpistas).
A elite econômica ao não querer ceder um único anel para preservar os dedos abriu uma janela de oportunidade, para aplicação de políticas sócio-fiscais mais consistentes.
Agora o governo Lula tem o álibi que precisava para reescalonar a tabela de imposto de renda, elevando as alíquotas para quem tem renda alta, acima de R$ 200 mil anuais, por exemplo, para até 35% em vez de 27,5%, copiando os padrões de países do primeiro mundo , como o próprio EUA.

Tem o álibi para aumentar a tributação sobre o alto lucro dos bancos, medida de alto apelo popular.
E tem até o álibi que precisava para intervir em planos de saúde (um sistema de saúde torpe que tem o defeito de nascença de ser tanto mais lucrativo quanto menos entrega o serviço vendido, ou seja, vende assistência médica, mas se o serviço vendido for muito utilizado, o empreendimento vai à falência, daí, a massa de dinheiro paga pelos segurados em vez de financiar integralmente a infra-estrutura de atendimento, precisa ser restringida no repasse aos médicos e hospitais para o negócio se manter equilibrado e lucrativo).

Outra oportunidade de ouro, é, assim como o governo centralizou o FGTS na CEF alguns anos atrás, tirando dos bancos privados uma portentosa fonte de renda (isso foi antes do governo Lula, só não me lembro qual, acho que ainda no governo Sarney), pode centralizar toda a dívida pública dos fundos de renda fixa, eliminando a intermediação dos bancos. A eliminação do spread entre os juros que os bancos cobram do tesouro nacional e o que pagam aos cotistas, permitiria uma economia pelo tesouro nacional de pelo menos 1%, sem sequer mexer na taxa selic, enquanto os aplicadores nos fundos de renda fixa continuariam com seus rendimentos e liquidez inalterados.

O governo Lula ficou com a faca e o queijo nas mãos, para jogar os demo-tucanos no colo da FEBRABAN e da FIESP de vez, e correr para o abraço com o povo.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:05:00 BRST  
Anonymous F. Arranhaponte disse...

Este discurso demonizador do PSDB no post (destruir o sistema de Saúde no País por causa do fim da CPMF, quando a economia cresce acima de 5% e a arrecadação explode?) é mais uma demonstração de como o PT age, e de por que o PSDB jamais deve ouvir "conselhos" vindos de quem, de fato, gostaria que o partido tucano acabasse ou que, no máximo, se tornasse uma linha auxiliar num projeto nacional-estatizante-populista petista, 100% contrário a tudo o que o PSDB representa.


Nesse post, Alon, você destila (só que com uma elegância muito acima da média petista) todo o ódio ao PSDB e ao FH que caracterizou o PT durante os oito anos de governo tucano.

Os tucanos e demistas tem a minoria dos eleitores brasileiros. Mas é uma minoria que tem uma clara visão de um projeto de modernização capitalista, com um levíssimo verniz liberal na economia, e que é basicamente social-democrata em termos de concepção de Estado. Bem, eu botei o Dem aí porque eles estão no barco, embora nunca ninguém tenha levado muito a sério (nem eu).

A partir da saída do Pallocci, do segundo turno da campanha eleitoral e do segundo mandato, especialmente, Lula rompeu 100% com aquela visão descrita acima. É verdade que a ruptura se deu muito mais no discurso do que na prática, mas, em política e ideologia, o discurso de hoje pode muito bem ser a prática de amanhã.

Lula minou conscientemente o terreno comum. Eu acho até admirável. Se eu quisesse inclinar o pais numa direção estatista e populista, e tivesse apoio da grande maioria da população, eu faria mais ou menos o mesmo: romperia com aliados da modernização capitalista, e mostraria claramente ao que vim.

A única coisa irritante no Lula/PT é que eles minam o terreno comum e querem que o ex-aliado permaneça no campo minado.

A única atitude digna para o PSDB, mesmo que seu eleitorado caia para 5%, é permanecer onde sempre esteve, como partido social-democrata anti-populista e pós-getulista. Ajudar o Lula no momento em que este tenta guinar para um certo esquerdismo populista seria trair o eleitorado tucano. Que é, evidentemente, o que 100% dos analistas políticos simpatizantes do PT gostariam que o PSDB fizesse

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:36:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

o senador josé agripino disse que derrubar a cpmf foi um choque de democraia. devo deduzir que durante o governo de fhc não vivíamos em um estado democrático?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:38:00 BRST  
Anonymous orlapag disse...

Que bons serviços foram prestados pelo PSDB? Entrega das estatais, de graça, é só ver pelos valores que foram "leiloadas" (ou entregues). Muitas, ainda, com dinheiro em caixa. Outras anexado o subsolo brasileiro. É o caso da Vale do Rio Doce, agora apenas Vale. Observem o valor pela qual foi "vendida" e o seu preço atual. Bilhões de diferença. E não se pode dizer que foi a nova gestão que conseguiu a façanha de sua valorização. Basta ver o tabelamento de preços impostos aos produtos que ela vendia e os preços hoje praticados. Na verdade, o tabelamento de preços, por baixa, já fazia parte dos Governos anteriores, especialmente do Pres. Fernando Henrique Cardoso, que foi buscado "na esquerda" (será?) e caiu exatamente no ninho tucano. Paa mim foi coisa arranja, visando lá à frente as chamadas "privatizações". Além da Vale outras tantas: os "acertos" às escondidas (mas nem tanto, vide as gravações telefônicas que vieram à tona, à época, inclusive atingindo diretamente FHC), relativamente a questão da venda das companhias telefônicas (aí de novo deve ser recordado o tabelamento por baixo do valor da assinatura e o valor hoje cobrado, além do próprio custa das ligações), as quais foram "vendidas" a preço de banana. A ajuda aos bancos falidos, tipo Marka e Fonte-Cindam, do presidiário italiano Cacciola. E por aí vai. Então que serviços o PSDB prestou ao país? Alguém que cite. Na votação da CPMF via-se senadores do PSDB dizer que os recursos, da DRU, em especial, se aprovados seriam para pagamento de juros aos banqueiros, o que pelo menos em parte deve ser verdadeiro. Mas a pergunta: quem foi o responsável por deixar o Brasil com uma dívida estratosférica e que absorve quase 200 bilhões em juros? Quem será que foi? Então há uma diferença entre a oposição que o PT fazia no passado em relação à FHC e o que os tucanos fazem hoje. Quem foi que quebrou o país. Alguém se lembra dos juros da SELIC praticados durante do Governo FHC. Quando Lula assumiu "já estavam baixos", na casa dos 30% ao ano. Hoje, na casa dos 11%ao ano. Foi ou não foi uma sangria praticada por quem era o detentor do poder à época? Então gente, para não delongar, quem mesmo prestou bons serviços ao país?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:40:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

O PSDB cometeu um suicídio político. Ao não aceitar a proposta do governo assumiu o ônus político de ser responsabilizado pelas dificuldades passadas, presentes de gestão na área de saúde.
Na hipótese de haver aperto fiscal, também incorrerá nesta conseqüência.
Se não houvesse intransigência radical poderia obter ganho político. Se o governo administrar mau, poderia criticar e caso gerisse bem poderia participar dos dividendos uma vez que teria colaborado.
Por outro lado ao ficar falando de corte de gasto o resultado político-eleitoral é zero, como demonstrou a última campanha presidencial pois dá a impressão ao grande eleitorado de que o partido não tem alternativa convincente de gestão.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:46:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Dinâmico, inteligente e fala a língua da população.

Tudo o que falta aos petistas.

Êta incapacidade do PT em chutar o balde.

Os dois últimos post´s são um exemplo de como o PT deveria tratar e responder à oposição. "Dando porrada."

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:47:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Bom, agora são 13:40 horas do dia 13/12/2007. O PSDB já pensa em renegociação do imposto. Que partido é este? Eles sabem qual é o custo de uma discussão dessas novamente? A quanto tempo isto já vem se arrastando? Sabem realmente qual é o custo para o Estado? Isto é pior que ficar em cima do muro, como já acontecia antes, mas agora pior, optam por um lado e se arrependem. Agora que eles se tocaram que os estados, governados pelos seus "compatriotas", não receberão o repasse do imposto? São esses que governarão o próximo mandato!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:52:00 BRST  
Anonymous Rodrigo disse...

J Augusto, era exatamente o que eu ia dizer. Só espero que o governo Lula tenha inteligência e coragem neste momento e não se apequene.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:54:00 BRST  
Anonymous bezerra da silva disse...

é patética a comparação igualizante do PSDB na oposição com o PT na oposição

a relação do governo Lula com a oposição é MUITO DIFERENTE da relação do governo FHC com a oposição, a correlação de forças está MUITO LONGE de ser a mesma

quem ignora isso está aderindo ao velho discurso de que "político é tudo igual", "tudo é jogo político"

PT e PSDB são partidos com projeto de poder bem diferentes, representam setores muito diferentes da sociedade, antagônicos na maioria dos momentos

agora: essa mensagem "deixem o PSDB em paz" é para quê? o PSDB está se sentindo muito incomodado? não está se sentindo "em paz"? é preciso que o blogueiro o defenda? que faça esse pedido?

esquisito isso, hein... vai entender os interesses que estão em jogo no campo do marketing midiático...

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 13:55:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

Se te servir como consolo, comemere ao menos o ótimo nível dos comentários neste post, seja dos que concordam, seja dos que não concordam com você.

Eu me alinho com os que não concordam.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:01:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

No meu isento ponto de vista, os que não concordam foram mais consistentes nos comentários e deixaram muitas perguntas para os que não concordam responder.

O mês de dezembro nos trouxe duas boas alegrias. Uma veio da Venezuela e a outra veio hoje durante a madrugada.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:08:00 BRST  
Anonymous Astolfo disse...

Você só esqueceu de dizer que o governo lulo-petista perdeu, não por causa do PSDB, mas porque 6 senadores da base não votaram com o guia supremo e todo-poderoso.
Outra coisa: falar que o PSDB destruiu conceito de políticas sociais por causa disso chega a ser ridículo e só mostra como certos "jornalistas" são, na verdade, militantes petistas que se desesperam a cada pancada que o chefinho recebe.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:09:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Parabens ao PSDB e ao DEM. Isso é democracia.
Quero que o governo apresente a prestacao de contas da CPMF no ano de 2006.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:36:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon,
sua devoção ao tipo de estado Robin Hood é comovente. Pena que não é só para os pobres que o dinheiro arrecadado vai. Vide Renan, Gautama, Mendes Jr., bancos nacionais e internacionais, sem falar na cumpanheirada bem fornida de cargos em comissão.
Temos carga tributária sueca, mas recebemos serviços públicos do Sudão.
Sds.,
de Marcelo.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:44:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Caro j augusto:
Se tudo isso que vc citou é tão bom, porque o governo precisava de um "álibi" prá fazer????
Que eu saiba, só um crime exige um álibi, para que o criminoso saia ileso!!!!!
E se a oposição consegue forçar o governo a tomar rumos tão promissores, qual dos dois é realmente o "DEMO"????

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:46:00 BRST  
Anonymous Luiz Lozer disse...

Alon querido

Concordo com você e com o José Augusto, o PSDB deu um tiro de espingarda 12 no pé, o episódio só é comparável em burrice ao piti que o alkimim deu no primeiro debate, que lhe custou as poucas chances de ganhar a eleição.

Parece que ninguém viu a ultima pesquisa do ibope sobre o que a população espera do governo, onde só 21% esperam redução nos impostos.

Meu único medo é o governo não ter habilidade para explorar a burrice e arrogância dos dois adversários.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:47:00 BRST  
Blogger Lucas Iten Teixeira disse...

Cara, discordo em gênero, número e grau da sua opinião.

Vc disse que " Quanto mais o governo se aproximava das exigências do PSDB para apoiar a prorrogação da CPMF, mais os tucanos radicalizavam contra o governo. ". Na verdade, o governo nunca chegou a tais exigências. O que o governo propôs em papel as 46 minutos do segundo tempo era a CPMF 100% para a saúde SÓ EM 2010!, diferente da promessa feita antes.

Vc diz que "os senadores do PSDB desconstruíram uma obra institucional coletiva de décadas, que começou com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) na Assembléia Constituinte. E que prosseguiu com a inscrição, na Carta Magna, de uma fonte blindada de recursos para sustentar o sistema."

POR ACASO A CPMF FOI CRIADA COM A CONSTITUIÇÃO DE 88? NÃO!! Então sua tese está furada. o SUS não vai acabar, isso é jogo de medo do petismo.

Outra coisa: a culpa é tucana? NÃO! Senadores da base aliada votaram contra, e a culpa é tucana?

Vc disse que "Que toda vez que o governo se dispõe a negociar com o PSDB o partido (ou pelo menos quem de fato o comanda, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) reage como se o governo estivesse tentanto impedi-lo de fazer oposição".

MENTIRA DUPLA! Primeiro: quando que o governo estava disposto a negociar de fato, a não ser quando ele viu q ia perder? Quando que o governo negociou antes, em outra lei, nestes 5 anos de mandato lulista?

Vc disse q "Deixem o PSDB em paz na oposição. Não lhe peçam o que ele não pode dar. Lembro de como o PT fazia oposição ao governo FHC. Era igualzinho."

Não, não iguale coisas completamente diferentes. Desculpe-me, não é possível concordar com isto.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:53:00 BRST  
Anonymous taq disse...

Boa Tarde Alon,

Muito engraçado hoje ver diversos comentários de gente reprovando a reprovação da CPMF. Tenho certeza que estes anos atras brigaram muito contra ela mas tudo bem. Seu sarcasmo no post me deixou meio confuso, você sempre defendeu que a oposição faça oposição, como ocorre no mundo inteiro, mas agora você acha que ela não deveria, bem o governo tem a maioria e não fez a sua lição de casa, jogar no colo da oposição é ruim. O governo vir negociar na hora h é que demonstra que estava tudo errado, pq o governo já em setembro não conversou com a oposição, pq nas primeiras conversas com os senadores eles não toparam nada e quando viram o barco afundar é que começaram a correr atrás oferecendo nada alem de uma promessa de se enviar novos projetos atendendo alguns anseios da oposição.
Quem errou e agiu mal foi o governo e o PSDB como oposição não deve ficar salvando o governo sempre, coisa que alias já fez diversas vezes.
Agora fique tranquilo, usando sua própria metafora o governo (pt) é que bombardeou a cidadela o tempo todo desde o periodo de oposição, agora a cidadela aplicou um contra ataque debilitando parte das forças governistas, assim eles vão sentar e negociar para em abril termos novamente a CPMF mas ai em outras condições.
Abraços.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 14:59:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

"Em compensação, o PSDB rompeu alguns vasos comunicantes que tinha com o pedaço da sociedade que pensa diferente. Que é a maioria."

Nada disso. A pesquisa CNI-Ibope deste mês - aquela mesma que coloca a popularidade do Lula lá em cima - diz que 69% da população desaprova a política de impostos do governo, contra apenas 26% que aprovam.

Essa é por sinal a pior área de aprovação do governo, acima mesmo dos 66% que desaprovam a segurança pública.

O oposição está sintonizada com as ruas aqui, apesar do que dizem os spin doctors petistas. A maioria da população não aguenta pagar mais tanto imposto.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 15:08:00 BRST  
Anonymous Amanda disse...

Concordei com quase tudo no seu texto. Tá, é isso mesmo, o comportamento tucano é indecente - quer dizer, quando eles estavam no poder podia ter cpmf, agora que eles não estão, não pode. E ficam lá no congresso desfilando um monte de discurso vazio.

É esdrúxulo. Ponto.

Mas não entendi seu ponto de vista sobre a DRU. Como eu não vi o que os parlamentares do tucanos disseram, só vi o resultado - que a DRU foi aprovada e vai para segundo turno - o que eu não achei bom. Acho que o Lula (e o congresso e o Brasil) já passou da hora de aposentar esse recurso da DRU e ser mais ousado nos investimentos públicos em saúde + educação + previdência.

Veja uma nota sobre o tema no meu humilde blogue:
www.videoideia.wordpress.com

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 15:47:00 BRST  
Anonymous maria antonieta disse...

Enquanto isso, em uma audiencia de conciliaçao promovida pelo Judiciario em todo o Brasil SEMANA PASSADA, chega o advogado do plano de saude, réu numa açao de obrigaçao de fazer, por ter se negado a arcar com as despesas de um tratamento quimioterapico contra cancer na prostata, avisando SORRINDO que o Autor MORRERA. Por fim pediu a extinçao do processo em face do falecimento do paciente a quem negara tratamento. TE CUIDA CLASSE MEDIA!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 15:50:00 BRST  
Anonymous julio guilherme disse...

Sinceramente, acho que bebemos em fonte diferente. A grande maioria do povo brasileiro, e isso são as pesquisas que dizem, é contra este imposto. O que o PSDB fez ontem foi fazer POLÍTICA. O senado aplicou uma derrota ao governo e é importante que se diga, a base do governo tem 53 votos no senado quando eram necessários 49 votos para a aprovação, portanto, é um erro crasso afirmar que o PSDB derrotou o governo. Este foi derrotado por si mesmo. Entendo que quem ganhou foi a democracia e quem perdeu foi o modo petista de governar, sempre com arrogância e prepotência. A legitimidade do mandato do presidente Lula é rigorosamente a mesma de qualquer membro da oposição, foram eleitos no mesmo pleito e pelo mesmo POVO. Entender isso fará toda a diferença aos detentores do poder, que é sempre efêmero.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 15:56:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Caro anônimo,
Se não ficou claro o contexto político em que usei a palavra "álibi", substitua-a por "condições políticas".
Me referi à janela de oportunidade, porque o "mercado" (com "m" minúsculo para quem leu um antigo post do Alon) iria fazer um escarcéu via imprensa caso o governo aumentasse impostos (mesmo dos bancos) em pleno crescimento econômico vigoroso em que vivemos (mesmo que isso fosse justificável pelo enorme déficit social ainda existente no Brasil, que demanda políticas públicas para construir uma nação desenvolvida, através da erradicação da pobreza).
Do momento em que a oposição retirou um pilar do equilíbrio fiscal, diminuindo a receita, as recomendações ortodoxas do próprio "mercado" é que o governo terá que fazer ajustes para compensar.
Sabemos que os ajustes podem ser nas receitas ou nas despesas, e em quais receitas e em quais despesas é uma decisão política (política é escolher prioridades, seja onde cortar, seja onde arrecadar, seja onde investir mais).
O "mercado" e a oposição quer que o governo corte despesas sociais e de serviços públicos. Mas a massa de votos que elegeu Lula votou nele para resolver o déficit de problemas sociais. Se quisessem Estado menor, Alckmim teria vencido.
Está aí a oportunidade de ouro para redistribuir melhor o ônus da carga tributária onerando quem tem maior capacidade contributiva, como os bancos que apresentam lucros recordes.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 15:59:00 BRST  
Anonymous J Augusto disse...

Em tempo: A oposição agora tem a obrigação cívica e moral de ajudar a regulamentar a obrigatoriedade dos bancos de continuar declarando à receita federal a movimentação financeira, independente do recolhimento da CPMF, para o controle da sonegação. Do contrário, institua-se o 12 de Dezembro, como o dia Nacional do Sonegador, e encomende ao Oscar Niemeyer um monumento ao Sonegador Anônimo para ser construído em frente ao Senado.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 16:00:00 BRST  
Anonymous taq disse...

Complementando,
O governo podia também ter tentado obstruir a sessão, não votando a matéria, mas resolveu mesmo sabendo da derrota votar.
Quanto ao apoio a fiscalização, uma pergunta, quanto a RFB aplicou de multas em virtude das informações da CPMF, alguém sabe? Seria muito interessante isso, pois assim saberiamos o verdadeiro impacto deste tributo no combate a sonegação. Faço esta pergunta pois como trabalho diretamente com tributos não vejo muito as pessoas preocupadas com cpmf, quem sonega sonega e pronto, com cpmf sem é tudo a mesma coisa.
Outra pergunta, porque os estados e municipios tem conseguido, mesmo sem acesso as informações da cpmf, melhorar a arrecadação tributária? Simples com esforços de modernização da estrutura de fiscalização e da legislação em vez de terceirizar a fiscalização.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 16:34:00 BRST  
Blogger Jean disse...

a CPMF na verdade é um tapa buraco para todos os desmandos de vários governos, não só este. O que este governo fez foi aumentar seu clientelismo , se tornando dependente de um imposto que deveria ser provisório desde a sua criação. Porque não diminuir gastos esdrúxulos de deputados? Porque não acabar com as nefastas emendas parlamentares? Porque não cortar gastos com funcionários inúteis de 37 ministérios? Porque não enxugar a máquina pública? Porque é mais fácil aumentar impostos.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 16:37:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Dizem que foi a oposição que derrubou a CPMF, mas na verdade a oposição só tinha 27 votos. Número insuficiente para derrubar a CPMF o problema ocorreu na base aliada que deu nada mais nada mentos do que sete votos para o oposição. Aquela história de que o governo repassaria 100% para a saúde e puro engodo. Sabia que ia perder então usou este artifício para culpar a oposição pela não destinação de verbas para a saúde. É o jeito PT de governar. Que cobre da base aliada a não aprovação os sete senadores que não são da oposição!!!!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 16:49:00 BRST  
Blogger Fernando disse...

O PSDB criou o PSDB acabou com a CPMF.

Junto com ela ao contrario da estrategia de poder imaginada pelo FHC, foi junto o Serra e o Aecio.

Se o PSDB queria, como disse no seu congresso, se aproximar das massas. Como explicar a implosão do unico imposto que financiava o Bolsa Familia e a Saude ?? Como explicar rejeição do aumento de repasse do recurso pra CPMF ??

Se um candidato disser daqui a 3 anos que ele pessoalmente foi a favor mas o partido foi contra. Como explicar um presidenciavel que nao lidera o seu proprio partido querer liderar uma naçao??

O PSDB fez politica com o figado. Nao queria deixar os holofotes para o DEM. A nao ser que isso faça parte de uma estrategia bem traçada, e no futuro o PSDB sozinho consiga fazer a reforma tributaria, ressucitando a CPMF, fazendo que todos, inclusive as empresas de comunicaçao e midia pagem. A nao ser que exista algo parecido com isso. Eu prevejo raios e trovoes a esse 2 candidatos.

Alguem tem alguma duvida que vai ser muito mais facil para o Governo Federal controlar os aspectos macroeconomicos da ausencia de 40bi no orçamento do que os Governadores lidarem com a falta desse recurso na Saude ??

Lembre-se quem vota nao esta la fora, esta aqui dentro.

Eu nao sei, o Lula deu de prato cheio a maior vitoria para o PSDB. Ele nao quis. Ou quis demais. Quis que a derrota do Lula e que no ano que vem voltasse para salva-lo. Só nao contam com uma coisa. E se o Governo Federal nao quiser mais a CPMF ??

Olhem q eu nao estou nem considerando a retaliaçao possivel e desejavel do Governo Federal via obras do PAC.

Que serventia tem essa "vitoria", alem de permitir reportagens mostrando o caos na saude ??

Vamos ver. Enfim 3 anos antes, a corrida eleitoral começou.

Apertem os cintos.

Aquele Abraço,

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 17:14:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Sobre faltar dinheiro no orçamento, só tenho uma coisa a dizer ao governo petista: TE VIRA MALANDRO.
Economiza de algum lugar, ora essa. O governo quer ser perdulário e ainda quer que a oposição pague. Fecha a porra da TV Pública, que andou dando zero de audiência, e já são 300 milhões de economia. Mais os 30 milhões pra escola de samba no Rio. Outro dia o Lula disse que 100 milhões pra gente não é nada, mas para o Paraguai é importante. Pois é, vai lá agora passar o chapéu no Paraguai. E uma última sugestão. Que tal diminuir em 10% o salário dos cargos de confiança que são ocupados por petistas? Os petistas tem que dirigir esse dízimo para o partido, então agora fica no orçamento. Não é pelo bem dos programas sociais?
Me surpreende que a esquerda tenha agora comprado essa balela de que não tem de onde tirar. Na época do FHC ficou alguns meses sem CPFM com a conjuntura muito pior.
E além do mais, a base tinha votos. Tinha até mais do que precisava. Teve 6 traições. Oposição existe para se opor. Portanto a culpa é ou dos traidores ou do governo que não sabe negociar.
Mas os petistas de plantão era óbvio que iriam começar o processo de demonização. Porque ser petista é sobretudo ser canalha, mentiroso e arrogante.

Rogério

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 17:22:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon. O que a oposição fez é legítimo e democrático. E este resultado foi cristalizado em outubro/2006 quando Lula foi reeleito com 60% dos votos mas não consegui os 3/5 do senado necessários para modificações na constituição. Afinal, era previsível que a oposição conseguisse retirar 5 votos da cesta do governo, posto que impossível que se incorpasse com novos 21 senadores. O governo forçou a corda para deixar a oposição no sereno até a próxima eleição. A CPMF já estava precificada desde outubro/2006. Agora, para a saúde não ficar mais prejudicada a solução é subtrair os recursos das emendas dos parlamentares e destiná-las para a saúde - é algo superior a 50% da cpmf. O que não pode é a oposição agora pregar condições ao governo: redução do Estado. Afinal o Lula foi eleito defendendo um Estado maior. Para o Lula tocar o seu projeto de governo, lhe basta a maioria simples - o que tem de sobra. Agora, o reflexo destas manobras políticas é a sociedade quem dirá quem está certo ou errado nas eleições de 2.010.

Rosan de Sousa Amaral

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 17:36:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Desculpe-me amigo, mas poarece que o Sr conhece pouco sobre negociação. O PSDB sempre esteve pronto a negociar com o Governo. O Governo é que no auto de sua arrogância, achava que podia "comprar" o apóio do PSDB com migalhas. 1) Porque não propos o total da CPMF para a saúde antes? 2) Porque não propos 1 ano de prorrogação antes? provavelmente porque 1) Como ele completa o orçamento da Saúde com outros impostos, bastaria diminuir o complemento através da DRU, e ficariamos no mesmo valor de hoje, ou talvez até menos 2) Porque se propusesse antes, teria que obrigatoriamente negociar as bases de uma reforma tributária eficiente e eficaz, em vez de uma reforma "DISTRIBUTARIA" que realizou no inicio do mandato do Sr Lula. FHC também ficou um pequeno período sem a CPMF e negociou com o Congresso. Que façam o mesmo agora, mas negociem e não barganhem...

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 17:39:00 BRST  
Anonymous Helena disse...

A maioria das pessoas pode até ver nos impostos e taxas arrecadados pelo estado um mecanismo para redistribuir renda e para fazer políticas sociais. Mas acredito que o sentimento maior é o de que o que é arrecadado hj dá de sobra para ofertar ao cidadão muito mais do que é dado. A sensação é muito mais de má gestão dos gastos.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 17:47:00 BRST  
Blogger Frodo Balseiro disse...

Alon
Cobrar docilidade do PSDB, tendo os tucanos tido que suportar a irracionalidade feroz dos petistas é um pouco demais!
Eduardo Jorge, ex deputado do PT, foi expulso do partido xiita, por ter votado a favor da CPMF.
O PSDB, apenas deu ao Presimente Lulla, uma pequena amostra do que foi o PT quando na oposição. Que de resto é o mesmo comportamento nefasto que o partido exibe em relação aos governos do município e da cidade de São Paulo. Aguentar Lulla chamando de sonegadores aqueles que votavam contra a CPMF.
Suportar o Ministro Manteiga da Fazenda fazendo pilhéria e intimidação!
O governo Lulla teve exatamente o que pediu! Um governo com maioria nas duas casas do Congresso, que não consegue aprovar a renovação de uma "contribuição", que já foi aprovada por tres vezes anteriormente, demonstra às escancaras sua incompetencia e arrogância!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 20:16:00 BRST  
Anonymous anonimo disse...

às vezes, e já para se tornar uma certeza, penso que a posição se resigna na e da sua condição, isto é, trabalham para fertilizar o terreno para a semente do 3º mandato. os tucanos beiram a insensatez e à insanidade. O Artur Virgilio esbanja raivosidade, nem as TVs o querem mais entrevista-lo, preferem o Alvaro Dias.
A midia não registrou balcão de negócios - embora pudessemos observar a predisposição da oposição, não é Tuma? Perilo? aliás esse senador sempre tem uma acusação e sempre sem provas - está manjado.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 22:13:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home