segunda-feira, 29 de outubro de 2007

O voto que se transfere (29/10)

Uma parte da oposição brasileira crê estar com a mão na taça para 2010 pois o campo governista não tem ainda um bom candidato. Tem Luiz Inácio Lula da Silva, mas ele está até o momento legalmente impedido de concorrer. Por "bom candidato", entenda-se um candidato conhecido. A tese que sustenta essa ilusão está materializada numa frase: "voto não se transfere". Pois voto se transfere, sim. Cristina Kirchner foi eleita presidente da Argentina com os votos transferidos de Néstor Kirchner, o presidente marido dela. A transferência de voto, aliás, é um fenômeno conhecido. Que o digam Luiz Antonio Fleury, Luiz Paulo Conde e Celso Pitta. Cristina Kirchner venceu porque o governo que a apoiou controlou a inflação, combateu o desemprego e defendeu a economia argentina. O povo é, em geral, menos bobo do que as teorias que tentam encabrestá-lo, a pretexto de "explicá-lo". Outro detalhe da eleição argentina foi o naufrágio da direita. Boa de bico e ruim de voto. Muito chumbo verbal e escassos seguidores. Como acontece por aqui.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

13 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Alon,
no caso apresentado quem naufragou foi a Argentina inteira (e não só a direita). Cristalizou o populismo kirchnerista que, com certeza, não acabará bem.
Quanto à transferência de votos, vc. se esqueceu de citar o crrespondente exato à brasileira: o casal Tony e Rosinha Garotinho.
Os casos citados seriam melhor explicados por transferência de verbas do que dos votos. A eleição do Fleury quebrou o Banespa e o Estado de São Paulo. A eleição do Pitta consumiu o caixa acumulado com aquela tenobrosa história dos precatórios (que ele, aliás, coordenou para o Maluf).
É melhor parar com essa coisa de indicar sucessor. Sai muito caro.
Sds.,
de Marcelo.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 13:49:00 BRST  
Anonymous Antonio Lyra Filho disse...

Lula se enquadra dentro do perfil de Nestor Kirchner. A nossa economia vai bem, o desemprego diminuiu e estamos com a inflação controlada, o que não acontece na Argentina. Portanto Lula poderá sim, transferir votos para que ele apoiar, com grande possibilidade de sair vitorioso.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 15:36:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Eu queria ver o Lula imitando o Maluf na campanha do Celso Pitta: "se não fizer um bom governo nunca mais votem em mim".

Abs.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 15:53:00 BRST  
Anonymous Cfe disse...

Concordo com o Marcelo.

Só faltou dizer que foi a grana do Chavez que salvou a Argentina.

Ah, e todos os sucessores foram bem pior do que seus patrocinadores.

Té mais.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 16:43:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Antigamente - aliás, não tão antigamente assim - dizia-se os "votos dos grotões". Já hoje, o povo é sábio. Ora, senhor Alon, faça-me o favor!

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 17:18:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Dna Marisa pode ser uma boa alternativa para o PT em 2010.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 19:27:00 BRST  
Anonymous augusto disse...

Prezado Alon: Kirshner renegociou, com sucesso, a dívida argentina com os seus credores e citou nominalmente os formadores de opinião que apostavam no fracasso. Esse ato, certamente, somou-se a outros que efetivamente permitem o sucesso na transferência de votos. Não foi o caso, por exemplo, de FHC e Serra. Um abraço.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 20:10:00 BRST  
Blogger Cesar Cardoso disse...

Bom, vamos por partes que o assunto é longo.

1) Mesmo lembrando que Néstor Kirchner saiu de uma "base 100" bem baixa, por causa da implosão da economia argentina de 2001-2002, não há como negar que a Argentina cresceu, e muito, com ele, e que a população pobre teve uma grande melhora. Isso ajuda muito na hora de transferir votos.
2) A direita argentina implodiu junto com a economia em 2001-2002 (a UCR também, que virou um partido provincial, mas isto não vem ao caso agora); o processo de reorganização da direita argentina, sob as lideranças (que vão acabar brigando) de Roberto Lavagna e do prefeito portenho Mauricio Macri, está só começando. E vai ser longa e difícil.
3) A grande oposição vem da esquerda, via Elisa Carrió. Este fato talvez ajude a levar Cristina Kirchner para contemporizar mais com o centro que o marido.
4) Néstor agora tem caminho livre para derrotar os peronistas que ainda não estão com ele... acho bom Eduardo Duhalde começar a procurar outro partido.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 22:19:00 BRST  
Blogger Paulo C disse...

Sabe aquele zagueiro que só sabe olhar a bola e nunca vê o atacante chegando para cabecear? É a nossa oposição.

Dos blogs da ultra-direita raivosa aos próceres e candidatos do que um dia foi a centro-esquerda tucana, estão todos hipnotizados com a tese do terceiro mandato (que, aliás, foi primeiro aventada publicamento justamente por um "cientista político" tucano, Leôncio Martins Rodrigues) e de novo não enxergam nada além de seus preconceitos.

Foi assim em 2006 - quando a candidatura à direita descobriu que ignorar e desprezar ("Bolsa-Esmola") o Bolsa-Família era um erro político catastrófico, já era tarde. Nem candidato privatista fantasiado de Samba do Estatizante Doido adiantou.

Em 2008 e 2010 nossos valorosos zagueiros de área de novo só vão ver o adversário que pôs a bola no gol quanto ele estiver comemorando - e a frase-chave Lula já disse, "Vamos transformar o Brasil em um canteiro de obras". Outra vez, ignoram ou pior, desprezam ("É só marketing") o PAC. E desta vez é ainda mais engraçado, pois já se consideram eleitos.

Quando Lula escolher seu candidato e as pesquisas mostrarem o tamanho exato do poder do Presidente, a oposição vai ficar se lamentando pelos cantos, perguntando se ainda dá para tentar um pneumotórax, mas a única coisa a fazer será tocar um tango argentino.

terça-feira, 30 de outubro de 2007 01:42:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, faltou o dado na sua análise. A Cristina é um animal político. Comparando com o marido, ela é um paquiderme e ele um roedor (sem qualquer comparação estética). Os jornalistas argentinos mais experientes afirmam que foi ela que costurou politicamente a candidatura do marido. Tais jornalistas afirmam que ela é a cabeça política enquanto o marido é o administrador burocrata que a Argentina precisou naquela crise. Queria sua opinião quanto a esta versão portenha.

Rosan de Sousa Amaral

terça-feira, 30 de outubro de 2007 10:41:00 BRST  
Anonymous Frank disse...

Interessante o que saiu hj - ao menos para mim, pois não tinha tomado conhecimento dos números - no ex-blog do prefeito do Rio:

>>>>>>>>>>>>>>>>>.
ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS ARGENTINAS NOS DOIS CENTROS MAIS IMPORTANTES DO PAÍS!

1. Buenos Aires/Capital Federal: Elisa Carrió 37,68% / Cristina Kirchner 23,64% / Roberto Lavagna 18,35% / Etc...

2. Córdoba. Roberto Lavagna 35,22% / Cristina Kirchner 23,82% / Elisa Carrió 19,05%.

>>>>>>>>>>>>>>>>>.

A Cristina perdeu em Buenos Aires e Córdoba e conseguiu se eleger? É isso mesmo? Foi um feito e tanto.

terça-feira, 30 de outubro de 2007 10:44:00 BRST  
Blogger Fernando disse...

Alon,

Os tucanos deveriam consultar o senador Marconi Perillo e perguntar pra ele o que ele acha da estoria de que "voto nao se tranfere".

Afinal, na ultima eleição pra governador ele se elegeu senador (muito bem votado) e conseguiu de maneira surpreendente eleger esse (com todo respeito) pobre coitado (Alcides Rodrigues).

Que herdou um estado quebrado e, por conta do seu despreparo, esta se tornando mais um "case" desse fato.

Alias, o pessoALL falou do Pitta, do Fleury, da Rosinha, etc. Mas a questao central é:

-Eles sao ruins por natureza, ou tiveram uma administraçao ruim pq herdaram administraçoes quebradas, diga-se de passagem, simplesmente pq se gastou muito para elege-los (devido á insignificancia politica pré-eleitoral)?

Haveria ai, uma correlação linear direta??

Simplificaçoes, nesse caso nao resolvem.

Aquele Abraço,

terça-feira, 30 de outubro de 2007 11:45:00 BRST  
Blogger Walmir disse...

Pois política é mesmo arte ruim de espalhar fofocas.
Eleição de presidente daqui 3 anos e você - e toda mídia - fica aí fagulhando.

Que falta do que fazer, Alon.
walmir.arvalho.zip.net

quarta-feira, 31 de outubro de 2007 11:32:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home