segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Mais perto de Jesus do que o padre (29/10)

O que as acusações de pedofilia e corrupção contra o padre Júlio Lancelotti têm a ver com a correção ou não das teses defendidas pelo padre Júlio Lancelotti? Nada. As boas idéias do padre continuam boas. Lancelotti sempre acreditou que, por meio da ação pastoral, é possível recuperar crianças e jovens excluídos e marginalizados. Isso está certo. E as teses malucas do padre continuam tão malucas como antes. Uma delas é o tal direito de as pessoas viverem na rua. Justiça se faça a Lancelotti, tem um monte de gente que defende a mesma maluquice. A rua não é lugar para se morar. Não é para o adulto, imaginem para uma criança ou jovem. Não estivéssemos sob a coação do politicamente correto, o estado brasileiro agiria ativa e duramente para retirar das ruas as pessoas que moram nelas, especialmente os menores de dezoito anos. Qual é o problema, então, com a crise que envolve o padre? É que as acusações contra ele contrastam de modo brutal com sua imagem, construída ao longo de anos, de um ser moralmente superior. Aliás, a superioridade moral é o revólver nas mãos do sujeito politicamente correto. Eu tenho horror a situações em que uma hipotética superioridade moral é esgrimida, usada como arma. Porque a vítima não tem defesa. Principalmente na política. O sujeito alvejado por alguém que conquistou um certificado de superioridade moral já está previamente condenado. Em Brasília tem muito disso, os supostos bastiões da ética. São como patrulhas que estão em todo lugar a todo momento, ubíquas, prontas a fuzilar ou enforcar os suspeitos mais convenientes. Ou a deixá-los em paz, também quando convém. Até que um dia a casa cai para um dos patrulheiros. Como agora no caso do padre. Eu defendo que a sociedade brasileira deixe Júlio Lancelotti em paz . Que ele enfrente sua provação apenas na companhia da Justiça dos homens, de sua própria consciência e de Deus. Eu defendo que a sociedade brasileira dê ao padre o que ele possivelmete não daria a um eventual desafeto que julgasse politicamente incorreto: o benefício da dúvida. Nesse aspecto, ouso acreditar que estou mais perto dos ensinamentos de Jesus Cristo do que costuma estar o padre Júlio Lancelotti.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

20 Comentários:

Anonymous emanuel lima disse...

Pois é...

Sempre achei muito errada essa postura do padre lancelotti de impedir o recolhimento aos albergues "do povo da rua".
Achava mesmo que cheirava a manipulação dos miseraveis.

Agora vejo crescer a duvida quanto aos valores repassados ao acusado de extorsão, e, na esteira dessa duvida,o questionamento sobre a origem desses valores.

Tudo muito lamentável. Mas acima de tudo, muito previsível.

Sinto muito, mas tratando-se de dinheiro publico repassado à ONGs minhas expectativas são sempre as piores....

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 20:57:00 BRST  
Blogger Ricardo disse...

Não vamos deixar para lá enquanto não ficar claro que a grana utilizada para o amor fraterno entre Julio e sua criatura não veio do Estado.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 21:30:00 BRST  
Anonymous F. Arranhaponte disse...

Muito bom

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 21:55:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon: eu até acredito na inocência
do Padre,mas seu advogado é
pessoa tipo "não é flor que se
cheire".
Há alguns anos este tipo foi
rápido e espontâneo,para defender
os terroristas que sequestraram o
Abílio Diniz;pela Lei todos têm
direito a um defensor, mas a presteza e ideologia dele foram
muito explícitas;rancoroso com
os bem sucedidos !

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 21:58:00 BRST  
Anonymous JV disse...

O padre pintou e bordou, acusou aos 4 ventos, jogou tanta m. para cima que acabou tudo caindo de volta na sua cabeça. Desmoralizou com suas atitudes equivocadas suas idéias (supostamente) boas. Por isso que eu sempre duvido dos bem-intencionados. You know that sometimes satan comes as a man of peace- Bob Dylan.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 22:33:00 BRST  
Anonymous Pedra disse...

Não estou apoiando , nem condenando o padre, pois os fatos serão apurados. Mas aproveito para dizer: Igreja Católica, por favor reveja seus conceitos de celibato, urgentemente!

Fui católico não praticante, estudei em escola católica, mas confesso minha atual ignorância e, talvez, covardia: - Não deixaria meu filho estudar em colégio de padres católicos.

Voltando ao Padre Lancelotti, acho que tem que ser apurado, principalmente se o dinheiro usado para pagar o bandido saiu do nosso bolso através da ONG.

Quanto a deixar o padre em paz eu discordo Alon. Discordo porque ele quis ter uma carreira pública, se expôs publicamente com o seu trabalho, lutou pelos direitos dos moradores de ruas. Ele recebeu o bônus da fama pelo reconhecimento do seu trabalho e agora tem de arcar com o ônus. Para uma pessoa ligada a Deus me parece um tanto covarde a atitude do padre.

terça-feira, 30 de outubro de 2007 01:49:00 BRST  
Anonymous Cfe disse...

Pois eu defendo a mesma coisa.

E, por coerência, defendo ainda que o PT seja expulso do poder justamente por ter-se constituido juiz e senhor de todas as coisas.

terça-feira, 30 de outubro de 2007 07:08:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, concordo.
Mas lamento todo esse barulho contra o Pe. Júlio. Fora a defesa questionável do povo da rua (um problema de saúde pública), o Pe. mantém várias obras assistenciais importantes que poderão ser prejudicadas por toda a gritaria. Se ele fez alguma coisa errada, que pague pelo erro. Mas que as obras continuem (com outra supervisão) pra não prejudicar os atendidos.
Sds.,
de Marcelo.

terça-feira, 30 de outubro de 2007 09:59:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Não sei quem dizia, acho que era o Molière, que "a lei, em sua magnanimidade, proíbe tanto ao rico quanto ao pobre roubar um pão ou morar embaixo da ponte".
Apóio a maluquice do padre: neste país de abismos e cumes, vertingens a 90 graus, fome e fausto, a rua, apesar de não ser lugar para se morar, é uma boa solução, melhor que muitos lugares, como os esgotos, por exemplo.

Ignotus

terça-feira, 30 de outubro de 2007 10:35:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Este Padre e a cara PT. Acusou a tudo e todos e de repente se encontra no centro do debate por praticar aquilo de que acusava os seus opositores.AI se fala em Justica dos homens ...direito a duvida...bagrinhos. Ai que saudade do nosso Promotor de Justica Federal , o nosso Torquemada.E vc Alon , esta cada dia melhor...Capitao Nascimento Guevara brasileiro..mas a melhor memso foi esta ultima Nesse aspecto, ouso acreditar que estou mais perto dos ensinamentos de Jesus Cristo do que costuma estar o padre Júlio Lancelotti. KKKKKK.Vc e o Diogo Mainardi das esquerda brasileira

terça-feira, 30 de outubro de 2007 12:28:00 BRST  
Blogger Vera disse...

"Eu defendo que a sociedade brasileira dê ao padre o que ele possivelmete não daria a um eventual desafeto que julgasse politicamente incorreto: o benefício da dúvida."
Em que fatos você se baseia para afirmar que o padre não daria o benefício da dúvida a um desafeto? Ou é só para acender uma vela a Deus e outra ao Diabo?

terça-feira, 30 de outubro de 2007 12:30:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Caros

Não conheço de perto as obras sociais do Padre Júlio. Minha mãe, 78 anos e sete filhos, tem rezado por ele todos as noites. Minha mãe é antipetista radical avant la lettre. Ela está triste pelo que está acontecendo com o Padre e, principalmente, muito preocupada com o destino das crianças com AIDS atendidas pela Casa Vida. Eu a tranquilizo dizendo que a Casa não fechar. Quanto ao que o destino reserva ao Padre Júlio, minha mãe pensa exatamente como o Alon.

Eu penso diferente. Não concedo ao Padre o benefício da dúvida. O tribunal da minha consciência já proferiu sentença condenatória, baseado na seguinte prova: aquele que o Padre ACUSA de extorsão não lhe pediu dinheiro para comprar um WW Brasília para começar um negócio de venda de pamonhas quentinhas de Piracicaba. Pediu, e isso é bem sabido, dinheiro para comprar uma Pajero. O que não sabemos é se os outros bens foram adquiridos com dinheiro entregue pelo Padre. O ACUSADO de extorsão alega que foi.

O fato é que os valores não são pequenos. Primeiro, teriam sido R$ 50 mil. Depois, R$ 80 mil. Ontem, acho que no jornal da Globo, ouvi falar em R$ 150 mil.

O Estado de Direito concede ao Padre Júlio o benefício da dúvida. Se restar provado que a origem do dinheiro é criminosa, eu espero que o Padre seja julgado e condenado pelo crime que a Justiça julgar que ele cometeu. Nem o fato da extorsão, se restar provado, é atenuante. Um crime não pode justificar outro crime.

Se o Padre teve ou não um caso amoroso com aquele que hoje ele ACUSA de extorsão, não me interessa. A homossexualidade não credencia ou descredencia ninguém para nada. No caso, é assunto exclusivo do Padre e da Igreja Católica. A Igreja não laça as suas vocações pelo pescoço. Entra na Igreja Católica quem quer. Voto de castidade antes de ser obrigação foi escolha. Se o padre sente que fraqueja, seus superiores estão lá para ajudá-lo. No limite, pode desligar-se da instituição. Não é uma decisão fácil. O conflito de consciência do padre que fraqueja deve ser terrível. Nesses casos, é bom seguir o que Jesus nos ensinou: não agir como os selpucros caiados.

Abs.

terça-feira, 30 de outubro de 2007 13:14:00 BRST  
Blogger Rodrigo disse...

Acho que o Pe Júlio está pagando mais pelos acertos dele do que possíveis erros...

terça-feira, 30 de outubro de 2007 13:42:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Ah se esse padre fosse da Opus Dei...

terça-feira, 30 de outubro de 2007 16:15:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

O político Pe Júlio tem muitos amigos para o defenderem. Agora, para o religioso Pe Julio não diria o mesmo. Veja o que aconteceu com o Pastor Caio Fábio...

Veja o que disse Jesus:

"NÃO julgueis, para que não sejais julgados." (Mt 7:1)

"... Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela." (Jo 8:7)

Alguém segue estes mandamentos? Acho que nem os religiosos...

terça-feira, 30 de outubro de 2007 18:34:00 BRST  
Anonymous Ricardo disse...

Alon,

Concordo integralmente. Acho que este é o melhor comentário que li sobre o caso do Pe. Julio.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007 14:16:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Faltou apenas colocar em seu devido lugar as vivandeiras e carpideiras, os chupins, corvos e gralhas peçonhentas afins, que sempre utilizaram a ação pastoral. Para quê? Para atazanar a vida de todo mundo, usando-a como forma de culpabilizar quem não rezasse pela mesma cartilha. O povo da rua? Oras, o povo da rua!
Sotho

quarta-feira, 31 de outubro de 2007 17:27:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, ja te ocorreu que tu precisamente, jogas no time dos politicamene corretos demais em tanto assunto que tocas... E que guardas as
armas da patrulha.
E essa tua insinuaçao diz o què?
Tens uma serie de acusaçoes, teestemunhos de a e b porem SABES como jornalista que sao dois times ai: o dos guardas penitenciarios +secretaria do BEstar do estado +Secret da Seg Publica do estado +
egressos da Febem versus Pe Lancelotti.
E nao mencionaste que a casa do padre foiinvadida duas vezes nas semanas anteriores (intimidaçao) e a mae dele de >80 anos agredida.
Entao tua insinuaçao te mostra pendendo pra qual dos lados?

quinta-feira, 1 de novembro de 2007 16:00:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, ja te ocorreu que tu precisamente, jogas no time dos politicamene corretos demais em tanto assunto que tocas... E que guardas as
armas da patrulha.
E essa tua insinuaçao diz o què?
Tens uma serie de acusaçoes, teestemunhos de a e b porem SABES como jornalista que sao dois times ai: o dos guardas penitenciarios +secretaria do BEstar do estado +Secret da Seg Publica do estado +
egressos da Febem versus Pe Lancelotti.
E nao mencionaste que a casa do padre foiinvadida duas vezes nas semanas anteriores (intimidaçao) e a mae dele de >80 anos agredida.
Entao tua insinuaçao te mostra pendendo pra qual dos lados?

quinta-feira, 1 de novembro de 2007 16:00:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

O anônimo "gaucho" (Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007 16h00min00s BRST) criou dois times e exige que você, Alon, decida-se por um deles.

Se for gaucho, é Inter ou Gremio. Bem ou Mal. Esquerda ou direita. Dentro ou fora. Sempre assim...

Se eu não for de nenhum, estarei no limbo, hehehe?

Aproveitando o título do post:

"Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo." (I Cor 1:12)

Então diga pro anônimo que você não é do Padre e nem do "BOPE". Você torce pra Jesus.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007 17:21:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home