quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Perfumaria (12/09)

Do Globo Online:

Febraban vai divulgar as tarifas bancárias através de serviço on-line

SÃO PAULO - A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) vai lançar, na próxima terça-feira, um sistema de consulta on-line das tarifas cobradas pelos bancos. A idéia é ajudar o consumidor a comparar os valores das tarifas, que de um banco para outro chega a ter diferença de mais de 70%. Em princípio, o serviço permitirá a comparação entre 46 tarifas de 10 dos maiores bancos do país. Elas serão divididas em sete tópicos: cadastros, contas correntes, movimentação de recursos, cheques, cartões, extratos e empréstimos. De 1994 até 2006, a receita dos bancos com tarifas cresceu 734%, contra 157% da inflação (IPCA) no mesmo período.

Clique aqui para ler a reportagem completa. Vai ser legal consultar esse sistema da Febraban na internet. Vai ser fonte para boas pautas dos colegas da economia. E só. A solução para as tarifas bancárias não será dada pelo mercado ou por perfumarias como essa da Febraban. Você não muda de banco assim, como quem muda de barraca de frutas na feira. Os números da reportagem são impressionantes. 734% de aumento nas tarifas de 1994 a 2006, contra 157% de inflação. A solução para esse problema é uma só. Tabelar as tarifas bancárias. Pela base. Ou seja, pela menor tarifa praticada hoje no mercado. Aplicando-se, é claro, um bom desconto. Que os bancos ganhem dinheiro emprestando dinheiro, e não praticando a esfola compulsória nos clientes.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

4 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Alon, vc. não pegou o espírito da coisa. A Febraban quer estimular a migração de contas entre bancos. Mas essa migração será feita mediante o pagamento de uma tarifa. Entendeu?
Os grandes clientes não pagam taxas, eles as recebem de brinde. A arraia miúda, em compensação, é sobretaxada. Como os serviços são cada vez mais eletrônicos (ou seja: demissão de pessoal), as tarifas deveriam cair. Não apareço na minha agência há meses. Como pago contas pela internet e saco nos caixas eletrônicos, eu estou fazendo o serviço todo para o banco. Este reduziu o número de atendentes (caixas) e aumentou as filas. E o Banco Central, não fala nada? Nada.
Sds., de Marcelo.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007 11:37:00 BRT  
Anonymous Jura disse...

O governo do Estado de São Paulo obrigou mais de um milhão de servidores ativos e aposentados do Estado a ter conta no banco estadual, por meio de um decreto.

Os servidores e os aposentados tornaram-se assim obrigados a contribuir mensalmente com valores que variam de 12 a 18 reais, pelo menos, com o banco do estado.

Nem o Bradesco ou o Itau - que não páram de bater recordes de lucro - jamais sonharam em explorar seus próprios funcionários a esse ponto.

É de se perguntar onde foram parar os sindicatos dos servidores estaduais. Mudaram todos para Brasília?

Outra gracinha que vem por ai - preparada pelo Ministério da Fazenda - é a implantação de ouvidorias nos bancos. Como se o problema fosse falta de informação sobre as queixas dos clientes. A Febraban ri, sem sentir as cócegas.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007 11:41:00 BRT  
Anonymous F. Arranhaponte disse...

Alon, não me surpreende a sua descrença no mercado a priori, já que ela é uma espécie de sub-texto de muitos dos seus posts, e está de acordo com aquele auto-declarativo "de esquerda" lá em cima no blog. Eu também acho que a tabelinha da Febraban não vai resolver o problema, e também concordo que os bancos fazem de um tudo para ganhar mais e mais dinheiro (como, aliás, 99% das empresas e dos profissionais no mercado de trabalho, jornalistas inclusive). Agora, experimenta desburocratizar drasticamente a abertura de uma conta bancária, de tal forma que você possa mudar de banco assim como muda o, digamos, super-mercado onde você prefere fazer as compras. Aí você ia ver, embasbacado, que este diabo de mercado funciona mesmo, o sô

quarta-feira, 12 de setembro de 2007 15:26:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

vocês não sabem da missa nem a metade. Em qulaquer lugar do mundo Bancos vivem de emprestar dinheiro para compra de carros, casas etc... Geralmente juros baixos para ter certeza que o cliente possa pagar. No Brasil vivem de especulação e taxas bancarias. No Brasil um Banco só falhe se o dono roubar (privado) ou da prejuízo (estatal) se financiar apadrinhamento políticos ou simplesmente desvio de dinheiro. Fora isso no BRASIL é impossível Banco ter prejuízo ou falhir.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007 23:59:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home