terça-feira, 14 de agosto de 2007

O modo tucano-petista de fazer oposição. Haverá outro? (14/08)

Os principais líderes do PSDB reuniram-se em Belo Horizonte e decidiram apoiar a diminuição da alíquota da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Mais detalhes podem ser encontrados no site do partido. A CPMF é fundamental para o financiamento dos gastos com a Saúde. Aliás, o PSDB defende também a imediata regulamentação da emenda 29, o que aumentaria as despesas com a Saúde. Essa informação também está no site do partido, numa entrevista de um deputado do PSDB da mesma Minas Gerais onde o PSDB decidiu que a CPMF precisa ser reduzida. Interessante. No seminário que fizeram ontem em Belo Horizonte os tucanos debateram um novo modelo de gestão para o Brasil. Eu torço sinceramente para que o PSDB apresente ao país novidades nesta coisa de governar. Porque na tarefa de fazer oposição, como mostra o caso CPMF versus emenda 29, os tucanos estão mesmo é ocupados em repetir o que o PT fazia quando ainda não tinha chegado ao poder. Mas oposição é isso mesmo, ser contra o governo em tudo. E o governo que se vire para governar. Eu ouço sempre que a CPMF é um imposto muito ruim. Um defeito da CPMF é ser cumulativa. O outro é que ela não é repartida com estados e municípios. Ou seja, ela vai se acumulando ao longo da cadeia produtiva e encarece o produto final. E a receita fica concentrada na União. A qualidade da CPMF é que todo mundo tem que pagar. E todo mundo paga na proporção do dinheiro que movimenta. Eu simpatizo com essa coisa de ter um imposto no Brasil que todo mundo é obrigado a pagar, um imposto que não dá para sonegar.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

11 Comentários:

Anonymous JV disse...

Alon, você adora um imposto, simpatiza com qualquer imposto, você tem sonhos com icms, iptu, ipva, cpmf. E cpmf dá para sonegar, é só pagar em cash ou cheque de outros

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 00:34:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

É uma pena que o PSDB não tenha o talento que tinho o PT em fazer essa oposição a tudo. Tivesse esse talento e, mídia a favor, seria praticamente imbatível. O problema, aí, é que o PT teria que radicalizar na oposição cega, tornando todo o debate político uma grande guerra de torcidas, sem a cordialidade que frequentemente se vê entre torcedores (tirando os hooligans das organizadas.

Quano à CPMF, é um ótimo imposto. O imposto que deve ser combatido é o de renda sobre salários, isso sim.

Ignotus

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 11:38:00 BRT  
Blogger matteo irma disse...

concordo contigo quanto a cpmf, alon. Todo mundo paga na proporção do dinheiro que movimenta, e ninguem pode sonegar.
Acho que o que deveria ser reformulado é o IRPF, pra ser mais justo com quem ganha menos. Trabalhei nessa área e o que mais me asssustava era como a tributação de PF em muitos países era mais justa que no Brasil.
Recebi 50x o email com a posição da fiesp. Deletei todos. As empresas estão liderando esse movimento e as todo mundo (pessoas físicas) apoiando, sem questionar, em vez de reclamar do que realmente é injusto.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 13:00:00 BRT  
Anonymous Pedra disse...

Alon, o único partido organizado neste país e que bem ou mal se mobiliza é o PT. Às vezes para defender coisas que acho absurdas, mas são organizados. O resto neste país vai ao sabor do vento.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 14:29:00 BRT  
Blogger Toty Freire disse...

É válido considerar, caro Alon, que a oposição petista foi muito mais irresponsável que a que vemos hoje. Talvez o PSDB patine estando do lado de lá porque viu Lula fazer, com muito mais empenho, tudo aquilo que defenderam...

Abçs

E parabéns pelas reflexões deste blog.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 15:47:00 BRT  
Blogger Fernando disse...

Alon,

Falando nisso, viu a curta entrevista do Jatene no Josias ? Fantastica. Esclarece bem as coisas.

http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/arch2007-08-12_2007-08-18.html#2007_08-15_13_56_50-10045644-0

ps.: sabe como taggear a url nos comentarios? /u funciona ?

Asta,

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 16:17:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Fernando, sei que o /i e o /b funcionam. Tente o /u. Abs.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 16:27:00 BRT  
Anonymous JV disse...

E O PT-Lula patrocinando o maior festival de contratações no setor público, vai aumentar ainda mais a carga tributária. vamos trabalhar para manter barnabés no carguinho medíocre. Que país sem futuro.
1.000.000 de empregos públicos = 5.000.000 de votos por 10 anos. Isto é que é clientelismo eleitoral.
Vão tentar empurrar a conta para os "ricos", que tem como se safar. Sobrará para:
a- próxima geração (dívida interna)
b- inflação (pobres desta geração).

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 16:53:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O PSDB é como o coritians: um cadáver insepulto que se recusa a repousar na cova. Esse partido tornou-se um repositório de grandes nomes que não se elegem mais nem síndico de prédio.
Sds., de Marcelo

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 17:26:00 BRT  
Blogger Nehemias disse...

Pessoal,

Deem um olhada nesses números:

Arrecadação (jan a dez - 2006)

IPI = R$ 28,1 bi

Imposto de Renda Pessoa Física (rendimentos do trabalho) = R$ 38,5 bi

CPMF = R$ 32 bi

Fonte:
http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/arre/2006/AnalisemensalDez06.pdf

Ou seja, a CPMF arrecada mais que o IPI e um pouco menos que o imposto de renda da pessoa física (aqui considerado só o incidente na fonte, sob a renda do trabalhador).

Então, conclui-se que o CPMF é um bom imposto. Se não é bom, pelo menos não é o pior. Se é para acabar com algum imposto, porque não os incidentes sobre a folha salarial (tipo: SENAI, SENAC, SESC, INCRA, ou parte do INSS). Ou então, os sob a renda do trabalhador, até uns R$ 3 ou 4 mil? Ou do IPI sob os produtos consumidos pelos pobres e classe média?

Taí. Proponho a manutenção da CPMF, desde que ela seja compensada integralmente, em um espaço de uns 5 ou 10 anos, pela redução, em valor equivalente, de outros impostos. Se isso fosse feito, em 2018, os trabalhadores de classe pobre e média praticamente não descontariam imposto de renda. Ou então daria para eliminar um terço dos encargos sociais sobre a folha de salário.

Nehemias.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007 17:51:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Não dá para crer que a CPMF seja defendida, ainda, com o argumento de investimento na Saúde. Ter-se-ia sistema de saúde caso fosse verdade. A CPMF hoje e sempre, foi, é e será, enquanto perdurar, imposto em cascata (incide até sobre outros impostos no ato do pagamento)como rubrica obrigatória no orçamento federal. Poder-se-ia até tomá-lo como benéfico se fosse único. Mas é apenas mais um e exorbitante a cada R$ 1,00 de movimentação financeira. Como a universalização do acesso a serviços financeiros está aprofundada, nenhum governo será movido a extirpá-la. Ou a colocar o destino dos recursos no princípio que a originou. a não ser que tenha chegada a hora dos estadistas.
Sotho

domingo, 19 de agosto de 2007 12:15:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home