quarta-feira, 18 de julho de 2007

Uma foto. E mais dúvidas de um leigo (18/07)

A foto acima, de Joel Silva, da Folha Online, chama a atenção. O fotógrafo está na pista de rolamento oposta da avenida em que caiu o avião da TAM. E o fotógrafo está de costas para a pista de pouso de onde veio o avião. Notem que está intacta a separação (mureta) entre as duas pistas de rolamento da Washington Luís. Assim como está intacto o poste de iluminação. O que dá a entender que o avião percorreu pelo ar os metros entre o fim da pista de pouso e o ponto da queda. Minha dúvida é a seguinte: a que velocidade tem que estar um Airbus desses para voar da pista até o ponto em que caiu? É um exercício simples de física. O alcance do projétil guarda relação com a velocidade horizontal, dado que o movimento vertical de queda não é afetado pela velocidade horizontal ou pelo peso do avião. Em outras palavras, se o avião foi arremessado horizontalmente da pista (que está num nível superior à avenida), como uma bala atirada para a frente, ele chegou longe o tanto que a velocidade de lançamento permitia. De quanto era então essa velocidade que fez o avião voar sobre a avenida em vez de se arrastar e destruir o que viesse pela frente? Eu continuo com dúvidas sobre a possibilidade de um avião decolar como uma bala enquanto o piloto tenta brecá-lo numa pista escorregadia depois de já ter conseguido reduzir a sua velocidade a níveis em que o atrito com o solo seja suficiente para parar um Airbus lotado de gente, pacotes e combustível. Mas talvez eu esteja escrevendo bobagens e essas minhas dúvidas decorram do fato de ser leigo. Por isso é que eu peço a ajuda de quem entende do assunto. Porque a outra hipótese é que o avião tenha repentinamente perdido altura quando o piloto tentava arremeter. E ninguém tenta decolar quando já está com o avião suficientemente lento para brecá-lo unicamente com base no atrito (já que o efeito aerodinâmico se reduz com a queda da velocidade).

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

25 Comentários:

Blogger Paulo disse...

Depois é só cobrar. Acho que a porcaria do reversor da turbina funcionou na hora errada como no vôo 402[fokker]. O fabricante é o mesmo?

quarta-feira, 18 de julho de 2007 13:48:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Também sou leigo em aviação, mas percebo que sua análise coincide com aquelas feitas por vários ténicos que tenho ouvido. O que mais me impressiona é como a grande imprensa se apressou para politizar o acidente e debitar mais esta na conta do coitado do Lula. Não que o Governo não tenha responsabilidade com a confusão em que se transformou a aviação no Brasil. Mas daí a tirar conclusões apressadas sobre um acidente tão sério é outra história. Eu também viajo todas as semanas. Posso fazer uma série de questionamentos, que, tenho certeza, não interessam à grande imprensa. Quem disse que há grooving em todas as pistas dos aeroportos brasileiros? Quem disse que aterrissar sob chuva é um problema apenas em Congonhas? Qual é a responsabilidade das empresas aéreas na superlotação dos aeroportos urbanos? É incrível como a imprensa consegue estabelecer nexos entre fatos de acordo com as conveniências de cada momento.

quarta-feira, 18 de julho de 2007 14:39:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Caro Alon.
O avião tocou na pista dentro dos limites estabelecidos para tal modelo, no entanto, ao contrário da tragédia de 1996, o reversor falhou por algum motivo. Logo, o Airbus A-320 continuou em linha reta sem derrapar até o momento em que o piloto tomou a decisão de arremeter, contudo, tarde de mais para conseguir vencer o empuxo e decolar. Dessa forma, a aeronave com muita quantidade de movimento desviou à esquerda e, voando por cima da pista, colidiu com o prédio, o que ocasionou um desastre ainda maior.
A causa-raiz do problema deve ser mecânica.
Porém, numa pista mais longa acredito que ele teria arremetido com sucesso.
Abraços
Pablo(pablo_taio@yahoo.com.br)

quarta-feira, 18 de julho de 2007 14:52:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Hipótese relevante. O Fernando Rodrígues, no seu blog, aventou a possibilidade de não haver mesmo influência da pista (a questão das ranhuras...), pois o avião seguiu em trajetória retilínea até que foi virado, o que tb indicaria problemas no sistema de freios... A conferir...
Na grande imprensa, nada disso.
Relevantíssimo seu constante e sutil comentário de que é leigo no assunto, pois nessas horas já há julgamentos e "provas" peremptórias e evidentes.Parabéns pelo trabalho.
Román

quarta-feira, 18 de julho de 2007 15:34:00 BRT  
Blogger Flávia Brito disse...

Talvez demoremos mais uma eternidade para saber o que realmente provocou essa tragédia. Há 10 meses permanece a dúvida acerca dos fatores que provocaram a queda do avião da GOL e a morte de dezenas de brasileiros inocentes.

A nós, espectadores, restam comoção e indignação; aos familiares dos que se foram, fica a dor da perda precoce e incompreensível de seus entes amados. Tento me convencer de que, dessa vez, será diferente, e de que não acontecerão outras barbaridades como essa. Mas, confesso, é difícil não perder a esperança.

Beijos, parabéns pelo blog!

quarta-feira, 18 de julho de 2007 16:05:00 BRT  
Anonymous Luiz Lozer disse...

A física não é a dos projeteis, tem a asa que gera sustentação e o motor que gera empuxo contínuo e o resto que gera arrasto.

Como todo acidente é uma sequência de eventos.

Parece que ele chegou alto, altura significa energia que precisa ser perdida para o avião poder parar, se vc baixa o nariz do avião ele ganha velocidade.

Tentou parar, com a pista molhada e sem as ranhuras, não conseguiu.

Tentou arremeter (o erro fatal) não tinha pista suficiente para acumular energia (velocidade) tentou trocar a pouca velocidade que tinha por altura, “stolou” e bateu no galpão.

A velocidade de stoll é a menor velocidade com que um avião pode voar reto e horizontal. Se vc está próximo dela e tenta ganhar altura, com a mesma potência, sua velocidade reduz e vc cai.

Se ele tivesse continuado teria no máximo quebrado a bequilha, mas ai teria o vexame de ter varado a pista em congonhas, tentou arremeter e morreu.

Tem o negócio das ranhuras para ser verificado, talvez o aeroporto deveria ter sido fechado.

O CENIPA vai dizer o que realmente aconteceu. mas que é um prato cheio para a CPI dos patetas, isso é.
espero ter ajudado.

quarta-feira, 18 de julho de 2007 16:14:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, vc. se esqueceu do ângulo de disparo do projétil. A máxima trajetória, se não me engano, é obtida com disparo a 45 graus.
Sds.,
de Marcelo.
Além disso, um avião não é um projétil, porque tem superfícies aerodinâmicas que lhe dão sustentação.

quarta-feira, 18 de julho de 2007 16:48:00 BRT  
Anonymous Luiz Lozer disse...

Ao G1, fontes do governo disseram que o avião iniciou seu pouso de maneira correta, tocando no solo de Congonhas antes da marca 1.000 -uma pintura com duas faixas brancas paralelas na pista.

Isso elimina a hipótese de o avião ter chegado alto ou muito veloz. Menos um elo

quarta-feira, 18 de julho de 2007 16:54:00 BRT  
Blogger Cesar Cardoso disse...

Bom, acho que este comentário do senador Demóstenes Torres é extremamente interessante. Reforça o que muita gente já dizia: o avião estava muito rápido; inclusive pode ter feito um pouso curto e tentado retomar o vôo. Um trecho da reportagem diz que Torres disse que um dos vídeos a que teve acesso mostra que o avião da TAM percorreu em 3,5 segundos um trecho, usado para desaceleração, que os aviões levam 11 segundos para percorrer..

quarta-feira, 18 de julho de 2007 17:15:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

O que posso observar é:
1) Em Congonhas há mais de 40 pousos e decolagens por hora. Minutos antes deve ter havido alguns, sem problemas. Não sei se com aviões de mesmo porte.
2) Na TV, um piloto foi entrevistado dizendo ter decolado imediatamente após o Airbus, na mesma pista. A torre instruiu para abortar, mas na velocidade em que já estava, não era mais possível. Isso isenta a pista de problemas de lâmina d'água (não sei, e suspeito que não necessariamente, porque decolagem é diferente de aterrissagem)?
3) A pista auxiliar reformada no início do ano já tem grooving. A pista principal, recém reformada, ainda não, porque precisa esperar 1 mes para fazê-lo por imposição técnica.
4) A pista principal, mesmo sem grooving, apresenta condições de drenagem e segurança bem melhores que antes da reforma. Congonhas tem mais de 600 pousos e decolagens por dia há muito tempo.
5) Mesmo sem grooving, a pista atende normas de segurança internacionais, segundo as autoridades.
6) Sem grooving, o preciosismo da segurança seria fechar Congonhas quando chove (segundo nota oficial da aeronáutica, também na TV). Em chuvas fortes o fechamento parece ser impositivo.

Minhas conclusões prévias:
1) Deve ter havido falha mecânica e/ou humana. Pode ter havido problemas de lâmina d'água.
2) A pista com grooving é mais segura, mas sem grooving não é necessariamente insegura, desde que não esteja encharcada. Porém Congonhas deve ter o máximo de segurança que a tecnologia oferece por estar em área densamente povoada.
3) Congonhas é um porta-aviões urbano. As pistas são curtas (não há mais espaço para aumentar) e no entorno não tem área de escape nem muita margem de manobra para o piloto. Porém é comercialmente muito bem localizado, e as empresas aéreas e usuários preferem usá-lo no limite da (ir)responsabilidade (e o governo deixa - ANAC e/ou Infraero). Nisso é que acredito ser sua maior insegurança.

quarta-feira, 18 de julho de 2007 18:13:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O Alon está na linha certa. Deu no Jornal Hoje, da TV Globo:

O JH conversou com o responsável pela área de risco da COPPE, a Coordenação de Programas de Pós Graduação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Moacir Duarte.

Jornal Hoje: Já é possível dizer o que aconteceu naqueles segundos antes da colisão? Se fala em pista molhada, se fala em erro humano, problema mecânico. É possível já ter uma previsão?
Moacir Duarte: Pela natureza da ferramenta que a gente tem para investigar acidentes já é possível dizer o que não aconteceu. Certamente uma colisão daquela magnitude não tem a ver com a ranhura nem com o processo de frenagem, porque já é a última etapa de parada do avião. O avião chegou com muita energia ao final da pista para cruzar a avenida e ter um impacto no prédio. Isso parece que exclui como causa decisiva a questão da ranhura e do atrito.

quarta-feira, 18 de julho de 2007 18:45:00 BRT  
Blogger Laura disse...

Qualquer um que já tenha ido para Europa ou para os EUA pode perceber que os aeroportos de lá são distantes das cidades... e que não existe nenhuma construção ou área residencial nas redondezas. Se o Brasil seguisse o exemplo, talvez o avião da TAM não teria explodido, pois não encontraria nenhuma edificação onde poderia se chocar.

quarta-feira, 18 de julho de 2007 19:25:00 BRT  
Anonymous jv disse...

o que ocorre é que as cidades crescem em direção aos aeroportos, a o crescimento desordenado das cidades brasileiras só faz piorar.
neste caso, que mostra a bagunça do executivo, foi falha humana ou de equipamento, não gosto do Lula, mas ele vai pagar um pato que não matou...

quarta-feira, 18 de julho de 2007 21:33:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon : como professor de física
(aposentado)posso dizer que suas
colocações são pertinentes; agora :
não faz sentido o piloto ter
arremetido e o avião fazer aquela
curva acentuada à esquerda;ele
seguiria em linha reta e se
espatifaria na continuidade da pista!
Hoje a TV mostrou uma filmagem que
mostra o avião, com evidente
excesso de velocidade ao pousar.
Agora o mais importante: será que
vão continuar permitindo aviões
grandes em Congonhas?.Como a
estupidez humana não tem limites,
creio que tudo continuará como
dantes!

quarta-feira, 18 de julho de 2007 21:58:00 BRT  
Anonymous A.L disse...

Tudo indica falha humana. Nesse momento é esperar que a Tam não fique brigando na justiça para deixar de cumprir suas obrigações, como fez no caso foker 100 de 31 de outubro de 1996. Agora esse caso somente servirá para dar ibope, de concreto nada será feito.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 02:32:00 BRT  
Blogger Julio Neves disse...

Alon, lembra da carta do deputado Carlos Zarattini (PT-SP) sobre a CPI do apagão? Entre outras coisas dizia:

"...Na minha opinião, se essa investigação estivesse sendo feita sem a PF ou a polícia comum, já teríamos obtido declarações dos pilotos e dos controladores, que esclareceriam melhor os fatos e poderíamos ter mudanças de procedimento e/ou melhores investigações sobre o funcionamento dos equipamentos (de bordo e de terra) a fim de evitar novos acidentes."

"...O sistema me parece seguro e eficiente –a quantidade de acidentes e incidentes é baixíssima e vem caindo."

"Além das famosas investigações que nossa oposição quer sobre superfaturamento das obras da Infraero, que serão muito “interessantes”, temos que nos deter sobre o planejamento das rotas e a utilização dos aeroportos. Ao longo dos anos, as empresas conseguiram transformar Congonhas de ponte aérea no principal centro de todas as rotas brasileiras (observe naqueles folhetos de propaganda que estão na bolsa à sua frente no avião). O problema é que Congonhas (e também Brasília) não tem capacidade para tanto. Some-se a isso a intensidade de utilização das aeronaves (13,5 horas por dia na Gol) e a lotação média (acima de 90%) e você vai ver que qualquer atraso causa desorganização total da malha aérea. Por isso que a operação padrão dos controladores foi tão anarquizante. Quem autorizou tudo isso? O que a ANAC vai fazer? Por que até agora não se iniciaram as obras da terceira pista de Guarulhos? Por que não foram transferidos vôos para Campinas? E de Brasília para Confins?"

Voce publicou esta carta em 3 de junho.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 03:13:00 BRT  
Anonymous trovinho disse...

Uma das manobras mais difíceis da aviação é o Toque e Arremetida. De tão grave, quando o piloto é obrigado a executá-la, é produzido um relatório de Incidente Aeronáutico (uma aeronave pode consumir 30% do combustível!). No paliteiro de Congonhas, embaixo de chuva, com turbulência, sem visibilidade, pista precária, tráfego intenso pelo horário, pressões econômicas empresariais, pressões políticas... Demorou para o dramático resvalar para trágico graças ao corporativismo das nossas elites, mais um gargalo que o PAC tem que enfrentar.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 03:39:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

A culpa da pista (aquaplanagem) foi desmentida ao vivo e a cores no Jornal da Globo (4a. feita).
No vídeo das câmaras do Infraero exibido compara dois aviões de mesmo modelo Airbus A-320, o acidentado passou em 3 segundos, o outro pousou apenas 2 minutos antes, na mesma pista molhada, e levou 13 segundos para cobrir o mesmo trecho, parando normalmente.

Conclusão: o esquadrão da mídia assassinou a notícia com execução sumária na terça-feira.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 03:52:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

"Qualquer um que já tenha ido para Europa ou para os EUA pode perceber que os aeroportos de lá são distantes das cidades... e que não existe nenhuma construção ou área residencial nas redondezas."

Não é verdade. Basta ver os aeroportos de Lisboa e o de Orly, em Paris, para perceber q na Europa tb há diversos aeroportos dentro da zona urbana e com bastante área residencial nas redondezas.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 03:56:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Conclusao: a culpa nao é da pista e consequentemente de Lula. Coloquem no Google AIRBUS 320 e aparecerao inumeros acidentes de igual natureza, inclusive um na india em que a reaçao foi igualzinho ao do 320 da TAM de Congonhas,so que acabou caindo no MAR.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 06:15:00 BRT  
Blogger ru62 disse...

Oi Lo!
Parabens pelo seu blog.
A sua capacidade de escrever de maneira interessante e inteligente e maravilhosa!!!
Estou sempre pensando em voce...
Tua irmazinha do outro lado do mundo.
Te adoro

quinta-feira, 19 de julho de 2007 08:15:00 BRT  
Anonymous Antonio Lyra Filho disse...

O que me impressionou, foi a Globo com poucas horas após o desastre já ter o laudo e os motivos.
Fez até ligação com acidente da Gol.
O que o Bom Dia Brasil fez, foi doutrinação contra o governo e deixou de lado o jornalismo.
Pelo que está sendo as prováveis causas do acidente, mais uma vez a emissora quebra a cara.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 09:47:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Parabéns Alon. Sua análise foi postada antes das TVs colocarem no ar ontem à noite as últimas imagens do avião do acidente.
Por outro lado, já que o Serra e o Kassab concluiram que a culpa não é da pista nem de algum órgão do governo (segundo Noblat), agora deve acabar as declarações de politicagem que visavam faturar em cima do governo federal e às custas do luto coletivo. Certamente acabarão as opiniões dos "especialistas" das redações de que foi um crime do governo. Mas espero que a opinião publicada e os "especialistas" das redações (a Globo concluiu de plano que a causa havia sido a falta das arranhuras na pista nova de Congonhas) ajude os brasileiros que não são de São Paulo a não precisarem fazer escala em Congonhas (que inegavelmente está saturado há década). É necessário criar corredores paralelos ao corredor do Congonhas.

Rosan de Sousa Amaral

quinta-feira, 19 de julho de 2007 10:41:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Vexame completo da midia nesse caso. Desmascarada a farsa da culpa da pista e consequente do Lula, querem fazer crer que o acidente tem relação com os atrasos nos aeroportos. Serão atropelados pela realidade de novo.

O que aconteceu nesses dez meses foi:

1- Dois pilotos irresponsaveis desligam o transpoder e fazem cair o avião da Gol.
2- Para desviar atenção da culpa secundária e pedir melhores salários, controladores de voo paralisam o pais e fazem operações padrão.
3-Aqui o governo tem culpa mesmo pois foi frouxo contra os controladores.
4- Quando endureceu o jogo o negocio começou a se resolver.
5- Avião da Tam pousa a mil Kms por hora e não consegue parar , aparentemente por falha tecnica do avião. Evento que até o momento não se relaciona com os anteriores.
6- Midia decreta que a culpa foi da pista e do Lula.
7- Desacreditada pelos fatos, tenta relacionar os atrasos com o acidente.
8- Oposição oportunista faz jogo politico.
9- No meio disso tudo, as familias choram a perda dos familiares. Falta de respeito é total.
10- Midia continua o linchamento desrespeitando o bom jornalismo, o Brasil e criando um clima de guerra entre os cidadãos a favor e contra o governo.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 11:12:00 BRT  
Anonymous Marcos disse...

Só mais um comentário sobre este assunto:
Novamente a disputa eleitoral (agora a de 2010) vai deixar os verdadeiros reponsáveis impunes.
No caso, os pilotos americanos, e ao que tudo indica os responsáveis pela falha mecânica do avião.

quinta-feira, 19 de julho de 2007 12:32:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home