sexta-feira, 29 de junho de 2007

O que mudou para Renan (29/06)

A situação do presidente do Senado é a seguinte: até agora, não há provas para condená-lo por quebra do decoro parlamentar. A rigor, nada mudou desde que escrevi, em Cantos escuros e ocultos (depois repetido em Divagação sobre inutilidades e utilidades), que:

da minha parte, se não aparecer alguma prova de que Renan Calheiros recebia dinheiro da Mendes Júnior ele não pode ser acusado de quebra de decoro. E a investigação no Conselho de Ética tem que ser arquivada. O ônus da prova cabe a quem acusa.

A situação de Renan ficou grave na semana passada, quando parte da base governista começou a flertar com a hipótese de lhe dar um enterro de luxo. Está em “Abraço e punhalada a gente só dá em quem está perto”:

Ontem, por sinal, o PT e o PSB uniram-se à oposição no Conselho de Ética do Senado. Hoje de manhã me telefonaram contando a piada. "Você sabe a diferença entre o mineiro e o petista? É que o petista não é solidário nem no câncer." Otto Lara Resende dizia que o mineiro só é solidário no câncer. Daí a piada.

Mas Luiz Inácio Lula da Silva enquadrou o PT quando sentiu o cheiro de queimado, quando soube que o PMDB do Senado poderia retaliar contra as gracinhas petistas e, em represália, tirar a maioria do governo na Casa -hipótese de que Lula não quer nem ouvir falar. Assim, do ângulo puramente aritmético, a coisa voltou à estaca zero. O Conselho de Ética do Senado não tem provas para condenar Renan nem se acha em condições políticas de absolvê-lo. Eis a razão por que a (até agora) maioria do conselho quer investigar mais. Na semana passada, houve um momento em que dar tempo ao tempo seria também um bom negócio para Renan. Foi quando o PT pareceu ter cedido aos encantos da oposição. Mas agora, com a base recomposta, trata-se para o presidente do Senado de tentar liquidar a fatura. Para a oposição, logicamente, trata-se de fazer o contrário, de alongar a coisa até que apareça um possível Eriberto França.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

15 Comentários:

Blogger Cesar Cardoso disse...

Mas não dá pra ficar puxando uma corda indefinidamente, né? Em algum momento ela vai estourar. E aí é saber se estoura do lado do presidente do Senado ou dos seus acusadores.

Enquanto isso, o País assiste, comendo pipoca, a mais um não-espetáculo.

sexta-feira, 29 de junho de 2007 13:54:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Alon, por trás dessa briga no Senado, acho que existem projetos de sobrevivência partidária.
Primerio Renan, depois Roriz, agora Quintanilha tem seu indiciamento na PF exposto (são de conhecimento antigo - está no site da transparência Brasil há muito tempo). Todos 3 são do PMDB.
Independente do mérito dessas denúncias, essa súbita onda moralizadora no Senado não tem envolvido senadores de outros partidos. E olha que existem até alguns que já passaram por prisão cautelar.
O papel do PMDB para o governo Lula, é o que foi o PSD para Getúlio Vargas. O partido de apoio de base conservadora, das oligarquias políticas regionais.
Com a popularidade de Lula demonstrada na pesquisa CNT/Sensus (mesmo na faixa de renda de 10 a 20 salários mínimos, sua aprovação é de 52%), Lula deve ser o grande cabo eleitoral em 2008. O PMDB vai bem mais confortável para 2008 aliado a Lula, do que o DEM e o PSDB na oposição.
O PMDB disputa o eleitorado mais conservador com o DEM, e com uma boa parcela conquistada pelo PSDB.
O PSDB ainda dispõe de governos estaduais fortes. Mas o DEM que tinha muita força no Nordeste, Norte e Centro-Oeste, vê-se ameaçado pelo PMDB com apoio de Lula. Uma perda significativa de prefeituras pelo DEM em 2008 leverá o partido a se tornar periférico na política nacional e de pouca significância na eleição de 2010.

sexta-feira, 29 de junho de 2007 14:01:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

A questão não é tão simples. A questão da quebra do decoro parlamentar não se resume ao fato de receber ou não dinheiro da Mendes Júnior.
Se o senador apresentou documentos falsos, fajutos, para justificar sua capacidade de pagamento da pensão, isso também é quebra de decoro.
Se apresentar documentos falsos, notas fajutas e cheques frios não é falta de decoro, então eu não sei o que é falta de decoro....

sexta-feira, 29 de junho de 2007 14:56:00 BRT  
Blogger Julio Neves disse...

"Não há provas para condená-lo por quebra do decoro parlamentar?"

E notas frias são o que?

sexta-feira, 29 de junho de 2007 16:31:00 BRT  
Anonymous Vladimir disse...

É preciso que processos que possam a levar a cassassação andem pari pasu com as leis do país.Não dá para um sujeito ser cassado e não acertar suas contas com a justiça.Raríssimos são os casos,lembro-me do Hildebrando Paschoal e do tarzan do Espírito Santo,se não me falha a memória,José Carlos Gratz.Eu até acho que diante da situação de envolvimento tamnho com maracutaias,que o país poderia "ceder" um perdão à todos em troca de aprovação de leis mais duras e de processo célere que impeçam ,ou pelo menos dificultem,nossa jovem democracia de sofrer este tipo de luta de tempos em tempos.

sexta-feira, 29 de junho de 2007 16:32:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O que não bate pra mim é que, de um lado, acusam o Renan de enriquecimento ilícito ou coisa parecida, com as supostas notas frias, etc., etc., mas, de outro, afirmam que com o salário dele de senador não dava para pagar a pensão da menina, entre 8 e 12 mil reais. Daí que ele teria pedido à Mendes Jr. que pagasse suas contas via o tal funcionário Gontijo. Ora, um senador que, na realidade, recebe cerca de 100 mil mensais (juntando vencimentos e salários indiretos, e sem contar com os acréscimos por convocação extraordinária, recesso, etc.) e ainda por cima tem mais de 1500 cabeças de gado nas suas fazendas, não teria dinheiro para pagar a pensão? Ele até poderia dizer que não teria dinheiro, para negociar um abatimento com o advogado da senhora Veloso, mas não me convence. E a tal chantagem?

sexta-feira, 29 de junho de 2007 18:53:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

...no caso é falta de "decorar" a Constituição, onde estão definidas as instituições permanentes, as cláusulas pétreas e muito mais do que cabe aos agentes políticos saberem na ponta da língua e praticar até sob vara. É pedir demais, mas algum dia alguém vai aprender e apreender as lições disto tudo. Pena que muitos torcem para que sobrem poucos a aplaudir.
Sotho

sexta-feira, 29 de junho de 2007 19:05:00 BRT  
Anonymous Bruno Pinheiro disse...

Alon, salvo engano, quem disse a frase : "O mineiro só é solidário no câncer" foi Nelson Rodrigues e não Otto Lara Resende.Diz-se até que este teria ficado magoado com o dramaturgo, pois achou que a frase foi em referência a ele.

sexta-feira, 29 de junho de 2007 22:17:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

É preciso muita cara de pau ou ser levado por um ultra-governismo petista para dizer que "não há provas contra Renan". Não fosse pelas notas frias, nem pelos bois supervalorizados e com taxas de natalidade suiças em pleno sertão e nem pelas mentiras enconbrinco mentiras, cá pra nós: é decoroso que o presidente do senado tenha como amigo mais íntimo um lobista de empreiteira (favorecida por emendas dele)?? O rei está mais do que pelado, Alon.

sábado, 30 de junho de 2007 13:45:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Concordo com você Alon. Qualquer rábula sabe que um processo inicia com uma denúncia. A acusação é como uma foto a revelar os fatos ("Mendes Júnior pagou despesas do Senador") que autorizariam a caracterização da quebra de decoro. Em cima daqueles fatos denunciados haverá uma investigação: quem denunciou apresentará as provas; mesmo que não haja defesa se não se provar os fatos narrados na denúncia não há como se condenar. O problema é que a opinião publicada não possui assessoria (ou se possui age de má fé ao não esclarecer) e começa a pipocar versões (que não são fatos). Quém acreditar fielmente nestas "opiniões publicadas", podem comer gato por lebre e colher versões pensando que está recebendo fatos. No caso do Renan (que eu não ponho a mão no fogo por ele, ném para sua defesa) é inegável que estão rasgando o devido processo legal. A denúncia virou dinâmica, e pode ser mudada mesmo após o parecer do relator; mesmo que não tenham provado que a Mendes Júnior pagou as despesas do Senador. Virou processo político, virou disputa pelo poder - quem perdeu a eleição da presidência do Senado quer novamente disputá-la necessitanto afastar o presidente para isso. A opinião publicada convalidará qualquer violação ao devido processo legal por razões subjetivas (o parlamentar apoia o Presidente que foi eleito contra a vontade deste opinião pública; o parlamentar é de um partido que apoia o presidente; porque ele é do nordeste, etc. e tal). Não sou dono da verdade. Certamente há opiniões diferentes, mas esta é a minha sincera opinião, tanto que faço questão de apontar o meu nome.

Rosan de Sousa Amaral

sábado, 30 de junho de 2007 19:54:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Pelo amor de Deus, o senador Renan deve ter muito mais falcatruas nas costas, desde o tempo em que participou do tal jantar em Pequim, onde ele, o Claudio Humberto, o Collor e outro que não me lembro agora, decidiram tomar de assalto a Presidência da República do Brasil. Mas dizer que uma pessoa, um político que seja, tem agora de selecionar seus amigos íntimos entre pessoas completamente desvinculadas de qualquer empresa que tenha a mínima relação com o governo federal, é DEMAIS! Quer dizzer que um senador não tem direito a ter amigos pessoais, ou será que todo amigo antigo de um senador torna-se, por isso mesmo, candidato a assaltante dos cofres públicos e a amizade vira conluio? Moralismo idiota!

sábado, 30 de junho de 2007 19:57:00 BRT  
Blogger rafael disse...

tudo bem, o ônus da prova cabe a quem alega. mas... se eu me defendo com provas falsas e minto no Senado, estou quebrando o decoro?

sábado, 30 de junho de 2007 23:20:00 BRT  
Blogger thiagopierote disse...

não há provas??? nossa Alon agora vc me decepcionou...não precisa procurar muito...o presidente do senado usar um lobista de empreiteira pra quem já conseguiu emendas para efetuar pagamentos pessoais seria mais do que quebra do decoro em qualquer país sério...

domingo, 1 de julho de 2007 12:18:00 BRT  
Anonymous Rodrigo disse...

Alguem lembra do que Gualtama ainda? Esse escândalo do Renan foi muito útil, isso sim...

segunda-feira, 2 de julho de 2007 10:29:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Já estão pulando etapa novamente. Se o Renan produziu provas falsas ou mentiu para o Senado (repito, não ponho a mão no fogo para ele) deve ser aberto outro processo de quebra de sigilo, porque o presente tem o seguinte fato denunciado: A MENDES JUNIOR TERIA PAGO OS VALORES QUE O RENAN REPASSOU PARA A MÃE DE SUA FILHA.
Nunca esqueçamos que OS FINS NÃO JUSTIFICAM OS MEIOS.

Rosan de Sousa Amaral

segunda-feira, 2 de julho de 2007 22:16:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home