segunda-feira, 7 de maio de 2007

Uma preocupante vocação para o golpe (07/05)

Eu não havia entrado no tema da nomeação de Roberto Mangabeira Unger para um ministério de Luiz Inácio Lula da Silva. Afinal é um assunto relativo apenas ao governo e ao próprio professor de Harvard. Pelo menos até que ele faça algo como ministro e sua ação possa ser avaliada à luz do interesse público. Este blog trata preferencialmente de questões de mérito e conteúdo. Mas hoje o professor-ministro aparece em uma entrevista na Folha de S.Paulo que abre assim:

FOLHA - Depois de tudo o que escreveu, quem errou ou quem mudou: o sr. ou o presidente Lula?
ROBERTO MANGABEIRA UNGER - Errei. Os fatos demonstraram que o presidente não teve envolvimento direto ou indireto naqueles episódios (...)


Isso sim interessa ao público. Recordando, Mangabeira Unger acusou em 2005 o presidente da República de corrupção e pediu o impeachment de Lula. Hoje ele diz que aceitou ser ministro (Ações de Longo Prazo) porque "os fatos demonstraram que o presidente não teve envolvimento direto" nos eventos que levaram à crise de 2005-2006. Ou seja, quando envereda pela política o titular de Harvard forma suas convicções e propõe linhas de ação antes mesmo de conhecer os fatos. Possivelmente guiado por suas conveniências, Mangabeira Unger foi capaz de pedir o impeachment de um presidente democraticamente eleito ainda que não houvesse razões objetivas para sustentar um processo contra Lula por crime de responsabilidade. É demais para mim. Só lamento que o presidente tenha chamado alguém assim para a sua equipe. Dar poder, ainda que pequeno, a pessoas com vocação golpista nunca é bom.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

11 Comentários:

Anonymous José Augusto disse...

Nunca consegui prestar muita atenção no que diz Mangabeira Unger, por isso nem tinha conhecimento desse viés golpista. Lembro-me dele manisfestando seu apoio à Lula no horário eleitoral gratuíto em 2006 (acho que no 2o. turno).
Sempre o achei um intelectual superestimado, que nunca me despertou maior interesse em conhecer a fundo sua obra e suas idéias. Do pouco que ouvi/li, o ponto forte de seu pensamento que eu admiro é o nacionalismo, no melhor sentido da palavra: de pensar numa nação brasileira com grandeza.
Não sei se me preocupa mais dar poder a quem fez coro ao golpe, ou pela própria qualidade das idéias no traçar de estratégias para o futuro do Estado brasileiro.
O que me tranquiliza é que Lula parece já ter traçado seu caminho pelos próximos 4 anos, e excluindo um grupo de meia dúzia de ministros que realmente tocam o governo, os demais Ministros ou são conselheiros, ou são representantes dos partidos na esplanada, sem maiores ingerências nos destinos do gorveno.

segunda-feira, 7 de maio de 2007 13:27:00 BRT  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

Lula já tem "alguém assim (na)sua equipe": o ministro da Justiça Tarso "Fora FHC" Genro.
abs.

segunda-feira, 7 de maio de 2007 13:31:00 BRT  
Anonymous Frank disse...

Paulo Araújo,

Vc "roubou" meu comentário.

O Alon costuma ser coerente. Vamos ver como se sai dessa.

segunda-feira, 7 de maio de 2007 16:09:00 BRT  
Anonymous Frank disse...

Alon, tb não sei qual o problema de se pedir o impeachment de "um presidente democraticamente eleito". Um monte de gente não clamou pelo impeachment do Collor? Ora, e ele não foi democraticamente eleito? Será que sua ressalva só vale para o Lula?

Parece-me que vc incorre no "preconceito às avessas", que pode ser grosseiramente formulado assim: Lula, em razão de suas origens e do mito popular que representa, estaria desobrigado a cumprir essas enfadonhas regras de conduta que o estado de direito impõe a todos os brasileiros. Veja que, no que diz respeito a Lula e os escândalos de seu governo, não estou dizendo que caberia impeachment. Só não concordo com o pensamento – encampado por muitos – de que Lula estaria, a priori, fora do alcance – algo como uma inimputabilidade especial.

segunda-feira, 7 de maio de 2007 16:26:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Paulo e Frank,
Algo me diz que não foi somente o Tarso Genro. Parece que a palavra de ordem tinha aceitação ampla nessa parte da esquerda. Um golpista a mais um a menos não há de fazer diferença.
Sandor

segunda-feira, 7 de maio de 2007 17:14:00 BRT  
Blogger Alon Feuerwerker disse...

Até hoje o Tarso Genro tenta explicar aquela maluquice. Sem conseguir, diga-se. Mas a situação do Mangabeira Unger é pior. O Tarso argumentava na época (1999) que a desvalorização cambial havia tirado a legitimidade do segundo mandato de FHC. Ou seja, o fato acontecido (desvalorização) implicaria o impeachment. Agora é pior. O Mangabeira Unger, professor titular de Harvard, publicou na imprensa um manifesto pela derrubada de Lula antes de saber se havia fatos que a justificassem. Hoje ele admite que à época não havia os tais fatos -e não há até hoje. O Mangabeira responsabiliza os jornais por terem publicado coisas que o induziram a fazer mau juízo do Lula e a pedir o impeachment dele. Os mesmos jornais que lhe deram a palavra quando ele decidiu investir contra o mandato popular de um presidente democraticamente eleito. Esse detalhe fala por si sobre quem é o professor Roberto Mangabeira Unger.

segunda-feira, 7 de maio de 2007 17:19:00 BRT  
Anonymous paulo araújo disse...

Só é pior porque foi contra o Lula, Alon. Fosse contra um candidato da Zelite, como o caso de Genro, o mal é sempre menor.

Também concordo que jogar a culpa na Imprensa pelas bobagens que escreveu revela bem a medida do caráter desse senhor.

E quem esse cara pensa que engana, Alon? Quem ele pensa que vai engolir essa desculpinha esfarrapada da "culpa da imprensa golpista"? Anota aí, Alon, o professor de Harvard ainda vai dar muito o que falar e rir.

Frank

Alon é sempre muito coerente. A prova última é o seu (dele)comentário anterior e a sua afirmação sobre sempre votar na esquerda contra a direita no post sobre as eleições na França.

Aliás, quem lê o blog do Alon pode apenas ficar irritado com a coerência dele. Agora, irritar-se com o esquerdista Alon porque ele manifesta no seu (dele) blog a sua(dele) coerência, aí isso já é coisa de brucutu.

abs.

segunda-feira, 7 de maio de 2007 19:12:00 BRT  
Anonymous trovinho disse...

Se não me engano, parece que foi o Sérgio Motta que saiu com a tal da "masturbação sociológica"; vamos deixar o cara (Unger) provar que não é mais (um) onanista, haja vista que hoje, no programa Roda Viva, o ex-ministro dos Transportes do Mandela falou pra gente cobrar resultados e não idéias dos políticos.

terça-feira, 8 de maio de 2007 04:11:00 BRT  
Anonymous JV disse...

Alon, se pedir impeachment é ser golpista, quem pediu que FHC fosse impichado é o que?

terça-feira, 8 de maio de 2007 08:39:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O Lula convidou o Mangabeira para o Ministério só para ter o prazer de demiti-lo. Só isto.

terça-feira, 8 de maio de 2007 19:49:00 BRT  
Anonymous Jura disse...

Eu esperava por esse post. A espera valeu a pena.

That's it, Sir.

quarta-feira, 9 de maio de 2007 15:14:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home