quarta-feira, 2 de maio de 2007

Uma crítica direta de Fidel ao Brasil (02/05)

Um novo artigo de Fidel Castro sobre os biocombustíveis está no Granma. Desta vez, ele esmiuça informações e reflexões sobre o Brasil em sua crítica.

Reflexiones del PRESIDENTE FIDEL CASTRO

Lo que se impone de inmediato es una revolución energética

Nada me anima contra Brasil. Para no pocos brasileños, sobre los que no cesan de martillar argumentos en un sentido u otro, capaces de confundir a personas tradicionalmente amigas de Cuba, pareceríamos aguafiestas a los que no les importa perjudicar el ingreso neto de moneda exterior de ese país. Guardar silencio sería para mí optar entre la idea de una tragedia mundial y un supuesto beneficio para el pueblo de esa gran nación. No voy a culpar a Lula y a los brasileños de las leyes objetivas que han regido la historia de nuestra especie. (Continue, clicando aqui...)

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

5 Comentários:

Anonymous Neves disse...

Alon,
O homem está cheio de razão.
O mundo consome anualmente dez bilhões de toneladas de combustíveis fósseis, umas tres vezes a safra agricola, uma hora isso vai acabar. Não há safra agrícola que possa sustentar esse consumo, mesmo suprimindo o fornecimento para o consumo humano.
Está falido o modelo do American Way of Life. Ele não tem sustentação.
Adeus à economia monetária. Veremos o desabar da produção, e sob essa retração será impossível construir uma economia em expansão para sustentar a expansão financeira.
Tchau para o capitalismo financeiro.

quarta-feira, 2 de maio de 2007 21:59:00 BRT  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

O que Fidel diz hoje é tão relevante quanto o que qualquer comentarista diz aqui no seu blog.

abs.

quinta-feira, 3 de maio de 2007 00:48:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Afinal, o que pretende Fidel colocar no lugar do que critica. Será que implementar algum processo científico e socialista de aceleração do desenvolvimento de florestas, flora, fauna e lavoura, que superasse o modo capitalista? A coisa de durante o dia fabricar tratores e de noite escrever poesias, pode ser romântico e desejável. Mas, como fazer tal utopia ser realizável?

quinta-feira, 3 de maio de 2007 08:58:00 BRT  
Anonymous JV disse...

Alom, tenha paciencia, Fidel sabe o caminho da fortuna (b0a sorte)?

sexta-feira, 4 de maio de 2007 00:41:00 BRT  
Anonymous José Pires disse...

As preocupações de Fidel Castro são bem sensatas. E ele deve saber bem o que é uma economia submetida à monocultura. Cuba sofreu bastante trocando açúcar por combustível com a União Soviética durante anos.

No Brasil, já surgem respostas à Castro. Petistas e agregados (o PCdoB é um deles) tentam desmerecer as críticas do cubano. O triste é que, se a proposta fosse de um governo tucano, por exemplo, essas mesmas pessoas estariam alinhadas com Fidel. Parece que não há nenhuma sinceridade em nada do que essa gente defende.

Em seu blog, José Dirceu chega até a defender a mecanização das lavouras de cana. Segundo ele, é uma “visão errada a que procura manter os cortadores alegando que ficarão desempregados com a mecanização”.

A solução para este problema ele também tem: “governos federal, estadual e municipal, tem que fazer, e os empresários e trabalhadores, por seus sindicatos, é dar ao trabalhador formação profissional para os novos tempos”. Para Dirceu “em geral, a agro indústria e o crescimento dos serviços absorverão esses trabalhadores”.

E, segundo ele, “temos que criar mais empregos em todo pais - 2 milhões por ano pelo menos”.

Em quatro anos dá 8 milhões, só dois a menos que o prometido (e não cumprido) para o primeiro mandato de Lula.

Parece fácil, não? Fidel Castro está preocupado à toa.

sábado, 5 de maio de 2007 16:30:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home