sábado, 26 de maio de 2007

Por que não começar abolindo, por exemplo, as medidas provisórias? (26/05)

Do G1, site de notícias da Globo:

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu ontem denúncia à Justiça pelo maior acidente aéreo da história do País e culpou dois pilotos e quatro controladores militares. Um dos controladores foi denunciado por crime intencional e é apontado como principal responsável pelas 154 mortes do acidente entre o Legacy e o Boeing da Gol, em 29 de setembro. Dos seis, cinco devem responder a processo por expor a perigo aeronave própria ou alheia, o que resultou em um desastre culposo (sem intenção). Já o sargento Jomarcelo Fernandes dos Santos, de Brasília, foi denunciado por dolo (intenção) eventual, ou seja, é acusado de assumir com sua conduta o risco de produzir um desastre - pouco se importando se isso de fato ocorresse. O juiz Murilo Mendes, da Subseção Judiciária de Sinop (MT), deve acolher o pedido, que tem por base um inquérito da Polícia Federal, e abrir processos pelo crime de atentar contra a segurança de vôo. Mendes deve manifestar-se apenas na próxima semana. No inquérito, a PF não indiciou controladores. Na acusação, o procurador da República em Mato Grosso Thiago Lemos de Andrade sustenta que os pilotos do Legacy, Joseph Lepore e Jan Paul Paladino, e três controladores de vôo, Lucivando Tibúrcio de Alencar, Leandro José dos Santos de Barros e Filipe Santos dos Reis, agiram com negligência e irresponsabilidade. (Continua...)

A cada passo desse processo, cai uma peça da trama que pretende imputar o acidente à suposta "ineficiência estrutural" do controle do tráfego aéreo brasileiro. Aliás, os apologistas do "caos aéreo" deveriam explicar por que diacho a situação se normalizou quase instantaneamente a partir de abril, quando o Palácio do Planalto foi constrangido a devolver à Força Aérea Brasileira (FAB) a autoridade sobre os controladores de vôo amotinados. Vejam que interessante. Não houve qualquer reforma estrutural no sistema nos últimos dois meses, mas os atrasos e o colapso nos aeroportos acabaram. Claro que a confusão pode voltar, pois o problema político que está na raiz da crise não foi resolvido. Sem que se saiba exatamente por quê, o governo insiste em desmilitarizar a atividade dos controladores. Eu continuo com a minha curiosidade dos últimos meses: quais são os bons negócios que se ocultam atrás da leniência com a indisciplina militar? Pois o único argumento apresentado até agora para desmilitarizar o controle do tráfego aéreo é que em quase todos os países a atividade é civil. O argumento não é ruim. Aliás, ele é tão bom que eu proponho aplicá-lo a outras coisas, talvez mais importantes. Poderíamos, por exemplo, começar abolindo as medidas provisórias, o orçamento autorizativo e a farra da publicidade oficial. Três coisas bem brasileiras. Que tal? Mas, voltando ao choque entre o avião da Gol e o Legacy, retomo uma questão que ficou perdida lá atrás. O que você acha que teria acontecido com dois pilotos brasileiros que se envolvessem num acidente semelhante, mas nos Estados Unidos? Você acha que eles teriam sido liberados "na buena", como foram aqui os americanos?

O Blog do Alon é finalista na categoria Melhor blog de jornalismo e/ou jornalista da Revista Imprensa. Para poder votar, você deve se cadastrar gratuitamente clicando aqui.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog.

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

10 Comentários:

Anonymous Luiz Lozer disse...

Queridos

esperem o CENIPA (o responsável pela investigação)

o procurador, ta botando o carro na frente dos bois.

qualquer aluno de aeroclube, com 20 horas de vôo sabe operar um transponder, o fato de o avião ser novo nao diz nada. TODOS OS TRANSPONDERS SÃO PRATICAMENTE IGUAIS.

o responsável pela navegação do legacy era o PILOTO EM COMANDO, não o centro Brasília.

QUEM ESCOLHE OS NÍVEIS DE VÔO SÃO OS PILOTOS. eles (na verdade a embraer fez o plano pera eles, coisa muito comum)escolheram um nível até brasília e depois outro até belém. a responsabilidade de mudar era deles, o controlador deve te lembrar, mas a responsabilidade é do comandante.

quem esperar o CENIPA verá.

sábado, 26 de maio de 2007 20:35:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Eu entendo que o COMANDANTE do avião sempre é o piloto. É ele quem responde pelo cumprimento do plano de vôo e por dar alerta sobre mal funcionamento, desvios do plano de vôo, pedir socorro (como pediram APÓS O ACIDENTE).
Os controladores de vôo são pessoal de apoio que sinalizam o tráfego. Eles não dirigem o avião por controle remoto.
Eles podem ter desempenhado mal suas funções. Um controlador pode ter sido omisso a ponto de negligenciar riscos. Cada qual deve responder por seus erros.
Mas é impossível querer fazer dos controladores os COMANDANTES do Legacy.

sábado, 26 de maio de 2007 22:29:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

"o responsável pela navegação do legacy era o PILOTO EM COMANDO, não o centro Brasília.

QUEM ESCOLHE OS NÍVEIS DE VÔO SÃO OS PILOTOS."

Não não não, a coisa não funciona assim. Quem é o responsável por indicar em que nível de voo o avião deve voar é o CONTROLE AÉREO. O plano de vôo serve para indicar a intenção da tripulação, mas a última palavra é sempre do controle.

"Os controladores de vôo são pessoal de apoio que sinalizam o tráfego. Eles não dirigem o avião por controle remoto."

Não dirigem por controle remoto mas fazem quase isso. A tripulação deve fazer tudo o que o controle mandar, e a tripulação não pode fazer nada sem autorização do controle.

No caso do acidente da Gol a torre de S.J.Campos informa ao Legacy para voar "nível 370 até Manaus". A partir desse momento o Legacy passou a ter autorização, mais do que isso a obrigação, de voar no mesmo nível até Manaus. Não importa o que diz o plano de vôo, o que importa é o que o controle diz para você.

Não pense que o relatório do CENIPA vai apontar algo diferente da PF. A Aeronáutica e os controladores sabem desde o primeiro dia onde está a culpa, e esse movimento todo dos controladores surgiu originalmente para pressionar a Aeronáutica na investigação.

domingo, 27 de maio de 2007 07:54:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Houve um aproveitamento politico em todas as instancias no desatre da Gol. Alguns querendo desgastar o governo Lula, outros querendo ganhar financeiramente. Quem saiu perdendo foram ambos e, principalmente, o país. Engraçado é que por mais ineficiente que seja o trafego aereo brasileiro como alguns alegam, raros sao os acidente do tipo da Gol. Se fosse tao ineficiente como alegam, deveria ocorrer mais desastres desse tipo, né, nao??? Contra fatos nao ha argumentos!!!

domingo, 27 de maio de 2007 12:07:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Bem lembrado: Se há tamanha ineficiência do tráfego aéreo, por quê não sofre interdição pelo menos parcial? E por quê os membros da CPI continuam a voar sistematicamente e destemidamente?
A torre de S.J.dos Campos dar ordens de mudar a altitude do plano de vôo em área que ela não controla vôo não faz o menor sentido. Faria sentido se ela comunicasse ao Cindacta de Brasília. Faz menos sentido ainda os pilotos (COMANDANTES) não comunicarem essa mudança de rota ao Cindacta de Brasilía, ou apenas os incrimina mais por negligência. Essa história está, no mínimo, mal contada.
Se essa discussão fosse mais técnica e menos política, se respeitassem e aguardassem os laudos da investigação especializada do CENIPA, acho que ganharíamos na qualidade dos debates.

domingo, 27 de maio de 2007 12:57:00 BRT  
Anonymous Luiz Lozer disse...

Querido Anônimo

QUEM ESCOLHE OS NÍVEIS DE VÔO SÃO OS PILOTOS, são eles mesmos.

Você faz o plano e indica o nível em que vai voar (só vc sabe as características de performance de seu avião) o plano é aprovado ou não, nunca vi um plano não ser.

"o responsável pela navegação do legacy era o PILOTO EM COMANDO, não o centro Brasília. É isso mesmo (leia o código brasileiro de aeronáutica e veja se encontra alguma coisa diferente disso)


"Os controladores de vôo são pessoal de apoio que sinalizam o tráfego. Eles não dirigem o avião por controle remoto." Existe um tipo de serviço de controle que se chama vetoração radar onde a navegação e responsabilidade do controlador, não era o caso do legacy.


No caso do acidente da Gol a torre de S.J.Campos informa ao Legacy para voar "nível 370 até Manaus". A partir desse momento o Legacy passou a ter autorização, mais do que isso a obrigação, de voar no mesmo nível até Manaus. Não importa o que diz o plano de vôo, o que importa é o que o controle diz para você.

Tem o cara do solo, deve ter sido com ele o dialogo, gostaria de ler para dar uma opinião.

segunda-feira, 28 de maio de 2007 10:31:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

luiz lozer, fala aqui o Anônimo.

O plano de voo é só um PEDIDO da tripulaçào, e pode ser aprovado "conforme" ou com alterações. Ou seja o piloto pode escolher um nível mas ser aprovado outro, o que não é raro.

Quando a torre SJC autorizou nível 370 até Manaus, o que o piloto pediu no plano não importa mais, vale o que a comunicação da torre.

Nenhum piloto é maluco de achar que o plano de voo - o PEDIDO dele - vale mais do que uma ordem do controle.

Não dá para apagar a culpa dos controladores. Lamento por eles porqe ao que consta são boas pessoas, mas erraram.

terça-feira, 29 de maio de 2007 02:25:00 BRT  
Anonymous Luiz Lozer disse...

Caro Anonimo

por isso o COMANDO É DO PILOTO, se essa comunicação existiu, foi absurda, voar no 370 até manaus significa voar na contramão( nível de brasilia até manaus tem que ser "par" 360 ou 380 NUNCA 370.

vc tem que fazer sempre uma analise critica do que o controle fala, por que a responsabilidade é sua, do PILOTO EM COMANDO. se o controle te manda bater no morro vc não vai não! (o caso dos mamonas lembra?)

isso é o feijão com arroz da aviação, você não pode voar na contramão baseado no que o camarada de solo falou(provavelmente foi esse cara, não a torre, apesar de ele estar na torre, hehehe, é diferente)

querido, quem está lá dentro é vc, é a sua bunda que está sentada lá, não a do controlador, ele não tem elementos para decidir por vc. vc tem a autoridade máxima e a responsabilidade também.

nunca vi um plano bem feito alterado, lembre-se, vc é que conhece os parâmetros de performance e segurança do avião, agora claro que vc vai escolher os niveis baseado no regulamento. por exemplo um plano de vôo de são josé para manaus em um só nivel de vôo, como o 370, seria recusado, entendeu?

Os controladores falharam? Claro que sim , faltou inglês, sobrou descontentamento, eles viram o legacy por 6 minutos voando no nível errado, eles falharam.

Mas o chefe dos elos foi Joe Lepore o capitão do legacy, sobrou descuido, desconhecimento do espaço aéreo Brasileiro, sobrou notebook, papo furado sobre cg enquanto tinham que “administrar o vôo”. Faltou inserir os dados do plano de vôo no FMS (flight manager system) que teria mudado os níveis para eles.

Queridos apesar de botar a responsabilidade no Lepore, defendo veementemente a não criminalização do ACIDENTE, acidente aeronáutico é coisa séria, essa CPI me enche de vergonha, picadeiro ridículo. Indiciamento de procurador e inquérito da PF também, estamos mais parecidos com a Bolívia do que com nós mesmos, éramos bons nisso.

terça-feira, 29 de maio de 2007 09:58:00 BRT  
Anonymous Jura disse...

E mais, Alon: você acha que o governo - ou melhor, o Estado -americano iria pagar as devidas indenizações como está sendo tramado abertamente aqui?

Esse é outro negócio que está sendo tramado por detrás dessa celeuma toda. Estão empurrando essa conta para nós todos na maior cara de pau. A oposição não tá nem ai pra isso, desde que possa atingir o governo. E o sindicato dos controladores, idem, às custas da reputação de seus próprios membros.

quarta-feira, 30 de maio de 2007 11:29:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

luiz lozer,

"isso é o feijão com arroz da aviação, você não pode voar na contramão baseado no que o camarada de solo falou"

amigo, pode sim. e nao só pode como deve. o piloto tem que seguir as ordens do controle. voce já viu algum piloto recusando uma ordem e dizendo ao controle 'olha, voce está me mandando ir para o nivel 370 mas eu vou voar no 360, ok?'

Isso é básico. E quem falou não foi o 'camarada de solo', foi o sistema de controle de tráfego aéreo, que o 'camarada de solo' (é um termo técnico esse?) faz parte.

"se o controle te manda bater no morro vc não vai não! (o caso dos mamonas lembra?)"

super argumento esse seu, nao?

sábado, 2 de junho de 2007 09:00:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home