sábado, 17 de fevereiro de 2007

A inflação esquenta a chapa sob Chávez e por que Meirelles não sai (17/02)

Do The New York Times:

"Confrontado com uma inflação que acelera e com a escassez (...) de produtos como carne, frango e leite, o presidente Hugo Chávez ameaçou colocar comerciantes atrás das grades e nacionalizar os estabelecimentos deles, caso violem o crescente controle de preços. (...). A inflação [venezuelana] subiu para 18,4% anuais em janeiro, a maior da América Latina e bem acima da meta oficial, [situada] entre 10% e 12%."

Clique aqui para ler na íntegra a reportagem do NYT. Fico imaginando agora os sentimentos de Luiz Inácio Lula da Silva, quando olha para os problemas de Chávez e se lembra dos que, há quatro anos, pedem para ele, Lula, "um pouquinho mais" de inflação. Para alavancar "um pouquinho mais" de crescimento. Você entendeu agora por que o Henrique Meirelles não sai do Banco Central nem a pau. E percebeu por que Lula prefere que o Comitê de Política Monetária (Copom) decida sozinho a taxa de juros. E compreendeu por que o presidente não vai passar essa atribuição ao diretório nacional do PT.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

2 Comentários:

Anonymous Fernando disse...

A parte em que explica a preocupação do Presidente com a inflação eu entendi, mas ainda estou tentando entender a parte que coloca o Delfin, o Gerdau e o José Alencar no diretório do PT.

sábado, 17 de fevereiro de 2007 16:10:00 BRST  
Blogger Dourivan disse...

Não se trata de "um pouquinho mais inflação" por mais crescimento, mas da doutrina de "preemptive war" que insiste em enxergar sinais inflacionários duas casas à direita da vírgula e estabelece um limite de crescimento "científico" de 3,5% ao ano para não colocar em risco o controle da inflação. E nem se diga que o presidente não tem interlocutores de confiança (leia-se, que não sejam "petistas dispostos a arriscar a boa ciência econômica por razões ideológicas") que saibam fazê-lo distinguir uma coisa da outra. Só da lista de três nomes que o Fernando citou antes aí, vamos tirar o Gerdau e o Alencar, por serem industriais e não economistas, e ainda sobra o Delfim que vem insistindo no assunto há quanto tempo... Seriam também o Pastore e o Bracher inflacionários irresponsáveis?

terça-feira, 20 de fevereiro de 2007 18:17:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home