sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

Uma comparação indevida (12/01)

O governo decidiu dar um calor na turma que explora os pedágios a pretexto de cuidar das estradas. Parabéns. Antes tarde do que nunca. Recordo aqui o que disse sobre o assunto num post recente (Uma conversa de bar sobre Caim e Abel), em que comentava por que o mercado no Brasil não funciona:

Ah, sim, as estradas. Num país qualquer, quando a estrada tem pedágio você pode optar por uma outra, mais simplezinha mas sem pedágio. Aqui não. Nem estrada de terra é oferecida para quem não quer usar a rodovia pedagiada.

Ontem um subprocurador disse que o negócio das estradas exploradas por particulares no Brasil é tão rentável quanto o narcotráfico. O pessoal se escandalizou. Não precisava. A comparação foi entre taxas de retorno do investimento. Mas, pensando bem, não dá mesmo para comparar as duas coisas. No tráfico de drogas existe risco. Tem a polícia. O traficante pode ser preso, morto ou perder a mercadoria. Não é como nesse negócio de concessão de estradas no Brasil, em que basta ficar sentado e recolher a féria no fim do dia.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

12 Comentários:

Anonymous Marcos disse...

Parabéns Alon pelo seu sucesso. ( RANKING DOS 30 BLOGS MAIS LIDOS NO BRASIL PELO IBOPE). O único problema do seu Blog é a sua capacidade de síntese. Esgota o assunto e deixa os leitores sem comentários. Um abração.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 13:33:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Onde está esse ranking do IBOPE?

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 14:36:00 BRST  
Anonymous Caetano disse...

Em se tratando de tributação e malversação do dinheiro arrecadado, a capacidade do nosso governo parece infinita.
Teremos estradas tão esburacadas como antes, e pagando pedágio, quer apostar?
Concordo que temos que lutar para a diminuição das taxas, mas quem viaja em estradas com manutenção governamental sofre como o diabo.
Não adianta, o governo é absolutamente incapaz ou - sendo caridoso - extremamente ineficiente para cuidar das estradas.
É só perguntar a quem viaja nas estradas de São Paulo, comparando com as rodovias federais.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 17:20:00 BRST  
Blogger cid disse...

Alon

Fiquei uns dias sem visitar seu espaço mas vejo que você continua firme e forte neste início de 2007.

É preciso continuar chamando as coisas pelo nome. Por exemplo, a de que este é um capitalismo rastaquera (com capitalistas idem), o melhor dos mundos para os que eram (eram?)amigos do rei: não há riscos, tudo é garantido pelos contratos (camaradas)e a polícia ainda dá cobertura quando o MST resolve desbloquear a cancela.

O pessoal ficou estressado, é? Bom sinal. É preciso pôr o dedo na ferida; afinal, pedágio faz parte do custo Brasil. Essa gente não vive reclamando da carga tributária? Então, vamos começar a baixá-la.

cid cancer
mogi das cruzes - sp

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 19:27:00 BRST  
Anonymous amigodoblog disse...

Alon, acho que você não andou na Transbrasiliana e na Washington Luiz. A diferença é grande, muito grande.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 21:29:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Andei mais de cem quilômetros no final da Anhanguera. Trecho pedagiado. Paguei pouco mais de R$ 12. A estrada foi castigada pelas chuvas e apresenta buracos sim em vários pontos. Longe de ser o tapetão vendido pelos defensores dos pedágios.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 22:59:00 BRST  
Blogger Ricardo disse...

Então vamos falar do ProUni, este sim, o verdadeiro capitalismo sem risco, criado pelo partido da boquinha. Antes, vagas que ficavam ociosas por incompetência/baixa qualidade, agora são preenchidas por incautos estudantes que mal conseguem escrever uma sentença com pontuação (mas serão dipromados!!!). Para a faculdade, é só encher e baixar custo - o retorno é pornográfico e sem risco. Nas estradas, se um desastre quebrar uma ponte, o risco é do empresário. Nas faculdades do ProUni, se o aluno fica inadimplente... não há risco! Tem ProUni para cobrir!

Quanto ao tráfico de drogas, seria interessante comparar o mal que empresários causam ao país comparado com o tráfico de drogas. Realmente deve ser bem pior ser empresário numa terra que louva traficantes e mensaleiros.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 23:13:00 BRST  
Blogger Luca Sarmento disse...

Acho louvável a idéia de estradas alternativas, não pedagiadas.

Discordo do argumento que o negócio de concessão de estradas seja livre de risco. Em ambientes de insegurança jurídica, há sempre o risco dos governos não cumprirem os contratos e os investidores amargarem no prejuízo.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007 23:14:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Ave Luca!

Vê, Alon?

Para quem não vê, o que Luca diz é que o custo de um empreendimento deste porte feito com capital privado no Brasil tem um componente muito concreto:
"governos não cumprirem os contratos".

Este, Alon, foi um post de um moralismo típico da cultura esquerdista. E a ironia no fim do post foi de extremo mau gosto.

Lotufo inicia assim um post que não tem nada a ver com este. Mas vale transcrever a frase:

"Apesar da tradição ocidental em "glamourizar" (existe esse verbo?) o crime e criminosos, desde o "O Poderoso Chefão" de Mário Puzo até "O Guri" de Chico Buarque, ser mal não compensa. Além de vaga cativa no inferno, o caminho a ele é mais curto."

(O crime não compensa, mesmo. Ex-detentos morrem muito mais.)
http://paulolotufo.blogspot.com/

Estou escrevendo com o fígado, que, até onde sei, é o único órgâo do nosso corpo que se regenera. Para o bem e para o mal.

Registro, ainda, um texto do professor e diplomata Paulo Roberto de Almeida:

"Prólogo necessário:

Faço parte daquilo que poderia ser classificado, à falta de melhor definição, como “cultura de esquerda”, algo suficientemente disseminado no Brasil para obrigar-me aqui a maiores elaborações sobre seu conteúdo específico. Talvez eu devesse dizer que pertenço hoje bem mais à “cultura” do que à “esquerda”, et pour cause: adjetivos desse tipo, one-sided, são em geral reducionistas ou simplificadores e os maniqueísmos que usamos na vida corrente não estão adaptados aos matizes da realidade e a uma visão abrangente dos processos sociais, sempre complexos em sua totalidade. Dicotomias como “esquerda” e “direita” são partes de um todo, mas relutam em abrigar as particularidades que não se encaixam em seus moldes pré-concebidos."

Título do texto:
A cultura da esquerda. Sete pecados dialéticos que atrapalham seu desenvolvimento.
http://www.espacoacademico.com.br/047/47pra.htm

Os endereços para quem quiser conhecer outros textos do PRA:

http://www.pralmeida.org/

http://diplomatizzando.blogspot.com/

sábado, 13 de janeiro de 2007 03:31:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

Pedágio na mão do governo é igual CPMF para a saúde...

sábado, 13 de janeiro de 2007 05:01:00 BRST  
Anonymous Marcus disse...

"O Guri" do Chico Buarque glamuriza o crime? Tem alguém viajando pesado na maionese, ou fumando orégano...

sábado, 13 de janeiro de 2007 05:48:00 BRST  
Anonymous José Augusto disse...

Sobre o que sisseram Luca Sarmento e Paulo Araújo:
Que investimentos? E que riscos?
As estradas foram construídas pelo Estado e não pela iniciativa privada, portanto o grosso do investimento foi feito pelo Estado (leia-se dinheiro do contribuinte e não do investidor). A concessão à iniciativa privada para exploração econômica é para a operação e manutenção. Se houver quebra de contrato na concessão, certemante há cláusulas rescisórias e indenizatórias à concessionária, no que diz respeito ao pagamento feito pela concessão (se houve) ou investimestos posteriores.
Aliás toda a privataria foi feita comprando-se ativos prontos, sem a devida exigência de expansão (salvo um ou outro caso, como nas telecomunicações). E depois perguntam porque o país não cresce e não gera empregos! Ora, é simples: falta de investimentos novos. O que chamam de investimento no Brasil, é a simples troca de controle acionário. A Petrobrás não detém mais monopólio nenhum há muito tempo. Cadê uma pretroleira privada para competir com ela, onde a iniciativa privada poderia mostrar toda sua pujança e as maravilhas da economia de mercado, inclusive vendendo petróleo e gasolina mais barato do que a Petrobrás vende? Todos os investidores estão mais interessados em financiar a eleição de governos, que, se eleitos, a venda barato, e garanta aos investidores o elevado preço da gasolina para "proteger" os investimentos.

sábado, 13 de janeiro de 2007 14:20:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home