sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

Querem colocar algo de útil no PAC? (19/01)

Emails chegam dizendo que estou de má vontade com o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e que vou quebrar a cara. Tomara que vocês estejam certos. Para começar a me corrigir, decidi praticar hoje um bloguismo mais construtivo. Mais propositivo, segundo o léxico político contemporâneo. Ainda dá tempo de fazer sugestões para o PAC? Então aí vai. O PAC deveria corrigir isso: Brasil é lugar mais caro do mundo para se comprar um iPod, conta a Folha Online. O bichinho (nano) custa aqui US$ 327,71. O segundo colocado é a India, bem abaixo (US$ 222,27). Na China custa US$ 179,84. No México, US$ 154,46.

- Isso é frescura. Coisa de gente colonizada. Quem está interessado em iPod? Do que precisamos é arroz e feijão na mesa do brasileiro. É razoável que os filhinhos de papai que compram iPod paguem, junto com o produto, o imposto que vai ajudar os mais pobres.

Se você pensa assim, meus pêsames. Saiba que o filhinho de papai tem sim iPod. Em geral comprado lá fora -e baratinho, dado que a nossa moeda anda bem musculosa. Quem não pode comprar por esse preço é justamente o jovem que não é filhinho de papai. O jovem que trabalha para se sustentar e não viaja ao exterior. E que deveria ter direito a produtos digitais pelo mesmo preço que o jovem chinês ou mexicano (não falo do americano ou do nórdico, pois você talvez me acusasse de neoliberal; então eu sugiro que você me explique como é mesmo esse neoliberalismo chinês). Um governo que estivesse interessado de fato em incluir rapidamente os jovens mais pobres tomaria medidas radicais -e não cosméticas- para fazer cair a patamares internacionais o preço interno de produtos de informática. Renúncia fiscal inclusiva seria isso aí.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

13 Comentários:

Anonymous Vera disse...

Você realmente acha que ter um Ipod é tão fundamental assim? Eu não tenho, não pretendo ter e vivo muito bem.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 11:40:00 BRST  
Blogger Fernando disse...

Caro(a)s,

Um mp3 player, depois que vc tem o primeiro, se torna essencial, tanto qto celular, tv, chuveiro eletrico, etc.

O Alon esta equivocado, em diversos detalhes. 1)O Brasi tem o iPod mais caro do mundo, simplesmente pq a Apple é um empresa "mais organica" e nao sai espalhando fabricas pelo mundo a fora, o que torna seus produtos bem mais caros.
2) Quem é pobre (favela, periferia, etc), não tem um iPod, mas tem o generico, feito na China, que custa 1/3. Ele acha no camelodromo, ou compra no ML (Mercado Livre) mesmo.

Ou seja, se vira, pq ele não é caixote.

Asta,

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 13:37:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Alon. Nós somos vacinados contra planos. Sempre votei para que o atual presidente estivesse lá, mas agora acho que ele vai inventar a roda. Não sei, mas parece que ele desistiu de trabalhar. Aderiu à pirotecnia. Tomara, mil vezes tomara, eu esteja errado. Enfim, à voce, parabens pelo olhar critico.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 13:38:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Boa, Alon!
Gostei dessa.
De lambuja, para quem quizer algo ainda mais objetivo, poderíamos também sugerir que a desoneração fiscal não premie apenas os capitalistas (que alguns aqui teimam em chamar de "empresários", coisa que nunca foram, sendo apenas rentistas e ...deixa prá lá...), e alivie também a carga tributária de parte da classe média (apenas os de renda média e baixa). Isso geraria uma demanda para setores industriais, uma redistribuição de renda para setores de serviços informais, etc, podendo, aí sim, ajudar em uma possível retomada de crescimento econômico.
Maurício Galinkin

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 13:42:00 BRST  
Anonymous Alexandre Porto disse...

meu caro,
vc conhece os reultados do programa PC Conectado?

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 15:29:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Manda eles fabricarem o negócio aqui na américa do sul uai. Querem só moleza esses capitalistas, produzir com trabalho escravo na China e não pagar imposto aqui. Tem que taxar esse povo que aproveita de trabalho escravo mesmo.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 16:05:00 BRST  
Blogger Silvio disse...

Por partes:

+ o iPod é muito legal, ele é uma ferramenta para inclusão digital e instrumento para educação à distância;

+ o PAC deveria aproveitar que o real PRECISA se desvalorizar para "torrar" um pouco das nossas reversas internacionais e desonerar a importação de alguns produtos (cuidadosamente selecionados).

+ o PAC deveria também mudar o critério para nomeação dos diretores do BC, temo que essa corja irá retardar ao máximo a queda de juros.

+ segundo a óptica lulista: dane-se a classe média (ela votou em peso no Alckmin)

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 16:52:00 BRST  
Blogger Marco Catunda disse...

Eu concordo plenamente com o texto do Allon, e acredito que ele tenha usado o IPod como um exemplo (isso porque saiu na Folha). Esse problema acontece com qualquer produto, ou seja, paga-se muitos impostos. Para piorar a situação quanto mais rico for o sujeito, mas chance ele tem de burlar a quantidade de impostos.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 17:09:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Na realidade, se tais medidas vierem, não trata-se de plano. Este é apenas um nome para medidas de ajuste, palavras que foram rejeitadas durante a campanha, pois, alardeava-se que este país nunca esteve tão bem. Plano, medidas de ajuste eram coisa dos governos anteriores que não tinham a luz para governar. Nada resta a não ser aguardar e chamar a coisa pelo nome correto: medidas de ajuste. E, vá lá, torcer...uma vez que espernear já foi tentado em Outubro e serão mais quatro anos... Ou...Agora é segurar a onda e esperar que passe a anestesia.
Dawran

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 18:15:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

A questão do iPod é como o Alon colocou. Caso houvesse um pouco de sabedoria e pensaria-se em transferência de tecnologia e outros aspectos para ajudar a alavancar nossa economia. Que é o que importa para filhos de papai ou não. Aliás, é sempre bom lembrar: ser filho ou não de papai não é crime neste país. Ou será que até isto, se algum iluminado quiser, agora vai ser? E apoiado em tratados sócio-filosóficos reverberados por midias alternativas e e-mails mentirosos? Senão, fica o dito em outro comentário: o pessoal compra de qualquer jeito mesmo qualquer estrovenga. E vota também.
Dawran

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 18:23:00 BRST  
Anonymous José Augusto disse...

Alon, o "gancho" da crítica é bom, mas também achei que enveredou por caminhos errados.
Como o Fernando disse, O iPod é grife. Existem mp4 players bem baratinhos de outras marcas de até R$200 (em loja com impostos), no mercado informal acha-se por até R$90. Ou seja o iPod é como uma bolsa Victor Hugo ou Luis Vuiton. Também houve desoneração de impostos em microcomputadores de até R$ 2400 há pouco tempo. O programa PC conectado é sucesso, e as vendas de micros abaixo de R$1000 à vista ou com prestações entre R$50 e R$60 é uma realidade. As vendas de micros bateram recorde em 2006. O BNDES dobrou a linha de financiamento para o PC conectado em 2007. Alguém me corrija se eu estiver errado, mas se não me engano insumos de informática para a indústria de micros, como mémórias, processadores, hd, etc tem alíquota zero de importação. Por fim há o progrma do OLPC (one laptop per child) de Nicholas Negroponte que o Brasil aderiu. Esperemos para ver se será bem suscedido.
Sobre o PAC acredito ser uma tentativa de reavivar os antigos PND (planos quinquenais de desenvolvimento, feitos na época do regime militar, usados com sucesso na Coréia do Sul até hoje, e que FHC também tentou fazer o seu com o nome de "Avança Brasil", mas infelizmente o resultado foi apagão e FMI). Esses planos, acho positivo, porque dão uma certa diretriz aos ministérios reduzindo o fisiologismo e descontinuídade administrativa quando troca-se ministros, e evita acusações de uso eleitoral de políticas públicas quando só são divulgadas em ano eleitoral.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 19:55:00 BRST  
Blogger Cesar Cardoso disse...

Alon, passei minhas festas de final de ano no Rio e lá vi propaganda de uma conhecida loja (Casa&Vídeo) vendendo MP3 player, desses de 128 ou 256MB, a menos de 100 reais. Sim, marca desconhecida, mas estamos no Brasil, onde o consumidor é mais leal ao preço que à marca. Com 300 reais você está comprando um de 1GB de marca desconhecida. E por aí vai.

Então, acho que sua preocupação não faz assim tanto sentido, porque as coisas já estão acontecendo.

sábado, 20 de janeiro de 2007 12:28:00 BRST  
Blogger Julio Neves disse...

Eu incluíria outro item no PAC:

Meio Ambiente - U$ bilhões

Fonte - Orçamento americano para a guerra no Iraque.

Objetivo - O EUA vai desistir da guerra do Iraque. E preocupado com a poluição global, vai tranferir o orçamento da guerra para o Brasil cuidar melhor da Amazonia.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007 05:02:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home