quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

O que a eleição da Câmara tem a ver com a ansiedade do PT? (04/01)

Enveredei aqui outro dia por caminhos para tentar entender melhor a crise existencial do PT, partido mais votado do país mas sem um nome para suceder Luiz Inácio Lula da Silva. Está no post A raiz de todas as tensões petistas. Hoje a agência de notícias Reuters traz uma bela apuração feita pelos repórteres Ricardo Amaral e Natuza Nery, Eleição na Câmara antecipa disputa por sucessão de Lula. Quer saber o que a refrega entre (por enquanto) Aldo Rebelo e Arlindo Chinaglia tem a ver com as angústias do PT em relação ao seu (dele) futuro? Então leia.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

5 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Todo partido tem que almejar o poder. O PT erra na estratégia, no momento. Após os escândalos, por mais artificial que tenha sido o seu tamanho, o PT deveria abaixar suas ambições no início do segundo mandato do Lula e ser solidário aos partidos menores da coalisão. Na próxima sucessão (em 2009) sutilmente construir uma candidatura à presidência da Câmara. O segundo biênio é mais estratégico, posto que o futuro presidente (2009/2010) terá influência política para galvanizar apoio e prestígio para qualquer candidato a presidente.

Rosan de Sousa Amaral

quinta-feira, 4 de janeiro de 2007 22:20:00 BRST  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

Nas escolas de jornalismo existe a disciplina "fontismo"?

Eu sempre desconfio de políticos que dizem não querer o poder e de notícias que citam fontes que pedem para não ser idendificadas.

Alon, existe jornalista ingênuo?

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007 01:05:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

O único tamanho artificial de escândalos é a tentativa de negar a sua existência. Seria bom que, mais uma vez, não viessem tentar transformar o País numa enorme sala de terapia grupal. Da mesma forma que partidos têm de buscar sempre o poder, devem também achar uma maneira de resolver seus problemas internos, principalmente os existenciais, sem atribuí-los a toda a sociedade.
Swamoro

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007 07:59:00 BRST  
Anonymous Anônimo disse...

Caro Swmoro, devemos refletir as possibilidades políticas na realidade vivenciada. O desenvolvimento de teorias acadêmicas são importantes para a evolução da sociedade. Mas não se aplica tais modelos de forma linear, vertical, e alienada da realidade. A postulação de qualquer partido (inclusive o PC do B) apresentada por uma candidatura não é transferência de problemas internos para a sociedade, é a arte da política onde nem tudo que se vê é o objetivo real.

Rosan de Sousa Amaral

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007 10:39:00 BRST  
Anonymous José Augusto disse...

Também acho que que o PT, assim como Serra, estão exercendo suas ambições legítimas de forma afoita e atabalhoada. As velhas raposas da Política Mineira, costumavam chamar gente assim, de quem não sabe fazer política.
As melhores chances do PT em 2010 (e em 2008) estão diretamente relacionadas à sua capacidade de não produzir alopramentos, e de negociar apoios para que o governo Lula seja bem sucedido. E dividir a situação está na contramão deste caminho.
Da mesma forma, Serra movimenta-se no sentido de devassar o governo Alckmin, para ter cartas na manga e sacar quando preciso for. Poderia até fazer isso, mas bem silenciosamente, sem esse estardalhaço todo. Continua dividindo a oposição.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007 13:30:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home