terça-feira, 9 de janeiro de 2007

E o contrabando? E o tráfico? (09/01)

Está hoje nos jornais que o Brasil vai proporcionar mais facilidades tarifárias para a importação de produtos estrangeiros que chegam ao país pelas fronteiras do Uruguai e do Paraguai. Disse ontem o chanceler Celso Amorim que o Brasil vai antecipar unilateralmente o fim da dupla cobrança da Tarifa Externa Comum nesses casos, mas só para os "sócios menores" do Mercosul. Duas observações. Não fica meio estranho um bloco econômico começar a praticar regras comerciais diferenciadas nas relações bilaterais entre os seus membros? Se vão fazer, por que não também incluir, por exemplo, a Argentina na regra? Entendo que o Brasil queira ser generoso com os irmãos menores do Mercosul, para contrabalançar talvez um excesso de protagonismo de rivais potenciais sul-americanos, mas corremos o risco de estar construindo uma coisa desconjuntada, justamente onde deveria haver uma estratégia de coordenação e homogeneidade crescentes. O segundo problema, mais prático, é o seguinte. Firulas diplomáticas à parte, quais as medidas concretas que o governo brasileiro pretende tomar para enfrentar duas fontes importantes do nosso crime organizado: o tráfico (drogas e armas) e o contrabando nas fronteiras do Mercosul?

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).

Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.

Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

2 Comentários:

Anonymous José Augusto disse...

Suas observações são precisas, Alon, mas na União Européia também não há certos tratamentos de exceção, como tiveram Portugal e Grécia? Sei que o que você questionou é a decisão do Brasil ser unilateral, ou melhor, bilateral, mas à revelia da Argentina. E será que a Argentina quer conversar, depois das papeleiras uruguaias, e de recorrer à OMC contra o Brasil? O Mercosul parece ser necessariamente escrito por linhas tortas, dada a heterogeneidade das políticas nacionais de cada país, e leverá mais tempo que o desejado. A própria inclusão da Venezuela, faz com que suas recentes decisões internas de reestatização, contamine o Mercosul como um todo, fossem os países vistos como um único bloco. Isso obriga os demais países a procurarem descolarem-se uns dos outros, e diferenciarem do bloco.
Quanto às fronteiras, no governo Lula houve significativa melhoria no controle na região da tríplice fronteira: ponte da Amizade e Lago de Itaipu. Acredito faltar mais integração e cooperação internacional nas próprias políticas de combate ao narcotráfico entre os 3 países.

terça-feira, 9 de janeiro de 2007 21:30:00 BRST  
Anonymous José Augusto disse...

Fugindo um pouquinho ao assunto, mas falando em América Latina, faz tempo que não vejo notícias do EZLN (zapatistas no México). Toda a América Latina tem visto seus movimentos sociais protagonizar avanços e participar de sucessos eleitorais. Os sandinistas retornaram ao poder na Nicarágua. Será que Hugo Chaves é quem está monopolizando as atenções na região, o que ofusca o EZLN e outros, ou este movimento está um pouco esvaziado ou fazendo alguma trégua?

terça-feira, 9 de janeiro de 2007 21:41:00 BRST  

Postar um comentário

<< Home