quarta-feira, 1 de novembro de 2006

Um mau (re) começo (01/11)

Será que o sucesso eleitoral subiu à cabeça da cúpula do governo e do PT? É o que parece. Faz pouco mais de 72 horas que Luiz Inácio Lula da Silva ganhou mais quatro anos no Planalto, com quase 60 milhões de votos. Desde então, já se produziram os seguintes fatos:

1) Ministros do núcleo do governo abriram guerra contra a política econômica. O detalhe já discutido aqui é que essa mesma política econômica foi a principal responsável pela reeleição de Lula.

2) Em vez de dar sinais concretos de que vai, finalmente, fazer um governo de coalizão e trabalhar para formar maioria no Congresso, o presidente desperdiça seu tempo repisando a tese surrada do entendimento nacional. Que pode ser lido como um chamamento à oposição para que dê apoio ao governo e, assim, ajude o PT a não ter que ceder muito espaço para os aliados.

3) Ministros do núcleo governista dedicam-se a dar lições sobre como a imprensa deve funcionar e o que deve fazer. De vez em quando, acho que esse pessoal deveria largar da política e enveredar pelo jornalismo, tamanha a obsessão com o tema.

4) A Polícia Federal chama jornalistas da Revista Veja para depor sobre uma reportagem que a revista fez sobre a PF. Os jornalistas dizem ter sido pressionados e tratados indevidamente durante o depoimento. A PF e o Ministério Público negam, mas a confusão está criada.

Deus tem sido generoso com Lula. Para os ateus e agnósticos, eu diria que o presidente tem tido muita sorte. Mas que a turma dele tem pós-doutorado em dar sopa para o azar, isso tem.

O Blog do Alon está entre os finalistas do concurso mundial de blogs The Best of the Blogs.
Se quiser me honrar com seu voto, clique aqui.

Para ver todas as categorias, clique aqui.

Para ver os finalistas em língua portuguesa, clique aqui.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

14 Comentários:

Blogger Sergio F. Lima disse...

Tadinho dos jornalistas da veja, coitadinhos!

êta revistinha pra cirar factoides :-)

quarta-feira, 1 de novembro de 2006 19:48:00 BRT  
Anonymous Cesar Cardoso disse...

Enquanto isso, a fofoca come solta. Se fosse permitido ter casas de apostas no Brasil, já tinha gente apostando até o que não tinha nos nomes dos novos ministros.

quarta-feira, 1 de novembro de 2006 20:13:00 BRT  
Anonymous paulo araujo disse...

Alon

"Será que o sucesso eleitoral subiu à cabeça da cúpula do governo e do PT? É o que parece."

Não assim que me parece. Isso é mais grave do que um simples "acesso" de grupos
"embriagados" com os vapores do sucesso.

Tal afirmação desresponsabiliza os autores deste atentado à liberdade de imprensa. Isso é uma forma de minimizar o significado real deste episódio. Isso é não chamar o episódio pelo seu verdadeiro nome: ATENTADO

Não é de agora que o PT e o petismo ameaça a liberdade de imprensa. Se isso é embriaguês, então só posso concluir que eles adoram essa "cachaça".

Isso é método, Alon. Quem tem mais que 50 anos já viu este filme com outros atores.

A questão é saber a mando de quem o delegado intimou os jornalistas. Ou então, a quem tal delegado pretende agradar. Você sabe muito bem que a truculência fascista está sempre a procura de mandatários que a acolham como instrumento de intimidação. Repito, já vimos este filme antes.

Será um delegado "aloprado"? Que agiu assim por ser mais realista que o rei? Teve um ataque de "Gregório Fortunato"?

Leia-se a absurda declaração do Marco A. Gracia sobre os acontecimentos de Brasília. Ele simplesmente justificou a barbárie.

Li que FHC e TJ ligaram ao Thomas Bastos, que disse nada saber. Vamos continuar, até quando, engolindo esta desculpa?

Fiquei horririzado com o artigo do Kennedy Alencar: "PT pensou em apostar na divisão do país", sobre a peça publicitária do petismo que seria levada ao ar durante a campanha. Isso, definitivamente, não é coisa de aloprados. Nem é também uma suposta burrice a orientar ações desse tipo.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u86124.shtml

Este assunto é muito sério e merece repúdio veemente.

quarta-feira, 1 de novembro de 2006 20:37:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Alon, briga por Ministérios e pela política econômica todos esperávamos que acontecesse. Acho que está tudo dentro da normalidade, como sempre foi em qualquer governo democrático desde Tancredo (que não tomou posse).
Quanto ao entendimento nacional com a oposição em vez de formar base governista, uma coisa não elimina outra. O novo governador do GDF Arruda (justamente o único governador do PFL) já manifestou interesse em conversar e negociar com o presidente. Lula deve iniciar o gesto para não constranger oposicionistas como Serra, Aécio e Yeda, uma vez que seria mais difícil para eles perante a opinião pública tomarem a iniciativa.
Lula costuma demorar a tomar decisões sobre reformas ministeriais, e isso sim causa enorme desgaste e aumenta os conflitos. Vejamos se repetir-se-ão, o que acho bem provável.
Ministros x imprensa: concordo plenamente que "cada macaco no seu galho". Imprensa não é oficial e não é para agradar governo. Mas deve acostumar-se também com as queixas de governo, como sendo algo normal (até o governo Bush vive reclamando da imprensa dos EUA), e não ficar vendo o bicho papão da volta da censura a cada resmungar do governo. Se Garcia deu declarações infelizes, Thomaz Bastos fez defesa apaixonada pela liberdade de imprensa.
Quanto à PF X Veja, acho que a Veja está querendo criar um ambiente de acusação ao governo de autoritarismo com script pronto (o próximo passo será compará-lo ao Chavismo, aguarde as próximas edições), e o pior, é que esta coisa está contaminando até em jornalistas como você (é apenas minha opinião, posso estar errado).
Enfim, está tudo dentro da normalidade razoável.
O PT continua com suas facções brigando pelo poder interno. Os partidos da base governista continuam brigando por cargos. Os de oposição buscam seu espaço entre representar o eleitorado oposicionista e a colaboração federativa. Já há brigas até pelos novos cargos de ministro do TCU, principalmente de membros de partidos oposicionistas.
Saímos do calor da campanha, para o gelo da eleição que confirmou resultados conservadores, sem surpresas. Por isso acho que todos estão procurando amplificar intrigas naturais, por falta de assuntos mais contundentes.

quarta-feira, 1 de novembro de 2006 22:14:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 00:04:00 BRT  
Anonymous André Pessoa disse...

Bem, do mesmo modo que não leio mais nada que você escreve sobre Israel, passarei a ignorar inteiramente qualquer nota sua sobre a imprensa, já que é perceptível que para você é mais importante a defesa da sua corporação do que a defesa da democracia.

No dia em que tivermos jornalistas grampeando políticos ou roubando documentos para dar os seus furos, você os defenderá em nome do "sigilo da fonte"?

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 04:54:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Alon, quem somos nós para paltar você. Mas tem certos princípios lógicos que temos que observar para preservar esta tribuna de debates. Se estivermos falando do passado ou do presente temos que analisar OS FATOS. Não se discute VERSÃO para eventos do passado ou do presente. Me recuso repercutir estas notas da Veja sobre os jornalista na PF sem que HAJA FATOS. Quanto ao futuro (ministros e projetos) podemos especular e opinar porque o futuro ainda está para ser escrito.

Rosan de Sousa Amaral

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 10:51:00 BRT  
Blogger Silvio disse...

TRANSCRIÇÃO CONDENSADA = A impossibilidade do crescimento será o dilema continuado do Governo Lula. Nossos empresários modernos e o capital brasileiro produtivo seguirão os passos corretos do José de Alencar (ainda Vice-Presidente) e investirão na China onde se produz riqueza. Sabemos que o lero-lero do Lula só distribui pobreza e fabrica mais pobres ! Esgotou-se a bolha artificial do consumo via crédito-agiotagem. A classe média e o andar de baixo já estão no limite do endividamento pessoal. O jeito PT de usar o Governo em favor dos companheiros e a fome do PMDB/Lulista impedirá qualquer redução do aparelho estatal. Os juros não cairão porque o governo continuará indo ao mercado tomar dinheiro para financiar o déficit público. Esses ALOPRADOS produzirão uma baita STAGFLAÇÃO. E o senhor Lula não poderá repetir o infundado discurso da “herança maldita”. Sua Majestade o POVO desde 2002 jogou fora 8 anos de política monetária correta e que colocou o Brasil nos trilhos.

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 10:57:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

EM TEMPO: Saiu nota da procuradora da república afirmando que os jornalista não foram pressionados pela PF. Tal informação deveria ser repercutida por você Alon explícitamente ( e não no rodapé como você fez acima). Moral da história: a Veja continua "reportando" versões sem fundamento na verdade factual.

Rosan de Sousa Amaral

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 11:24:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Rosan, então tá, o Lula falou está falado, a procuradora de republica falou agente encerra o assunto. Mas será que você não percebe que estes dois entes tem obrigação de prestar contas de seus atos, e que a revista em questão não tem que prestar contas de seus atos a qualquer governo?
Aqui entra aquela máxima, o cidadão pode tudo, menos o que é proibido, enquanto o estado nada pode, a não ser aquilo que épermitido. Enorme diferença.

(paltar significa o quê?)

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 11:41:00 BRT  
Anonymous paulo araújo disse...

Alon

Somente agora li os comentários no post OS JORNALISTAS EO ESTADO DE DIREITO (01/11). Comentários, que, sabemos, expressam opiniões. Sim. O blog é livre para comentários. E os comentários continuam neste post. Estou chocado com o conteúdo de uma grande maioria deles.

No post anterior você escreveu:

"ESSAS MINHAS CONVICÇÕES INDEPENDEM DO QUE ACHE OU DEIXE DE ACHAR DA VEJA, DA SUA LINHA EDITORIAL OU DAS REPORTAGENS QUE PUBLICA. COMO DISSE, É UMA QUESTÃO DE PRICÍPIO. E SOBRE PRINCÍPIOS NÃO SE TRANSIGE."

A frase, que é a síntese perfeita do post, recebeu (e continua recebendo)dezenas de comentários "relativizadores" (o comentário do Luca Sarmento é a exceção exemplar do que uma minoria pensa CORRETAMENTE sobre o assunto) de comentaristas amigos do "equilíbrio realista". Estes, sempre prontos a adjetivar o absoluto para, assim, adaptá-lo às suas crenças de momento.

Não se negocia sobre princípios. Você sabe e muito bem o valor dessa máxima. Sabe muito bem que indivíduos que não negociaram seus princípios (valores morais) salvaram milhares de vidas. Você sabe muito bem que não fizeram o que fizeram por heroísmo ou ideologia. Recusaram a ética do nazismo, arriscando suas vidas, exatamente porque ela afrontava os seus princípios morais. Agindo assim, salvaram vidas e mantiveram, mesmo que obrigados a conviver entre as maiorias
"éticas" e adaptadas ao ambiente torpe, sua integridade moral.

“Sem dúvida, mais vale que a nossa lei nasça do nosso próprio braseiro". (Nietzsche)

PS:“Os textos de Nietzsche não foram escritos para os que só podem enxergar com a perspectiva das rãs...e, deuses, como eles coacham!” (R.Romano)

abs

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 12:07:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Os comentários petistas neste post ilustram a eternidade do dito:
"cria cuervos e ellos te sacarón tus ojos".

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 12:24:00 BRT  
Anonymous Ricardo Melo disse...

Não concordo totalmente com você, Alon:
1) Não dá para você explicar a reeleição de Lula unicamente pelo controle da inflação. Isso foi um dos argumentos eleitorais entre vários. Tem também: aumento do salário mínio, Bolsa-Família, o Ministério das Cidades levando aos municípios o que antes era uma "benevolência" de coronéis locais,etc.

2) Embora você seja eclético, e também aborde a macroeconomia com propriedade, vejo que foi vitimado por um falso dilema: inflação X crescimento.
Acho que você errou nessa análise. Se você ler caras como Paulo Nogueira Batista Jr e Luís Nassif, vai ver que dá sim para baixar juros sem ser irresponsável com o controle da inflação.

3) Vejo que você fechou com a turma do BC, para os quais não houve chance de diminuir a taxa selic sem comprometer a inflação. Isso é o que se depreende de seus últimos textos.
Isso é um grande equívoco. E olha que a taxa selic não é o único problema.
Talvez o maior problema do juro no Brasil seja o do inacreditável spread cobrado pelo sistema bancário.
E agora, Alon. Vai encarar essas questões nos seus posts? Com certeza, você tem categoria para abordar melhor esses temas, com muito menos preconceitos.
Um abraço.

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 14:28:00 BRT  
Anonymous Marcelo Pinto disse...

Gente vamos deixar o homem trabalhar. O eleito foi o Lula, o resto é fofoca. Já passou o tempo em que se acreditava que o Presidente era um simples marionete. Quem acreditou nisto quebrou a cara! Votei em Lula, porque acredito e até prova em contrário, não existem motivos para que este cipoal de intrigas tenha credibilidade!

quinta-feira, 2 de novembro de 2006 16:59:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home