quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Conversa de vestiário (05/10)

Você é capaz de identificar o candidato prestes a ser derrotado num segundo turno eleitoral? Você saberá que está diante de um, se ouvir dele que "nossa aliança agora é com os eleitores". Quem fala isso, em geral é porque não conseguiu os apoios que desejava -e precisava- obter. Há algumas verdades na política. Ninguém manda no voto do eleitor, mas ele se organiza em tribos. Que têm líderes. Que conseguem influenciar o voto dos liderados.

Então estamos diante de um problema. Chegamos a uma conclusão que até certo ponto contradiz a premissa. Se fosse um problema matemático, teríamos provado, por absurdo, que a premissa é falsa. A política não é (só) matemática, mas a usar a lógica sempre ajuda. Empiricamente, sabe-se que nenhum candidato ganha segundo turno sem formar alianças políticas majoritárias (tendo como referência os resultados do primeiro turno). Se alguém conhece um caso que derruba a minha tese, peço que relate -e dê os números.

Eu não me lembro. Se houver, é exceção. Eis uma vantagem da política sobre a matemática: exceções não desqualificam a regra. Voltando às eleições presidenciais, reparem que ninguém mais no PT reclama da ampliação das alianças de Luiz Inácio Lula da Silva. Os petistas convenceram-se? Converteram-se. Talvez seja mais adequado falar em instinto de sobrevivência. Agora a balbúrdia ameaçou instalar-se no outro lado, por causa do apoio de Anthony Garotinho a Geraldo Alckmin. Mas a reação foi localizada no Rio. No restante do universo tucano-pefelista, prevalece a realpolitik.

Disse antes que a política não é como a matemática. Se tivesse que comparar, preferiria o futebol. Uma coisa é o que se diz diante das câmeras. Outra é o que se diz no vestiário. Lembro quando na Copa do Mundo o técnico Carlos Alberto Parreira foi flagrado pelo Fantástico, numa ótima reportagem com o uso de leitura labial. Ali descobrimos que até o mais britânico dos nossos treinadores diz coisas impublicáveis.

Vamos especular sobre uma hipotética conversa de vestiário entre Geraldo Alckmin e seus aliados. Claro que é ficção, pura ficção. O candidato tucano reúne o time (ele gosta de falar em time, repararam?) e diz algo mais ou menos assim: "P..., eu estou tentanto juntar todo mundo que quer derrotar o Lula. Esse é o único jeito de ganhar esta m... de eleição. Estou c... para o que vocês pensam uns dos outros. Eu quero é saber quem vai entrar em campo para resolver o problema. E f...-se o currículo de cada um de vocês. Se currículo ganhasse jogo, deveríamos ter mandado o time dos masters para a Copa da Alemanha. Agora, vou pedir um favor. Quem não quiser ajudar, não tem problema, cai fora já. Melhor do que ficar aqui atrapalhando quem está a fim de enfrentar a parada".

Fraquinha, essa minha ficção. Ainda bem que não preciso ganhar a vida como ficcionista.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

4 Comentários:

Anonymous Jorge Bessa disse...

A ficção é perfeita. E sim, você seria um sucesso.
Ainda que não tenha sido verbalizada, essa conversa é a cara do Geraldo-como-quieto. Ele é mais mineiro que Aécio. E não é a toa que está no segundo turno após estuprar o Serra e a cúpula do PSDB. E todos gostaram da f... Ainda que estejam g... atrasado.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 18:35:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

desde o after day da eleição, estou com a sensação que se formou uma onda pró-alckmin.
Acho que as próximas pesquisas vão mostrá-lo ligeiramente acima de lula.
De repente ele ficou cult. No meu MSN diversos amigos que não ligam para política, universitários com 20 e poucos anos estão com o alckmin no nick.

Gostaria de ler um texto seu sobre a formação de ondas. A de lula em 2002 e a que parece estar se formando agora para Alckmin.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 18:45:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Alon, você tocou no "x" da questão: conversa de vestiário!
Esse tipo de apoio se costura nos bastidores, e se manifesta na dose certa. Nem todo acordo fica bem na foto.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 19:17:00 BRT  
Anonymous augusto disse...

Prezado Alon: Conversa de Vestiário?? A conversa é de tapetão... Um abraço.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 23:16:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home