quarta-feira, 4 de outubro de 2006

Quando os dois estão certos em posições antagônicas (04/10)

Dois emails de leitores (o pessoal que não gosta de comentar no blog, mas manda o correio eletrônico) perguntam quem está certo no Rio: 1) Geraldo Alckmin por aceitar o apoio de Anthony Garotinho ou 2) Denise Frossard por reagir com violência (disse que vai votar nulo para presidente) à decisão do tucano. Por incrível que possa parecer, estão ambos certos. Politicamente certos. Alckmin tem chance de ganhar a eleição, então vai atrás de todo apoio disponível. Agora, vejam no quadro a situação da juíza. Ela ficou em segundo lugar na disputa do governo do Rio (clique no quadro para ampliar numa janela separada), com 23,78% dos votos válidos. O terceiro (Marcelo Crivella - 18, 54%) e o quarto (Wladimir Palmeira - 7,67%) colocados vão de Sérgio Cabral (41,42%) no segundo turno. Frossard só tem o apoio do quinto (Eduardo Paes - 5,33%). Ou seja, o cenário para a juíza é de uma provável derrota eleitoral. Que pode se transformar numa vitória política, com a construção de uma fortíssima candidatura a prefeita do Rio daqui a dois anos. Por que a juíza iria agora sair às ruas de braços dados com os Garotinho? O que ela ganha? Nada. Pede-se à juíza que pense, em primeiro lugar, no projeto nacional. É um pedido legítimo. Mas um dia alguém me ensinou que toda política é local. Pedem a Denise Frossard que ela se incinere na pira do projeto alheio. Eu não me incineraria. Mesmo que ela recue agora, já terá mostrado indignação. Ponto para ela.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

4 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Alon,
O Eduardo Paes apoiar a Frossard????
Ele saiu candidato ao governo contra a vontade do maia e a frossard. Pode ser que a nacional do psdb o ordene a "la Stalin" apoiar a Frossard, mas pelo que vemos, até hoje, é um movimento de apoio ao Cabral.
Pelas declarações públicas dos dois interessados, frossard e maia, o estrago já esta feito, não admitem garotinho de jeito nenhum. Para comprovar a veracidade dos fatos, sugiro ao nosso intrépido blogueiro sair na praia junto com alckmim, garotinho, rosinha.
Laércio

quarta-feira, 4 de outubro de 2006 22:48:00 BRT  
Anonymous Cesar Cardoso disse...

Bom, moral da história: Lula, que não tinha palanque no Rio, ganhou um. Alckmin, que tinha um palanque forte no Rio, o desmontou. Vamos ficar até sexta falando dos pitis dos caciques da oposição no Rio. E a imprensa vai ter o que ela gosta: crise e declarações bombásticas.

Dá-lhe assessoria política do Geraldinho!

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 01:00:00 BRT  
Anonymous Jose Augusto disse...

Alon você consultou a página da cidade de Campos? Principal reduto e berço eleitoral de Garotinho?
Presidente:
Lula 49,21%
Alckmin 28,06%
Heloísa 18,46%
Cristovam 4,03%
(Garotinho não apoiou ninguém à presidente explicitamente).
Governador:
Cabral 39,76%
Frossard 19,34%
Crivella 27,09%
Vladimir 5,75%
(Cabral é o candidato de Garotinho).
Deputado Fedral:
Pudim 36,25% (único Candidato a dep. federal apoiado por Garotinho, que fez a campanha dizendo "votando em Pudim estará votando em mim")
Note que Cabral com apoio de Garotinho teve votação bem menor do que Lula, desafeto dos Garotinhos.
Se Alckmin tivesse visto estes números teria recebido o apoio menos efusivamente, como eu recomendei: que fizesse nos bastidores, e deixasse Garotinho fazer campanha para ele.

Quanto ao Eduardo Paes do PSDB: sua ligação é muito maior com Aécio Neves do que com Alckmin. Acredito que Aécio apoie discretamente Sergio Cabral no Rio, procurando fortalecer-se como liderança Nacional, em contraponto à hegemonia paulista do PSDB de Serra-Alckmin.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 03:13:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

O que emerge claramente disto tudo, é a profunda tendência paroquial. Não há, ao que parece, um projeto nacional. Sempre que surge algo com maior envergadura, sempre há ao contraponto de que veio para atender interesses no máximo regionais. Este parece ser o dilema: como projetar-se com um projeto nacional, sem desgarrar-se dos intereses na paróquia?

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 12:06:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home