sábado, 28 de outubro de 2006

Prefeitos e presidentes (28/10)

Vou propor que no próximo debate da Globo com o formato de ontem os indecisos sejam advertidos a respeito das atribuições do Presidente da República. Ou então que a emissora escolha pessoas com indecisões do seguinte tipo:

1) O orçamento federal deve ser impositivo ou autorizativo?

2) As medidas provisórias devem continuar existindo ou não?

3) O Brasil deve fazer um acordo de livre comércio com os Estados Unidos ou deve negociar com os americanos em bloco, acompanhado dos colegas de Mercosul?

4) A Desvinculação de Receitas da União (DRU) deve ser mantida, ampliada ou reduzida (extinta)?

5) A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) deve ser mantida, extinta ou permanecer apenas com valor simbólico, como um rastreador?

6) O tripé metas de inflação, câmbio flutuante e aperto fiscal deve ser mantido ou não?

7) O Conselho Monterário Nacional (CMN) deve ser ampliado com representantes da chamada sociedade ou não? O Banco Central deve perseguir ou não outras metas além da de inflação?

8) Fixar uma idade mínima para a aposentadoria é necessário ou não para controlar o déficit da Previdência?

9) O voto para o Legislativo deve ser distrital puro, distrital misto, proporcional uninominal (é assim que chama?) ou proporcional em lista? Nesse ultimo caso, a lista deve ser estadual ou nacional?

10) O país deve ou não flexibilizar regionalmente a legislação tributária e trabalhista, para promover a industrialização forçada das regiões menos desenvolvidas, por meio de zonas especiais de exportação?

Eu mesmo tenho dúvidas sobre vários desses pontos. Estou, portanto, completamente capacitado a participar de um debate presidencial na condição de indeciso. Tomara que um dia a gente volte a ter debates presidenciais. Era legal quando os candidatos discutiam os assuntos nacionais olho no olho. Quando voltar a acontecer talvez eu apareça lá, sentado e fazendo perguntas do tipo das que listei neste post. Vou já me inscrever no cadastro nacional de indecisos. Quem sabe não sou chamado daqui a dois anos, na eleição municipal? Por que não? Se candidato a presidente se comporta como candidato a prefeito, por que não acreditar que o inverso também possa acontecer?

O Blog do Alon está entre os finalistas do concurso mundial de blogs The Best of the Blogs.
Se quiser me honrar com seu voto, clique aqui.

Para ver todas as categorias, clique aqui.

Para ver os finalistas em língua portuguesa, clique aqui.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

20 Comentários:

Anonymous Brito Neto disse...

Brilhante, Alon. Os tucanos, supostamente o grupo político mais intelectualizado do país, nos arrastaram à campanha eleitoral mais medíocre e demagógica de todos os tempos. Parabéns a você e meus pêsames a eles.

sábado, 28 de outubro de 2006 08:59:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Hahahahaha! Isso é resultado de terem escolhido Alckmin candidato. Mostre-me uma única idéia de Geraldo Alckmin. Alguém sabe? Alguém viu?

sábado, 28 de outubro de 2006 09:01:00 BRT  
Anonymous Vander Peres disse...

Chamam Lula de Apedeuta mas apresentaram um candidato que não é capaz de articular duas orações coordenadas ou subordinadas. O cara fala em itens, como aqueles relatórios itemizados lidos por executivos imecilizados por aqueles livrinhos de administração.

sábado, 28 de outubro de 2006 09:05:00 BRT  
Blogger daisy aguinaga disse...

excelente análise!

vou copiar para o meu blog (com os devidos créditos)

mas interessa à produção dos Debates estas questões?

A TV Globo conseguiu transformar o Debate num Circo Multimídia: telão, painel digital e picadeiro.

Tal debate nada acrescentou à Campanha Eleitoral.

Os indecisos selecionados tiveram a oportunidade de passar um dia agradável e chegarão a uma decisão: o Rio de Janeiro continua lindo!

sábado, 28 de outubro de 2006 09:20:00 BRT  
Anonymous Paula Soares Pieruzzi disse...

É isso aí, o partido dos intelectuais arrastou a campanha para a sarjeta, mediocrizou o debate, apresentou um candidato que não articula dois pensamentos. Para quê? Para sofrer uma derrota estrondosa! Gênios!

sábado, 28 de outubro de 2006 09:48:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Vou dizer uma coisa. Como tucano, acho hoje que teria sido melhor lançar o Fernando Henrique. Pelo menos ele teria feito a defesa do governo dele. A campanha não teria sido este deserto de homens e idéias.

sábado, 28 de outubro de 2006 09:50:00 BRT  
Anonymous Nulo Leal disse...

Engraçado,

Petista adora povo quando é prá pôr voto dentro da urna. Se é prá fazer pergunta para candidato, eles acham o povo inadequado.

Quanta mudança, depois que eles ganharam a hegemonia!

Vox Populi

sábado, 28 de outubro de 2006 09:52:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Deixa eu ver se entendi: O Lula demoniza a privatização e isso é uma grande jogada "intelectual" e programática. Agora que a fatura está ganha, pede um povo aristotélico e com QI 200, mais preparado que o próprio presidente para formular perguntas? É isso?

Vocês são engraçados e ririam muito se tivessem consciência das próprias piadas que fazem.

sábado, 28 de outubro de 2006 10:09:00 BRT  
Anonymous Anônimo petista disse...

QI 200? Aristotélico? Vamos rir juntos, Anonymous. O candidato de vocês é a coisa mais sem conteúdo que já apareceu na política brasileira.

sábado, 28 de outubro de 2006 10:19:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Anônimo petista,

Eu não tenho candidato. Voto nulo.
Mas comparar o "conteúdo" do Lula com o do Alckmin é uma questão de gosto. Aliás, vocês lulistas, estão com a síndrome do "nunca neste país", "mais sem conteúdo que já apareceu na história brasileira". É por isso que eu disse que, se vcs. tivessem consciência da piada que são, ririam muito.

sábado, 28 de outubro de 2006 10:23:00 BRT  
Anonymous Anonymous mineiro disse...

Não sei se concordo ou não com este post, mas será que não tinha um candidato melhorzinho que esse Geraldo? O Aécio tinha dado um banho no Lula, com jeito. Não agüento mais essa arrogância oca paulista.

sábado, 28 de outubro de 2006 10:49:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Cara,

Não agüento mais o Brasil não agüentar mais São Paulo. A gente é um peso tão grande para o Brasil!
Por que vocês não vendem a gente logo pro Evo Morales, p.!

sábado, 28 de outubro de 2006 11:13:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Não sejamos ingênuos, o formato do debate e, principalmente, as perguntas formuladas foram escolhidas para beneficiar o candidato Alckmin. Afinal, o candidato a síndico do Brasil é o tucano.

Outro aspecto foi o tempo, muito escasso. Como Lula gosta mais de desenvolver as idéias, mostrar o histórico de um problema e suas ações para mitigá-lo, a falta de tempo o prejudicou mais que Alckmin (muito preocupado em reclamar de tudo).

Que a Globo iria tentar manipular o debate para ajudar Alckmin, todos nós já sabíamos. Estranho o fato da equipe do Lula ter aceito as condições de um debate feito pra lhe prejudicar.

A propósito, ontem assisti o Jornal Nacional, a repercussão do falso Laranja tucano que mentiu tentando prejudicar o PT foi mínima. Quero ver qual será a repercussão sobre o homem que se matou e antes assassinou a amante grávida. Tal notícia pode ser entendida como incompetência da polícia paulista do Alckmin. Será manchete no Jornal Nacional?

sábado, 28 de outubro de 2006 11:32:00 BRT  
Blogger Paulo disse...

Eu acho que "prefeiturização" do debate da Globo foi nítida - "eu não tenho casa", "meu irmão não tem emprego" etc. Ressalvas partidárias e simplistas à parte (tipo "Petista adora povo quando é prá pôr voto dentro da urna. Se é prá fazer pergunta para candidato, eles acham o povo inadequado."), é irrelevante se isto beneficia Alckmin ou não.

O relevante é que despolitiza e desideologiza o debate, reduzido ao "o que EU vou fazer por VOCÊ"). Claro que isto favorece o candidato sem idéias claras de um projeto de país mas com idéias claras de um projeto de Pinda. Até um ponto. Lula tem mais carisma no dedo que lhe falta que Alckmin jamais terá. A personalização do debate só funciona a favor do tucano assim de chofre e sem continuidade. Eu apostaria que se a campanha tivesse mais umas duas semanas a palhaçada da "privatização da Amazônia" voltava na testa, como voltaram as agressões do primeiro debate.

Depois dizem que é o PT que gosta de populismo: notem como os tucanos ficam excitados porque o prefeito de Pinda fala bem sobre esgotos. Mas como tudo na direita, se da certo para eles é bom, senão tem que acabar (vide reeleição).

sábado, 28 de outubro de 2006 13:05:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

É evidente que a própria criação do mundo - incluída aí a inevitável criação da imprensa por Gutemberg - foi uma ação perpetrada pelo criador para conspirar contra o PT.
William Bonner e Fátima Bernardes passam dias e noites planejando conspiratas subliminares contra Lula e seus alopradinhos amestrados, em conluio, evidentemente, com os demais órgãos da imprensa.
Pena que um post tão aristotélico tenha merecido comentários tão "populares".
É aquela frase maldita do Rei Lear:
"Nothing comes from nothing".

sábado, 28 de outubro de 2006 13:27:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Alon, dessa vez acho que você foi involuntariamente elitista e simplista em sua análise. O mesmo simplismo que você critica em quem chama o bolsa-família de esmola, e o mesmo elitismo de quem pede fiscalização vigilante aos pobres que o recebe. Como os tucanos, que em vez de trocar de políticas públicas, gostariam de trocar de povo.

Nenhum dos dois candidatos se mostraram preparados para responder bem às perguntas cotidianas, mas que são da alçada federal também. Ressalvo que o tempo era muito curto para qualquer candidato elaborar melhor de improviso temáticas tão diversas. O eleitor seria melhor servido se os candidatos tivessem acesso as perguntas com antecedência. O melhor governo é aquele que melhor planeja e não o que melhor improvisa, por mais que o show tenha que continuar. Acho que conhecimento prévio das perguntas é muito mais esclarecedor do que ter 1, 2 ou mais minutos para resposta, afinal, existe assessoria para sintetizar respostas.

Quem reclamou da falta de remédios para idosos sem plano de saúde, está reclamando da prefeitura (o SUS é descentralizado, tanto quanto o bolsa-família). Mas se o governo federal repassa recursos e não chega ao cidadão satisfatoriamente, os candidatos precisavam pelo menos dizer que existe a CGU para denunciar ou um número 0800 federal para reclamar e discorrer se esses canais estão funcionando ou não.
Quem reclamou de desemprego do irmão, entende que políticas de emprego são afetadas pela gestão federal. Até que os candidatos responderam razoalvelmente bem, cada um com sua proposta, mas acho que comunicaram mal (culpa do improviso). Não creio que tenham empolgado quase nenhum desempregado.
Mesma coisa quem reclamou de trabalhar na economia informal. Lula foi melhor, mas também insuficiente: citou a contribuição da previdência sobre o faturamento das empresas e não sobre a folha de pagamento que está no congresso (a pré-empresa estava fora do foco do cidadão que perguntou, já que parecia ser sub-empregado e não autônomo).
Segurança é da alçada estadual, mas novamente faltou discorrer sobre o SUSP, sobre cadastros nacionais, Guarda Nacional, presídios federais, papel das Forças Armadas. Lula foi bem ao defender a gestão da Polícia Federal. Alckmin foi bem para quem gosta de acreditar que a solução é fechar fronteiras ao tráfico, e que, por falta de estoque de drogas, todos os criminosos procurarão emprego na fila do SINE, em vez de migrarem para outros crimes.
Enchentes, transporte urbano e moradia, faltou Lula explicar melhor o papel do Ministério da Cidades, que ele chegou a citar, e alfinetar Alckmin que quer extinguir ministérios. Alckmin explicou como sendo gestão local e respondeu bem, propondo a redução de impostos federais sobre tarifas.
Sobre a preservação da floresta amazônica, Lula foi melhor, e Alckmin limitou-se a criticar de forma oportunista o projeto de manejo que o próprio PSDB apóia.

sábado, 28 de outubro de 2006 16:50:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O que politiza e "ideologiza" o debate é dizer que privatização é coisa do demo e que o Alckmin iria privatizar o Palácio do Planalto, que "nunca neste país" se cresceu tanto, que o Prouni é um programa sério de educação, que o Bolsa Família é invenção do Lula e que os juros e spreads bancários no Brasil foram reduzidos drasticamente pelo governo do PT. Nem vamos falar de ética, que disso a Marilena Chauí e a Rosemarie Muraro já estão cuidando.

Eu insisto: Petista propor debate à la República de Platão é a brincadeira mais bizarra que eu já vi neste eletro-panfleto. Conta outra, vai.

sábado, 28 de outubro de 2006 16:53:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Nossa,
como tem tucano neste blog, Alon
Credo!!
Não sou mais tolerante, condescendente nem paciente com este povo!
Acabou, vou ser sectária, preconceituosa e radical como eles são!!

sábado, 28 de outubro de 2006 22:12:00 BRT  
Anonymous Eduardo Mendes disse...

Alon, vc já leu que os "indecisos" da Globo foram forjados para prejudicar Lula?

"A Rede Globo montou uma farsa no debate eleitoral. Com o intuito de ajudar o candidato Geraldo Alckmin, a Globo levou ao debate várias pessoas que segundo o Ibope eram indecisos. Só que agora, o site de relacionamento Orkut mostra a verdade. Tudo não passou de uma armação da Globo.No debate de ontem, a regra era que os eleitores indecisos formulassem uma pergunta para os candidatos".

Veja os links no site www.osamigosdopresidentelula.blogstpot.com

domingo, 29 de outubro de 2006 01:37:00 BRT  
Blogger Ratapulgo disse...

ótimo!

domingo, 29 de outubro de 2006 05:46:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home