quarta-feira, 4 de outubro de 2006

Por que é divertido escrever sobre política no Brasil (04/10)

É divertido escrever sobre política no Brasil porque quando você acha que já viu acontecer de tudo acontece o que nunca ninguém tinha visto antes. Hoje, o Tribunal Superior Eleitoral decidiu divulgar três -sim, três- interpretações possíveis sobre a lei que institui a cláusula de barreira. Deixo aqui os links para você se informar. Ah, sim, o TSE prometeu escolher uma das três proximamente. Interessante. Eu achava que a função dos tribunais era aplicar a lei e interpretá-la. Mas não sabia que "interpretar" era isso.

Terceira interpretação do TSE aponta 6 partidos que alcançam a cláusula de barreira

Segunda interpretação aponta número menor de partidos a alcançar cláusula de barreira

Primeiros cálculos do TSE apontam partidos que atingiram ou não a cláusula de barreira

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

3 Comentários:

Anonymous augusto disse...

Prezado Alon: Muito divertido. Aliás, como freqüentador deste “barzinho” desde março observo, salvo melhor juízo, uma nova tendência (ou será curva ascendente?) no perfil dos freqüentadores. É impressão, ou já se pede mais Logan do que cerveja. Prevejo, que já-já você vai sair do prejuízo... Falando sério, sou fã de primeira hora do blog e, sempre, recomendo-o a quem merece. Da sua infinidade de acessos diários, que você não divulga por estratégia de mercado, muitos, seguramente, são meus, sempre na expectativa da visão inteligente e isenta que você, admita ou não, tem de sobra. Um abraço.

quarta-feira, 4 de outubro de 2006 21:34:00 BRT  
Anonymous Dorian disse...

Senta que lá vem história: sSim no Brasil quem interpreta as leis são os tribunais superiores desde a decisão de Senado, durante a gestão do Presidente Floriano Peixoto. Isso se deu durante o período quase ditatorial do Marechal de Ferro, entre a Segunda Revolta da Armada e a Revolução Federalista. O Senado até então tinha o poder de interpretar as leis que vinha da Câmara, porém devido ao temor que Floriano alterasse a composição do Senado com a inclusão de biônicos ou cassação dos senadores federalistas e civilistas, para que pudesse controlar a interpretação do direito da primeira constituição da República, o Senado abdicou de suas prerrogativas, dando-as ao Supremo Tribunal. Nosso Senado na época tinha funções muito similares a Câmara dos Lordes do Reino Unido, a interpretação das leis era a principal. Floriano indicou 15 juizes ao Supremo, outros 4 foram rejeitados pelo Senado. Foram os únicos casos de indicação de ministro do Supremo rejeitada em plenário. Floriano também é conhecido como Consolidador da República.

quarta-feira, 4 de outubro de 2006 22:34:00 BRT  
Anonymous Luis Carlos disse...

A decisão do TSE deve ser aquela que irá beneficiar o maior número de partidos possível. Afinal, não esqueçamos que estamos no nosso querido bananão varonil. Aliás, para uma eleição tão esquisita, tão pobre de idéias e de lances inusitados (escolha da candidatura Alckmin no PSDB, o dossiê Tabajara etc), acho impossível imaginar outro nome presidindo o TSE. O cidadão combina com o momento como a goibada com o queijo.
Já perceberam como ele (que já disse ter sido grampeado e ameaçado de morte) tornou-se parte do espetáculo? É uma das estrelas! Se o Alon acha divertido a politica no Brasil, acho impagáveis as incontáveis entrevistas concedidas pelo presidente do TSE. Mas não pode ser no rádio e nem nos jornais, tenho que vê-lo na tevê, para não perder o jeito que ele faz "biquinho" ao falar com a imprensa...

quinta-feira, 5 de outubro de 2006 01:16:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home