quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Polarização social ou regional? (12/10)

Os dados são de pesquisas do Ibope. Pernambuco, eleitores com nível superior de instrução: Lula 64%, Alckmin 28%. Também em Pernambuco, eleitores da faixa superior de renda: Lula 62%, Alckmin 31%. Rio Grande do Sul, eleitores que estudaram até a 4a série: Alckmin 48%, Lula 36% . Também no Rio Grande do Sul, eleitores da faixa inferior de renda: Alckmin 43%, Lula 35%. Ou seja, se há uma polarização social na eleição, há também (talvez principalmente) uma polarização regional. Os mais pobres e menos instruídos no sul preferem Alckmin, enquanto os mais bem de vida e mais instruídos no nordeste votam maciçamente com Lula.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

8 Comentários:

Anonymous João Lisboa disse...

Prezado Alon....

Geraldo Alckmin desmentiu o Nakano, mas quem faltou com a verdade foi ele, Geraldo.

Veja o que consta na página 170 (16/170) do programa de governo da coligção PSDB/PFL : "Esse programa visa a criar condições para zerar o déficit nominal com corte de despesas correntes dos governos, incluindo juros, da ordem de 4,4% do PIB no decorrer do próximo mandato.".

Quem cantou a bola foi o Nassif no seu blog. Confira

sexta-feira, 13 de outubro de 2006 03:37:00 BRT  
Anonymous Swamoro Songhay disse...

Só falta o candidato à reeleição confirmar que também vai ter de cortar, o que o Ministro do Planejamento já afirmou. Bom que tal assunto está vindo à tona no debate.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006 08:44:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O amigo poderia informar qual é a distribuição de votos Lula/Alckmin entre os mais pobres de Pernambuco e entre os menos instruídos do mesmo Estado?
Torturar dados, ao contrário de torturar gente, não é crime. Mas também não é nada elegante para um blog quase suíco, quase limpinho e 99,9% isento.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006 18:00:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

A proporção de votos para Lula, em Pernambuco, aumenta à medida que cai a renda e a escolaridade. O mesmo se dá no RS.
Portanto, há uma clivagem de renda e de instrução em PE, no RS e no BR. Há diferenças regionais NESTA CLIVAGEM. Exceções sempre existirão. Lei dos grandes números.
Por exemplo: na faculdade de filosofia da USP haverá uma correlação inversa à nacional. Isso não significa que a correlação nacional seja a irrelevante e que a da filosofia da USP seja a relevante.
É assim que aprendi na graduação, no mestrado e no doutorado. Talvez meus professores e meus livros de econometria estejam errados.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006 19:59:00 BRT  
Blogger Alon Feuerwerker disse...

Caros anônimos: coloquei links para as duas pesquisas exatamente para que todos tivessem aceso ao conjunto dos dados. É claro que o voto em Lula em todo lugar cresce quanto mais pobre e menos instruído é o eleitor. O que quis destacar é que talvez a lógica regional se sobreponha à social nestas eleições. Qual é a razão para que Lula lidere com folga entre os mais instruídos e mais bem de vida em Pernambuco? Isso derruba a tese de que o nordeste estaria votando no petista por causa apenas dos programas sociais. O mais provável é que a própria elite pernambucana prefira um presidente menos comprometido politicamente com o empresariado paulista.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006 21:29:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Na análise de dados é necessário usar as chamadas variáveis de controle. Por exemplo, é possível que rendas altas em PE estejam fortemente correlacinadas com empregos públicos. Isso cria um viés ideológico ou de interesse político específico, diferente do da média nacional. Inclusive, a proporção de renda mais alta em PE é inferior à proporção nacional, o que torna o grupo proporcionalmente menor na sub-amostra, ampliando o erro amostral.
De qualquer modo, o seu exemplo não refuta a tese de polarização de acordo com a renda em absoluta. O fato de você escrever isso, não legitima isso.
Em ciência, diferentemente de jornalismo, não basta que qualquer audiência acredite no discurso. Em ciência, a legitimidade só se dá com a aceitação do discurso por uma audiência específica.

sábado, 14 de outubro de 2006 06:20:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Eu estava acompanhando essa discussão ontem e resolvi dar a minha opinião: O Nordeste está sendo inundado por dinheiro em função dos programas sociais. Veja bem. Não está sendo objeto de investimento, mas de gasto de consumo. A sensação do empresário nordestino, da classe média nordestina e do pobre nordestino é de que estão vivendo na China, exceto pelo fato de que não há investimento suportando essa impressão, apenas transferência de renda. Como a visão do eleitor é míope, ele valoriza o presente e não enxerga o futuro, é natural que o NE vote em Lula. O contrário se dá no RS.
Mas esses são extremos. Pontos fora da curva. Na média, há uma correlação muito forte entre pobreza e baixa instrução e voto em Lula, mesmo nos pontos fora da curva (RS e NE).

sábado, 14 de outubro de 2006 06:38:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Eu tenho uma tese: o anônimo que não aponta o seu nome pode ser um agente de inteligência de campanha partidária. Mesmo que utilize o dispositivo "anônimo" para enviar sua mensagem seria honesto declinar o nome.

Rosan de Sousa Amaral

sábado, 14 de outubro de 2006 10:51:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home