terça-feira, 5 de setembro de 2006

A melhor do dia: carga tributária nos estados também subiu (05/09)

Tem certas reportagens que se autoexplicam, dispensam comentários. Vou transcrever aqui um trecho publicado hoje no Valor Econômico:

"A carga tributária dos Estados aumentou de 9,36% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2004 para 9,62% em 2005, o que elevou a arrecadação para R$ 186,49 bilhões no ano passado. As unidades da federação seguiram, embora com menor ímpeto, o mesmo movimento da carga tributária federal, que entre 2004 e 2005 apresentou acréscimo de 1,18% do PIB, passando de 25% para 26,18% do PIB. Assim como ocorreu na União, as razões para esse aumento não foram elevação de alíquotas de impostos nem ampliação da base de cálculo. O que houve, segundo explicações das secretarias de Fazenda de vários Estados, confirmadas pela coordenadora do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), Lina Vieira, foi um melhor desempenho da arrecadação decorrente do crescimento da renda e do consumo das famílias, da redução de impostos para vários produtos e do combate à sonegação. O ICMS foi o tributo com maior participação relativa (21,4%) na arrecadação do ano passado. Em segundo lugar ficou o Imposto de Renda (IR), com R$ 132,3 bilhões ou 18,3% do total.O Valor ouviu explicações de administradores tributários de seis Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, Pará e Mato Grosso."

O grifo e o negrito são meus. Os estados são ou eram governados por tucanos (3) peemedebistas da oposição (2) e petistas (1). Depois reclamam quando as pessoas desligam a tevê no horário eleitoral.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

6 Comentários:

Blogger zanuja disse...

Essa notícia é um tiro no pé da oposição.Como vc diz, não precisa explicação, é só lê.

terça-feira, 5 de setembro de 2006 12:06:00 BRT  
Anonymous Marcos disse...

Com relação ao horário eleitoral, as pessoas que assistem a este tipo de programa (e jogam fora seu precioso tempo) são as que tem voto formado. Assistem para torcer pelo seu candidato. Uma verdadeira tragédia Shakesperiana.
Agora vamos ser sinceros: Horário eleitoral é dose!

terça-feira, 5 de setembro de 2006 12:12:00 BRT  
Anonymous Marcus disse...

Como você "dispensou as explicações", não entendi direito o que você quis dizer, hehehehehe.

Eu acho que o fato do aumento da carga tributária ter acontecido por causa da diminuição da sonegação não torna esse aumento menos ruim. De qualquer forma, é dinheiro em excesso que está saindo do setor privado para o público.

Existem estudos que estimam que, se não houvesse a sonegação, a carga tributária estaria hoje em inacreditáveis 51%. Eu acho, inclusive, que li algo sobre isso aqui mesmo no blog.

Os ganhos com a fiscalização deveriam ser canalizados para cortes de impostos, de forma a não permitir o aumento da carga.

terça-feira, 5 de setembro de 2006 12:37:00 BRT  
Blogger Ricardo disse...

Isso é impossível, Alon. Melhor fiscalização não aumentaria o PESO dos impostos relativamente, tem gato na história. Fora que há a questão das transferências federais, como parte do IR, que aumentou.
Também seria importante ver por estado, pois pode haver grande oscilação por estado.

terça-feira, 5 de setembro de 2006 12:48:00 BRT  
Blogger Paulo C disse...

O Alckmin continua insistindo no tema da carga tributária federal - depois vai ter que explicar porque no estado dele a carga subiu. Acho que vai ter que chamar o Saulo Ramos para dizer que a carga tributária é um problema exclusivamente federal.

E o trágico é que, de um jeito ou de outro, quem paga somos nós.

terça-feira, 5 de setembro de 2006 14:25:00 BRT  
Anonymous jose carlos lima disse...

Antes de entrar de férias, me despedi deste blog afirmando que, ao voltar, queria encontrar o Lula lá em cima no IBOPE. Pelo jeito, meu desejo será cumprido. Quanto a esta história de bater no Lula para o Geraldo subir, uma coisa é certa: Lula é que nem massa de bolo. Quanto mais batem, mais ele cresce. O povo não gosta nem aprova este tipo de coisa. Ainda mais se sabendo que é tudo mentira contra o nosso querido Lula. Por aqui o povo é Lula por conta da presença do governo federal através de programas como o Luz para Todos, construção de postos de saúde, pavimentação e assistência social. Por aqui, as pessoas dizem, de forma carinhosa "vou votar no baixinho." Quanto ao Geraldo, ninguém quer. Coitado. É de dar dó. Ele tem uns votinhos dos ricos. Onde estou? Em Nova York, uma cidade de 4 mil habitantes, no vale do Rio Parnaíba, no Maranhão. Estou adorando Nova York. Nova York é Lula.

terça-feira, 5 de setembro de 2006 16:38:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home