sábado, 30 de setembro de 2006

Jogo feito (30/09)

O ministro Tarso Genro e o coordenador da campanha petista, Marco Aurélio Garcia, protestaram hoje contra supostas ilegalidades no vazamento, ontem, das fotos do dinheiro do dossiê. Protestaram também contra o tratamento que a imprensa deu ao caso. Fica aqui para registro. Em condições normais de temperatura e pressão, seus protestos teriam mais impacto. O problema para o PT é que a encrenca toda nasceu de uma ação tramada por pessoas do partido. Quem deu o pretexto para que a reta final do primeiro turno se transformasse no que aí está foi o PT. Ou pelo menos, vamos lá, gente do PT. Jogo feito.

Clique aqui para assinar gratuitamente este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

5 Comentários:

Anonymous leonardo disse...

engraçado
Não queriam mostrar as fotos, mas mostraram o que estava dentro do suposto dossiê. Se fosse realmente imparcial, não teriam mostrado nenhum dos dois. Aliás, a foto do dinheiro, é igual a tantas outras. Os dados do suposto dossiê é que identificam claramente as pessoas. O único problema foi que todos os presos eram do partido dos trabalhadores.
Se é para me prejudicar não, mas para prejudicar os outros libero.
Que imparcialidade é essa?
O delegado vai ser imocentado. A razão para a não liberação não tem sustentação. Libera o que contém identificação de pessoas e não o que é impessoal, como o dinheiro. Se há parcialidade, foi dos que liberaram os dados.
O delegado provavelmente vai dizer isso, e ele tem razão. Além do mais, não iria atrapalhar as investigações, o dinheiro já estava com as marcas do Banco Central e da CEF. um abraço

sábado, 30 de setembro de 2006 20:00:00 BRT  
Anonymous paulo araújo disse...

A ARROGÂNCIA É LETAL EM POLÍTICA

Hoje, por onde passei, ouvi comentários sobre Lula não ter ido ao debate. Não ouvi ninguém que o defendesse.

Roberto Romano escreveu na FSP, em 22/01/04, o que segue:

"Muitos petistas afirmavam que a ética morava só no PT. Os demais partidos? "Farinha do mesmo saco." Arrogância é letal em política."

http://www.cienciaefe.org.br/OnLine/0401/etica.htm

O professor sabia bem o que dizia.

Cansei de ler por ai que os "eleitores pobres de Lula" são imunes aos desvios morais do "Dr Getúlio". Uns tiveram a empáfia de dizer que "pobre não fica ligado até tarde na TV porque precisa levantar cedo para trabalhar".

Como escreve o Tambosi, "um saquinho de vômito".

Hoje, ainda, Roberto escreveu em seu blog:

A definição do modus operandi....
"La dissimulazione è una industria di non far veder le cose come sono. Si simula quello che non è, si dissimula quello ch'è.".(Torquato Acetto).

"A dissimulação é uma técnica de não deixar ver as coisas como elas são. Simula-se o que não é, se dissimula o que é".

Eis a descrição mais perfeita do modus operandi "companheiro".

Os camaleões do petismo acusam os outros de golpes, quando eles só golpeiam as instituições e a fé pública. Acusam os outros de suma desonestidade, quando pegos com as mãos em dinheiro espúrio. Acusam os outros de baixaria, quando jamais abandonam a perspectiva da rã, sempre golpeando de baixo para cima. É a fraude perpétua.

sábado, 30 de setembro de 2006 21:23:00 BRT  
Anonymous Marcos disse...

Alon, lembrei da eleição do Collor em 89. As pesquisas do 2º turno eram muito semelhantes a do 1º turno de agora. Lula vinha crescendo e Collor caindo. Collor ganhou.
Sei que é apenas um argumento de torcida. Mas reflete meu desejo no momento. Força Lula. Vais ganhar no 1º turno. Avante Lula.

sábado, 30 de setembro de 2006 21:52:00 BRT  
Anonymous paulo araujo disse...

Marilda que me desculpe, mas não resisto.

Você escreveu no posto "Golçalves Dias":

"nenhum movimento político ou social incapaz de gerar os seus próprios poetas e escritores ganhará perenidade. Fica, em geral, como um acidente histórico. É o risco que corre o PT, mas sobre esse assunto volto a escrever depois da eleição."

Vai ser na segunda, na terça?

Você escreveu no post das "Pedrinhas":

"Não é necessário que a maioria tenha acesso. Basta que, numa comunidade, um jovem acesse a rede na escola, ou que um trabalhador o faça no seu local de trabalho. A informação obtida se propaga depois por capilaridade, no boca-a-boca da escola, do bairro, do sindicato, da igreja. Nas conversas de esquina. Quem não vive fechado numa redoma sabe que hoje é muito mais comum do que ontem encontrar em qualquer grupo social pessoas bem-informadas e orgulhosas de sua própria opinião.

Quem quiser continuar sendo um formador de opinião infuente nesse novo mundo precisará acostumar-se à idéia de que é apenas um entre muitos. Precisará aposentar a certeza arrogante e trocá-la pelo argumento eficaz. Precisará engavetar a desqualificação do diferente e tirar do arquivo a argumentação respeitosa, que procura enxergar a dose de verdade que há nas teses do oponente. Precisará, enfim, estar mais disposto a jogar o jogo complexo da democracia. No qual o argumento da autoridade vale cada vez menos. E a autoridade do argumento vale cada vez mais."

Reli os posts. Há neles uma linha de raciocínio de uma coerência para se admirar e aprender, Alon.

Não só para mim, 18 Brumário é a obra prima do Marx. A história nunca se repete, ele ensina. Ou melhor, pode "repetir-se" como fantasmagoria, mas então já não se trata de história e sim da representação ideológica daquilo que é e que antes nunca existiu.

Por último, de qual lado ficaremos neste aqui e agora? Já escolhi o meu. Fico do lado das fotos do
delegado "Francenildo".

Sim. Uma alma genuinamente petista dirá que é um PF a soldo do PSDB. Logo, eu sou apenas mais um PSDB. Interessante, eu não sabia que eu era PSDB.

Abs.

sábado, 30 de setembro de 2006 22:24:00 BRT  
Blogger Alon Feuerwerker disse...

Sobre o PT, volto a escrever depois que a eleição acabar. Um grande abraço e vamos juntos em frente.

sábado, 30 de setembro de 2006 22:42:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home