quinta-feira, 31 de agosto de 2006

Resistência de Obrador aumenta apoio a Calderón (31/08)

O liberal Felipe Calderón ganhou as eleições no México mas seu principal adversário, Andrés Manuel López Obrador (esquerda), não aceita o resultado, alegando fraudes. Obrador tem mobilizado seus correligionários contra o veredicto das urnas e ameaça com a desobediência civil. Pelo menos no curto prazo, o resultado é o aumento da popularidade de Calderón. Pesquisa do instituto GEA-ISA aponta que hoje 48% dos eleitores escolheriam Calderón, contra 35% que votariam em Obrador. Roberto Madrazo, do tradicional PRI (Partido Revolucionário Institucional), teria 13%. O que aconteceu? Votos dados a Madrazo na eleição hoje migrariam para Calderón. Em 2 de julho, nas urnas, Calderón teve with 35,9% e López Obrador teve 35,3%. Clique aqui para ler mais.

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

2 Comentários:

Anonymous Fernando Trindade disse...

O'imbroglio' mexicano tem fortalecido a minha convicção de que os constituintes de 87/88 foram muito sábios ao preverem um segundo turno nas eleições presidenciais (Governadores e Prefeitos dos maiores Municípios também) em caso de nenhum dos candidatos obter mais votos do que todos os demais. Tal medida força a composição entre partidos com programas mais próximos (ou menos distantes) em caso de um segundo turno, o que tende a favorecer a governabilidade e à formação de uma maioria mais nítida, desafogando as tensões.

Se no México houvesse essa previsão o PRI seria o fiel da balança e o candidato que se acertasse com esse partido (não sei se Calderón ou Obrador) poderia ganhar a eleição com mais nitidez e também obter maioria no Parlamento para governar.

Como a coisa está lá o Calderón vai assumir com legitimidade abalada e me parece que com minoria no Parlamento e ânimos exaltados.

A propósito, se Lula efetivamente ganhar e ele e o PT tiverem juízo devem acertar uma coalizão para governar o mais breve possível com o PMDB (todo o PMDB, não só uma banda não), com a maior transparência possível. Do contrário a coisa vai complicar.Atenciosamente, Fernando Trindade

quinta-feira, 31 de agosto de 2006 22:11:00 BRT  
Anonymous Leonardo disse...

Você está no meu Dia do Blog.

sexta-feira, 1 de setembro de 2006 01:16:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home