domingo, 20 de agosto de 2006

Por uma "Operação Sanguessuga" nos bancos. Mas quem a fará? Leiam isso (20/08)

Trecho de reportagem da Folha Online:

"Em julho, (...) o juro mensal médio subiu para 6,24% ao mês (106,7% ao ano), o maior patamar desde setembro de 2003 -apesar de o juro básico do BC ter caído de 19,75% para 14,75% nos últimos 11 meses.
Pelo total do crédito recebido em 2005, as pessoas físicas pagaram 44% a mais só por conta dos juros. Para R$ 155,2 bilhões em crédito foram pagos R$ 67,6 bilhões de juros. 'É uma transferência de renda brutal para o setor financeiro', afirma o economista Marcel Solimeo, da ACSP."

Sem comentários.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

3 Comentários:

Anonymous augusto disse...

Prezado Alon: Outra na mosca. Boa demonstração da visão da classe. Se sobra vai pro bolso. É o que vai acontecer em se houver a tal redução de impostos proposta por alguns. Tira da previdência, tira da infraestrutura, tira da educação, tira da saúde, tira dos pobres...Mas do lucro never. Um abraço.

domingo, 20 de agosto de 2006 16:20:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

O juro mensal médio ponderado deve estar abaixo disto, se levarmos em consideração o crédito consignado. O negócio é que interessa mais aos bancos emprestar ao governo: tá pagando quase 10% de juro real ao ano e é garantido (enquanto o Brasil não quebrar pelo menos). Ou seja, parafraseando o Mantega, o governo é um monopsônio (monópolio comprador) do dinheiro dos bancos. Sobra um pouco para emprestar pra gente: a oferta é pequena (acho que dá menos de 20% do PIB?), a demanda é grande e a inadimplência é alta. Joga o spread bancário e o juro pra cima. De qualquer forma o juro médio ponderado pode estar à metade do juro médio aritmético. Só não sei se alguém tem este dado.

domingo, 20 de agosto de 2006 16:52:00 BRT  
Blogger Ricardo disse...

Sem concorrência e sem um BC financista, não vai baixar nunca. Um exemplo: por que bancos no Brasil trabalham em horário "especial" e não "comercial"?
Por que não fazem o cadastro positivo e a livre escolha de bancos na hora do contrato de trabalho? Curiosamente, perto da eleição, o PT volta a falar nisso... Deve ser para pedir recursos para a campanha: depois esquecem de novo.

domingo, 20 de agosto de 2006 19:37:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home