segunda-feira, 28 de agosto de 2006

Novidade: os políticos estão se lixando para o que acha o povo (28/08)

É o que dá para deduzir de dois fatos simultâneos:

1) As pesquisas mostram a tendência, na maioria dos casos, de o eleitorado reconduzir governantes bem-avaliados.

2) Políticos, principalmente do PT e do PSDB, movimentam-se para acabar com a reeleição.

Por que não fazem um plebiscito (ou referendo)? Era o que Fernando Henrique Cardoso deveria ter feito quando aprovou a reeleição no Congresso. Nas duas últimas consultas populares (parlamentarismo em 1993, proibição do comércio de armas em 2005), o pessoal que hoje articula nos bastidores para acabar com a reeleição perdeu.

Clique aqui para assinar este blog (Blog do Alon).
Para mandar um email ao editor do blog, clique aqui.
Para inserir um comentário, clique sobre a palavra "comentários", abaixo.

9 Comentários:

Anonymous Cesar Cardoso disse...

Nesse ponto vou discordar de você, Alon.

Acabar com a reeleição e voltarmos à tradição da Constituição de 1946, de um mandato de 5 anos, é simplesmente corrigir um erro histórico e um casuísmo sem tamanho do ex-presidente ex-príncipe dos ex-sociólogos.

E com relação à continuação de grupos políticos bem vistos pelo povo, isso ocorre com ou sem reeleição.

Pena que o PSDB, que aparentemente resolveu fazer birra com qualquer coisa que venha do Planalto, cismou com o mandato de 4 anos. Mas ainda há tempo de voltarmos a 5 anos.

Vamos deixar plebiscitos e referendos pra temas REALMENTE polêmicos, tipo aborto.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 09:50:00 BRT  
Anonymous Alexandre Porto disse...

Eu voto pela reeleição de Lula, mas sou radicalmente contra a reeleição. Sinceramente não vejo relação.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 11:58:00 BRT  
Blogger Paulo C disse...

Alon, você pergunta e responde... Acho que eles não gostaram desta coisa de plebiscito. No fim este tal de povo nunca ouve a voz da razão.

É trágica mesmo esta tradição brasileira de ficar mudando as regras de tudo ao sabor de interesses locais. Coisas como regras eleitorais deviam ser quase eternas, sujeitas a um ou outro aperfeiçoamento mas fundamentalmente estáveis.

E o pior é que acho que a reeleição (independente do modo como foi feita, lembrando a piada do Bismarck com leis e salsichas) foi um grande avanço. Se há algo a melhorar seria permitir a reeleição no cargo para governadores e prefeitos e aumentar a fiscalização do uso da máquina estatal por ocupantes dos cargos.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 12:29:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

Acho triste que os instrumentos democráticos citados, plebiscito e referendo, nem sempre se prestem à melhor solução. Existem temas que precisam de discussão e aprofundamento impossivel de se alcançar jogando para a galera, terminando por vencer o lado que melhor souber manipular emoções e medos. Nesses casos, uma discussão no parlamento na maioria das vezes permite uma solução a meio termo, ou mais sábia.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 13:28:00 BRT  
Blogger Ricardo disse...

Por que 5 anos? 4 anos já está bom demais, pois não há diferença alguma entre governador e presidente para um ter 5 anos e o outro 4. E se a reeleição continuar, o presidente deveria ser obrigado a se licenciar do cargo, como os demais candidatos o são. Lula já extrapolou todos os limites de responsabilidade no cargo, como fica demonstrado em suas recentes aparições, em que usa dinheiro público para se deslocar como candidato.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 15:31:00 BRT  
Anonymous Anônimo disse...

os políticos estão se lixando para o que acha o povo
o povo está se lixando para o que a imprensa publica
a imprensa está se lixando para a realidade

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 15:49:00 BRT  
Blogger Paulo C disse...

Eu discordo, ricardo. Em todas as democracias importantes do mundo o governante não tem que sair do cargo para se candidatar à reeleição. Isto ocorre nos EUA, nos parlamentarismos europeus (onde o primeiro-ministro continua primeiro-ministro durante a campanha), no Japão.

O erro é o contrário, exigir que os governadores e os prefeitos se desliguem do cargo - perde-se eficiência, ganha-se em hipocrisia (ou por acaso o vice de um político em vias de ser reeleito vai fazer alguma coisa sem consultar o chefe?). O que é necessário é uma fiscalização mais rígida da campanha e uma separação clara do que é necessidade de governo do que não é (na falta desta separação, tanto FHC em 98 quanto Lula agora podem misturar as coisas sem que se possa fazer nada).

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 18:07:00 BRT  
Anonymous José Augusto disse...

Eu discordo da reeleição por princípio, meios e fins. Há um claro conflito de interesses entre o governante e o candidato presente na mesma pessoa. Prefereria até mesmo um mandato de 8 anos com "recall" (referendo) no quarto (mas melhor mesmo seria uma mandato de 5 ou 6 anos, com referendo no meio do mandato).
Até o regime militar no Brasil, sabiamente, abicou da tentação à reeleição.
Mas tampouco sou contra plebescito, e acho que FHC teria obrigação de ter lutado para que fosse feito, quando foi picado pela mosca azul da reeleição.

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 18:15:00 BRT  
Anonymous Luis Carlos disse...

Alon, o que motiva as articulações pelo fim da reeleição é o casuísmo. Assim como foi o casuísmo que levou o país a instituir a reeleição em 1998. Em 2014 ou 2018 vão pensar na volta da reeleição. Isto é absurdo, não se pode ficar mudando isso de tempos em tempos. Perdão pelo chavão mas o diabo está nos detalhes. Acompanhar os movimentos desta turma (PT, PSDB, Lula, Serra, Aécio e Cia) é entender 500 anos de história, sobre como funcionam as coisas no nosso bananão. Não é que “eles” tenham desprezo pela patuléia, eles desprezam as instituições, as leis, o futuro...

segunda-feira, 28 de agosto de 2006 18:55:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home